Daniel De Luccas

Debate sobre a produção cultural durante a Ditadura

O Memorial da América Latina promove neste mês de abril um ciclo de eventos que atualizam a reflexão sobre a Ditadura Militar brasileira. Na próxima quinta-feira, dia 17, o professor da USP Celso Favaretto, autor de TropicáliaAlegoria Alegria, irá debater sobre a produção cultural de resistência ao regime militar.

Biblioteca do Memorial da América Latina
quinta, 17/04, às 18h30 | tel. (11) 3823-4732
Entrada gratuita
Veja a programação completa

 

Tropicália: Alegoria Alegria, de Celso FavarettoTropicália: Alegoria Alegria

Celso Favaretto

Lançado em 1979, este estudo de Celso Favaretto tornou-se um clássico sobre o movimento da Tropicália, leitura imprescindível aos interessados pelo tema. O autor reconstitui os nexos entre as composições, os arranjos e as cenas que caracterizam os gestos particulares dos tropicalistas. Explica também as tendências gerais do movimento e mostra como ele desenhou uma nova estética para a música brasileira. Esta reedição, revisada e ampliada, conta com prefácio do músico e linguista Luiz Tatit. Mais detalhes

Escritores, Gatos e Teologia – Waldecy Tenório

Escritores, Gatos e Teologia – Waldecy TenórioLivro reúne ensaios de Waldecy Tenório, que “estavam espalhados por aí” e investiga a literatura, “testemunha da raiz teológica dos problemas humanos”

Ateliê Editorial | Assessoria de Imprensa

A Ateliê Editorial lança Escritores, Gatos e Teologia. Livro traz ensaios escritos por Waldecy Tenório, quase todos nascidos no ambiente universitário, frutos de cursos ministrados na pós-graduação em Ciências da Religião da PUC-SP, na pós-graduação em Letras, na USP, ou na forma de artigos publicados em livros coletivos e em revistas acadêmicas de diferentes universidades. Esses ensaios misturam ficção e não ficção, são variações de um mesmo tema – a literatura –, trazem uma “certa versão dos fatos”, e apresentam um viés interrogativo, próprio de uma investigação que não termina, como se cada ensaio fosse o mesmo ensaio que recomeça ad infinitum. Os ensaios recomeçam, porque, segundo o autor, a escrita é uma das formas de resistir ao sentimento de abandono que nos atormenta.

“Quem passar pelas páginas (deste livro) poderá aprofundar suas perguntas e ampliar suas dúvidas na companhia de autores e personagens como Virgilio e Dante, Dostoiévski e o Grande Inquisidor, Madame Bovary e Thérèse de Lisieux, Proust e Manuel Bandeira, Joyce e Santo Agostinho, Adélia Prado e Hilda Hilst, Riobaldo e o interlocutor cruel que o atormenta, Teilhard de Chardin e Saint-Exupéry, Drummond e Guimarães Rosa, os vagabundos de Beckett e aquela mulher de Sevilha dos poemas de João Cabral. Cada um ao seu modo, todos nos lembrarão o fragmento de Heráclito: “Se não se espera não se encontra o inesperado” e esta frase, vinda da noite dos tempos, é uma chave de leitura deste livro. Isto posto e uma vez que a crítica literária nasce de uma dívida de amor, eu o deposito primeiro em suas mãos, cara leitora, e depois nas suas, hipócrita leitor, meu semelhante, meu irmão…” (Waldecy Tenório)

Waldecy Tenório nasceu em Palmares (PE), estudou Humanidades no Seminário de Olinda, graduou-se em Letras Clássicas e fez o doutorado em Filosofia na Universidade de São Paulo. Professor do Colégio Equipe e do Colégio Santa Cruz, professor na graduação e na pós-graduação da PUC-SP (respectivamente Introdução ao Pensamento Teológico e Literatura e Teologia), assessor de Paulo Freire na Secretaria de Educação de São Paulo, pesquisador do Instituto de Estudos Avançados da USP. É autor de A Bailadora Andaluza: a Explosão do Sagrado na Poesia de João Cabral (Ateliê Editorial / Fapesp), e de O Amor do Herege: Resposta às Confissões de Santo Agostinho (Edições Paulinas), entre outros. Com Plinio Martins Filho organizou O Leitor Insone, uma homenagem ao crítico João Alexandre Barbosa publicado pela Edusp em 2007. Como jornalista, foi editor do caderno Cultura do jornal O Estado de S. Paulo. Apesar de aposentado, continua pesquisando, publicando artigos e resenhas em revistas acadêmicas e na grande imprensa, participando de seminários e ministrando cursos. 

