Daily Archives: 25/06/2022

Entrevista com o historiador Hilário Franco Júnior no podcast da revista Quatro Cinco Um

Está no ar o 66º episódio do 451 MHz, o podcast da revista dos livros. Será que estamos vivendo uma distopia no mundo de hoje? E qual seria a utopia dos dias atuais? O que é utopia para alguém pode ser a distopia para outro? Essas e outras questões são tratadas pelo historiador Hilário Franco Júnior, autor de Em busca do paraíso perdido: as utopias medievais (Editora Ateliê e Editora Mnema), e pela escritora Luisa Geisler, uma das autoras de Corpos secos. O episódio procura abarcar a visão desses temas tanto do ponto de vista histórico quanto literário. Acesse aqui e ouça a entrevista.

Sobre a obra:
Desde meados do século passado ampliaram-se muito nossos conhecimentos sobre a Idade Média, na qual se reconhece a matriz da civilização ocidental cristã. Mas ainda subsistem múltiplas facetas interessantes a explorar, uma delas a produção utópica da época, que a historiografia tende a negar.

De um lado, argumenta-se não ser possível falar em utopia antes de Tomás More ter criado a palavra, no começo do século XVI. De outro lado, afirma-se que as pessoas da Idade Média pensavam demais na perfeição do Além para poderem imaginar uma sociedade perfeita nesta vida.

Nova edição de ‘Os Sertões’, de Euclides da Cunha, com desconto especial de pré-venda no site da Ateliê Editorial – Leia um trecho do prefácio

Comemorando os 120 anos da sua publicação, Ateliê Editorial lança a sexta edição de Os Sertões, de Euclides da Cunha, com aparato crítico de Leopoldo Bernucci, reconhecidamente o melhor estudo dessa obra-prima. Edição com a ortografia atualizada, revisão e acréscimos do professor Benucci, contando, ainda, com as ilustrações do artista plástico Enio Squeff. A pré-venda já está no site da editora (acesse aqui), com desconto especial: de R$280,00 por R$135,00.

Leia um trecho do prefácio do novo volume:

Esta sexta edição comentada de Os Sertões foi revista e, até hoje, é a mais completa do clássico de Euclides da Cunha. Além do texto rigorosamente restaurado conforme as fontes mais autorizadas, possui cerca de três mil notas, auxiliando o esclarecimento do difícil vocabulário euclidiano. Originalmente publicada em 2001, é a primeira edição com minucioso e inédito índice onomástico de lugares e pessoas; acurada cronologia da vida e obra do autor; vinte e quatro páginas de iconografia, com informações desconhecidas sobre o assunto; e prefácio elucidativo do organizador, que aborda o problema das diferentes linguagens de Os Sertões e de suas qualidades artísticas.

Ilustração de Enio Squeff