Os Dois Lados da Escuta

Renato Tardivo

Ninfomaníaca, de Lars Von Trier

Ninfomaníaca (volumes I e II), de Lars Von Trier, é uma obra prima necessária e, ao mesmo tempo, sintomática dos dias atuais. Poucos conseguem, como ele, contar bem uma história ao cutucar com força nossas feridas, deixando estrias de sangue na pele – do corpo e da tela.

No primeiro filme, uma mulher, Joe, é encontrada na rua com sinais de espancamento por um homem mais velho, Seligman. Ele a leva para a sua casa e, mais que abrigo e calor, lhe oferece a escuta. Joe trata de reconstruir sua história, tendo Seligman (e o espectador) como testemunha.

O filme alterna o presente, em que Joe conta a história para Seligman em um dos quartos da casa dele, e o passado rememorado em flashbacks. Joe retoma a infância, a descoberta da sexualidade, as primeiras relações, a compulsão sexual na juventude, o reencontro com o primeiro homem.

O volume I termina em aberto, revelando cenas do II nos créditos. A busca incessante por prazer de Joe encontra, ao fim da primeira parte, o esgotamento. E tudo indica que a busca, no limite impossível, se voltará, no volume II, para o seu corpo e potencializará sua degradação.

O equilíbrio entre o tempo da ação e os flasbacks, no volume I, tende à perfeição. Mas, sendo um filme inacabado, há menos riscos. No entanto, as chances de a história se perder, sobretudo por uma possível banalização das cenas chocantes (como talvez tenha ocorrido em Anticristo, do mesmo diretor), não seriam pequenas no volume II.

Não é o que ocorre: a continuação é simplesmente sublime.

Aspectos que ficam em aberto na parte anterior são explorados: a relação (transferencial) entre Joe e Seligman, também ele um ser faltante, o mergulho radical de Joe nas perversões, sexuais e do capital (nesse sentido, o filme lembra O Cheiro do Ralo, produção nacional de 2005 dirigida por Heitor Dhália), sua inadequação às instituições e normas vigentes, as (outras) regras dentro das quais ela pode (incestuosamente) ser mãe.

Ninfomaníaca não é um tratado sobre perversões, nem um raio x da subjetividade de Joe. O filme, na figura da protagonista, é uma metáfora perfeita – e toda metáfora perfeita é, também, um paradoxo – das modalidades de vínculos que, mediados pelo chicote, estabelecemos na contemporaneidade: da cegueira de si e do outro, da destrutividade de todos.

Lars Von Trier, munido de sua conhecida câmera na mão, dos cortes dentro do plano, aspectos finamente trabalhados mas que conferem um caráter documental e despojado à narrativa fílmica, retoma eventos do volume I e os resolve de modo surpreendente. Mais ainda: o volume II, por projeto uma continuação, traz a temática da continuidade – e seus limites – no próprio enredo. Assim, se o filme não se perde na banalização da violência, tampouco se perde na redenção das personagens: a arma não disparar uma vez (desejo inconsciente?) não significa que ela não possa disparar depois.

De um lado da escuta – e do outro.

Leia mais textos de Renato Tardivo para o Blog da Ateliê

Coluna Resenhas - Renato Tardivo

Renato Tardivo é mestre e doutorando em Psicologia Social da Arte pela USP e escritor. Atua na interface entre a estética, a fenomenologia e a psicanálise. É professor universitário e escreveu os livros de contos Do Avesso (Com-Arte) e Silente (7 Letras), e o ensaio Porvir que Vem Antes de Tudo – Literatura e Cinema em Lavoura Arcaica (Ateliê).

 

Ilustrações do livro Contos da Nova Cartilha – Segundo Livro de Leitura – Vol. 1

Neste Dia Internacional do Livro Infantil selecionamos do livro algumas das belas ilustrações feitas por crianças russas a partir das narrativas escritas por Liev Tolstói

Escrito por Liev Tolstói e ilustrado pelas crianças da Escola Infantil de Artes n. 9, da cidade de Ijevsk, na Rússia, este livro traz 38 narrativas baseadas em fábulas, histórias reais, contos folclóricos e outros textos que eram usados em sala de aula na escola rural criada pelo escritor russo. Preocupado com a educação das crianças e dos pequenos camponeses, Tolstói produziu muitos livros de histórias para crianças e cartilhas. Leia o release

Acesse o livro na loja virtual da Ateliê

Leia a resenha sobre o livro escrita por Renato Tardivo

Ilustração do livro "Contos da Nova Cartilha – Segundo Livro de Leitura – Vol. 1" Ilustração do livro "Contos da Nova Cartilha – Segundo Livro de Leitura – Vol. 1" Ilustração do livro "Contos da Nova Cartilha – Segundo Livro de Leitura – Vol. 1" Ilustração do livro "Contos da Nova Cartilha – Segundo Livro de Leitura – Vol. 1" Ilustração do livro "Contos da Nova Cartilha – Segundo Livro de Leitura – Vol. 1"

5º Festival Sul-Americano de Cultura Árabe

Obra "Em Nome de Deus, o Misericordioso", de Moafak Dib Helaihel

Luiza Wolf | Folha de S. Paulo

Festival árabe tem shows e exposições grátis em SP

Para marcar o Dia da Comunidade Árabe no Brasil, comemorado na terça (25), a quinta edição do Festival Sul-Americano de Cultura Árabe traz a São Paulo atrações gratuitas, como shows, exposições e oficinas.

Até o dia 31, o festival ocupa vários endereços. O Centro Cultural São Paulo abriga o show da banda tunisiana Nubah Siqah, que se apresenta hoje (23), e a exposição “A Arte da Caligrafia Árabe”.

Veja a programação completa

Conheça os livros da Ateliê sobre cultura árabe

 

As faces do amor na obra de Paulinho da Viola

Antonio Carlos Quinto | Portal Top Vitrine | 14 de março de 2014

Paulinho da Viola

Músico traz em sua lírica a melancolia como representação do amor

Inspirada em parte da obra do cantor e compositor Paulinho da Viola, a cantora e filósofa Eliete Eça Negreiros empreendeu um estudo na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP: Paulinho da Viola e o elogio do amor (que será editado e lançado como livro pela Ateliê Editorial).

Na tese de doutorado defendida no final de 2012, ela analisa composições de Paulinho, ou por ele interpretadas, traçando paralelos com autores e pensadores da filosofia e da literatura, contemporâneos e antigos, como Epicuro — filósofo da Grécia Antiga —, Olgária Matos, filósofa e orientadora do estudo, José Miguel Wisnik, docente do Departamento de Letras da FFLCH, Platão e Walter Benjamin, entre outros.

Mesmo tendo o compositor como tema central do estudo, outros nomes da canção popular também são lembrados. Entre eles, Nelson Cavaquinho, Cartola e Dorival Caymmi.

“Há um diálogo entre as artes e a Filosofia”, avalia Eliete. “Assim como o filósofo cria um discurso, o cancionista cria a canção. Sua expressão artística então é também um modo de pensar o mundo, uma filosofia”, analisa.

Ao traçar tais paralelos, ela observa então como o amor é representado nestas canções. Para tanto, fez um recorte dividindo o sentimento em: amor breve; amor melancólico; amor feliz. “Optei por fazer um ensaio abordando estes recortes e a relação deles nas canções de Paulinho com nomes consagrados da filosofia”, descreve.

Os amores

Eliete mostra que a concepção de amor nas composições de Paulinho, ou nas canções que ele canta, quando representado como “o amor breve”, filia-se à tradição do pensamento ocidental que desde os gregos reflete sobre a fragilidade da condição humana e a brevidade da vida. Como num trecho da música “Aquela Felicidade”: Aquela felicidade que você conheceu/ Um dia, na minha vida, já terminou…

O compositor carioca traz em sua lírica a melancolia. “Ela é um dos modos da representação do amor em suas canções”, observa a pesquisadora. É neste espaço que a filósofa descreve o amor melancólico em seu trabalho. E mais uma vez cita o compositor, na música “Nada de novo”: Nada de novo capaz de despertar minha alegria.

Para Eliete, a compreensão desse amor melancólico deve levar em conta, a partir das análises de Freud sobre o luto e a melancolia, a maneira pela qual ele e o amor se entrelaçam em sua obra e, em particular, a dificuldade do melancólico em esquecer o passado.

Já em relação à felicidade, ao “amor feliz”, Eliete descreve que há várias concepções de felicidade na obra de Paulinho. “Desde a noção epicurista de felicidade enquanto busca do prazer, até a noção estoica de felicidade enquanto resistência ao sofrimento”.

Ao todo, foram dedicados cerca de quatro anos para a conclusão do estudo que, ainda este ano, será publicado em livro. Aliás, o mesmo caminho de sua dissertação de mestrado. Em março de 2011, a cantora lançou em São Paulo Ensaiando a canção: Paulinho da Viola e outros escritos, fruto da pesquisa Ensaiando a Canção: Paulinho da Viola, apresentada na mesma FFLCH em 2002.

Eliete Negreiros canta profissionalmente há 32 anos, tendo gravado seu primeiro disco, “Outros Sons”, em 1982. Somente dez anos mais tarde viria a gravar uma música de Paulinho da Viola, Para ver as Meninas, no disco “Canção Brasileira – A Nossa Bela Alma”. “Cresci ouvindo Paulinho, Wilson Batista, Gal Costa, Bethânia e tantos outros. Posso dizer que as canções do Paulinho da Viola me acompanham por toda vida.”

Conheça o livro Ensaiando a Canção – Paulinho da Viola e Outros Escritos, de Eliete Eça Negreiros

Cursos do Espaço Revista Cult – 1º Sem./2014

Espaço Revista Cult

Espaço Revista Cult

LABORATÓRIO DE ESCRITA CRIATIVA

DE 11/03 A 24/06

Sem exigir conhecimentos prévios no campo da literatura ou experiência com escrita criativa, o laboratório pretende partilhar com seus participantes conhecimentos sobre o trabalho de ler e escrever como prática estética que é também experiência existencial.

Com Marcia Tiburi, doutora em Filosofia, Colunista da Revista CULT e autora de diversos livros de filosofia e de literatura, como Filosofia em comum (Record), Filosofia brincante (Record); dos romances Magnólia (Bertrand Brasil), A Mulher de costas (Bertrand Brasil), entre outros. E Evandro Affonso Ferreira, escreveu vários romances, entre eles Minha mãe se matou sem dizer adeus (Record) – Prêmio APCA Melhor romance de 2010, e O mendigo que sabia de cor os adágios de Erasmo de Rotterdam (Record) – Premio Jabuti de Melhor Romance de 2013.

 

FILOSOFIA FEMINISTA

De 12/03 a 28/05

O curso visa tanto contar a história do pensamento sexista feito contra as mulheres, bem como do pensamento feito por mulheres ao qual damos o nome de feminismo. O objetivo é recontar a história da filosofia como negação das mulheres e poder ver, no fim do túnel da história, o feminismo como filosofia crítica com vista à emancipação. Os homens que quiserem participar do curso deverão entrar vestidos de mulher.

Com Marcia Tiburi, doutora em Filosofia, Colunista da Revista CULT e autora de diversos livros de filosofia e de literatura, como Filosofia em comum (Record), Filosofia brincante (Record); dos romances Magnólia (Bertrand Brasil), A Mulher de costas (Bertrand Brasil), entre outros.

 

OFICINA DE CONTOS

12/03 a 02/04

Serão apresentadas as características de gênero, estilo, linguagem e ritmo. Para trabalho em casa, será sugerida a leitura de um conto, a fim de que os participantes tenham, sozinhos, uma experiência com aquela escrita. Ao longo do curso, cada participante produzirá um conto, que será lido e discutido na última aula.

Com Fabrício Corsaletti, formado em letras pela USP, foi professor de literatura e redação e editor assistente na Editora 34. É autor de Esquimó (Companhia da Letras, prêmio Bravo!) e Golpe de ar (Editora 34), e King Kong e cervejas (contos, Companhia das Letras) entre outros.

 

E-BOOK DO COMEÇO AO FIM

Dias 28 e 29/03

O curso aborda de forma teórica todos os aspectos relacionados ao e-book. As aulas temáticas seguem o fluxo de produção de um e-book do começo ao fim. Ou seja, da escolha do título até a comercialização; passando pela produção, pelos direitos autorais e pelo marketing. O curso é voltado a pessoas que trabalham ou pensam em trabalhar no mercado editorial.

Com Juliano Garcia Pessanha, escritor e ensaísta. Publicou a trilogia Sabedoria do nunca, Ignorância do sempre, Certeza do agora, além de Instabilidade perpétua, todos pela Ateliê Editorial.

 

A ARTE DE EDITAR REVISTAS

Dias 4 e 05/04

A oficina tem como objetivo produzir material poético e trabalhar a produção poética dos participantes de modo a apresentá-la no espaço comum, tornando-a, mesmo que por um curto período de tempo, parte da geografia dos lugares. Editar uma revista exige excelente qualificação profissional, repertório, domínio do segmento e técnicas cada vez mais sofisticadas. A disputa por um espaço destacado nas bancas de revista – que vendem centenas de títulos – e a conquista do leitor, definitivamente, não são tarefas fáceis.

Com Luara Calvi Anic (editora na revista Claudia, da Abril), Micheline Alves (diretora de núcleo da editora Trip), Kátia Lessa ( colunista da Folha de São Paulo e colaboradora da revista Serafina), Edu Hirama (diretor de arte da revista s/nº. Assina projetos de livros como A louca debaixo do branco, de Fernanda Young) e Ricardo Arcon (editor da revista Playboy).

 

A ARTE DE EDITAR UM LIVRO

De 7 a 12/04

O curso oferece um panorama completo de um processo de edição – da elaboração do projeto inicial à impressão. Reunidas em módulos temáticos, as aulas, de natureza teórica, capacitam os participantes a conhecer a fundo os mais modernos e eficientes métodos e técnicas de edição de um livro.

Com André Conti (editor da Companhia das Letras), Léo Wojdyslawski (advogado, especialista em Propriedade Imaterial), Aline Valli (produtora gráfica na Cosac Naify), Alexandre Martins Fontes (diretor-executivo da WMF Martins Fontes), Alexandre Barbosa de Souza (editor da Globo Livros), Elaine Ramos (diretora de arte da Cosac Naify), Juliana Vettore (jornalista responsável pelo departamento de comunicação da Companhia das Letras) e Débora Guterman (editora de ficção e não ficção da Saraiva).

Programação completa do Espaço Revista Cult

Condução

Branka - baixa

Alex Sens Fuziy

Abro os olhos. Relaxo as falanges e a língua, músculo pulsante onde ainda tremula um mantra colorido, cheio de Ganesha. Um dedo pressiona o par de colcheias no visor do aparelho. Procuro no escuro a letra B: Branka Parlić. Por um momento maior, esse momento que nos traga e nos guia a uma dimensão inesperada, de beleza que é mais surpresa que encanto, caio nas águas do nome dessa pianista sérvia: Branka. Minha percepção de sonho ou de mergulho afunda no vigor da letra K, tão sólida, tão brilhante, tão marmórea e tão branca quanto o nome que a carrega. Logo em seguida, ainda gelado pelo que toquei com o coração da palavra, me deparo com Parlić. O que poderia ser uma faca cravada na letra C, não passa de uma forma latina para o cirílico Ћ, consoante que guarnece o fim de muitos sobrenomes servo-croatas. O grafema tem o som da língua se afastando subitamente dos dentes cerrados: tch. Como se fosse “Párlitch”. Algo estalando no fogo do sobrenome. Fogo e gelo, choque térmico sobre o mármore de Branka, ou Бранка, forma feminina de Branko, que por sua vez é diminutivo de Branislav, que por sua vez é um cognato de Bronisław, que, por fim, deriva dos elementos eslavos “bron”, proteção, e “slav”, glória. Não há nada de branco no nome que me atinge com seu duro K: mas há brancura no talento da pianista: a brancura que nasce do caos do giro das cores iluminadas.

Você sabia que a mistura da reflexão de todas as cores resulta em branco? Se ela não carrega o nome que nos aproxima do adjetivo, pelo menos leva proteção e glória nos dedos que nadam velozes pelas teclas do piano como peixes ansiosos. E enquanto eu vejo aquele nome e busco pela música que já não sei mais qual é, me afogo nessas ideias, vou deixando na superfície das coisas ondulantes tudo o que eu tinha para escrever aqui e acabei não escrevendo. Porque além dos nomes, as palavras todas me possuem e eu também viro palavra, e eu também vou me permitindo ser qualquer coisa: fusão do mantra, do silêncio, das cores que piscam no quarto; transfusão de luz, pensamento e linguagem. De repente eu tenho vontade de me chamar Branka, porque gêneros ultrapassam corpos e caio na desgraça sedutora de não ser mais eu mesmo, mas o próprio nome que me fagulha antes da ansiedade musical. Ou musicada.

O que mesmo eu ia escrever aqui?

A composição, feita pelo gênio Philip Glass, chama-se “Mad Rush”. É ali que meu dedo toca, sobre o título, e o piano se derrama em planícies verdes de som líquido. Volto a fechar os olhos e a música inunda a escuridão. O que vem a seguir é uma sequência de imagens que fogem do meu controle, como se cada nota, cada tom de azul e negro e escarlate e principalmente cinza, cada tom que escorre dessa música contínua fosse o feto axial da minha imaginação — ou desse origem a ele.

Câmera lenta: o som de um coração pulsando dentro de um berilo: uma chuva de maçãs vermelhas: só vejo as maçãs, não sei se estouram no que sei ser gramado mais embaixo ou se simplesmente afundam no verde como se feito de espuma; diástoles e sístoles continuam, muito mais sutis do que a música. Atrás das maçãs há casas pintadas de cinza, telhados vermelhos e nuvens cinzentas, todas responsáveis por aquela chuva. Não vejo quando as frutas deixam as nuvens, só a queda. Uma luz gira: o contraste explode: as casas se enegrecem como fatias de carvão contra um céu brilhante. Não chego a cegar porque a cena vira a folha de um livro.

Branka continua tocando: quando a música ascende a uma pressa urgente, tento abrir os olhos e tudo o que vejo são olhos se abrindo num tremor infinito em asas de mariposas, borboletas e corujas. São olhos feitos de penugem branca, retinas azuis, profundezas que guardam o suco da noite. Elas voam, abrindo a imagem para uma sequência inversa à das maçãs: camas de ferro lascado flutuando em direção ao céu. Centenas delas, brancas e frágeis como esqueletos do sono, mortalhas de sonhos, subindo lentamente, sem a gravidade dos pesadelos, sem a gravidade que continua prendendo o coração ao berilo.

Quando a música cessa, a realidade rompe a janela na forma de uma cigarra: elétrico, corrosivo, acobreado, seu canto perfura o silêncio e alguma coisa sem nome suspira diante da vida. Essa coisa me escapa, mas sei que pode voltar. Basta fechar os olhos, permitir-se, deixar-se conduzir ao lago de éter que…

O que mesmo eu ia escrever aqui? Não importa.

 

As palavras todas - Alex

Alex Sens Fuziy nasceu em 1988 em Florianópolis (SC), vive em Minas Gerais e é escritor. Publicou Esdrúxulas, livro de contos de humor negro e realismo mágico, seguido pelo livro artesanal Trincada. Teve contos e poemas publicados em sete coletâneas e em revistas literárias virtuais, assim como resenhas de livros e críticas em sites de jornalismo cultural. Seu romance de estreia O Frágil Toque dos Mutilados venceu o Prêmio Governo de Minas Gerais de Literatura 2012.

A Transmissão da Palavra ao Imaginário Infantil

Renato Tardivo

Contos da Nova Cartilha – Segundo Livro de Leitura – Vol. 1Liev Tolstói (1828-1910), escritor russo, é o célebre autor de Guerra e Paz e Ana Karenina, obras que se tornaram marcos da literatura mundial. Também difundidos são os textos de inclinação anarquista que fazem do autor uma referência importante em estudos sobre política. No entanto, nem tão conhecidos do grande público – embora lidos  por milhões de crianças pelo mundo – são os escritos de Tolstói dirigidos às crianças. O escritor manteve uma escola, em sua propriedade próxima a Moscou, onde lecionava a camponeses pautado pelo princípio da liberdade.

Em Contos da Nova Cartilha­ – segundo livro de leitura (vol. 1), reúnem-se fábulas, contos, raciocínios e histórias verdadeiras escritos por Tolstói que facultam ao leitor a experiência da liberdade para criar, imaginar, pensar. Assim, não se trata de narrativas com uma simples “moral da história”; em outra direção, os textos convidam a pensar sobre seus dilemas, despertando o interesse pelo conhecimento. Com efeito, interessantes e inteligentes, as narrativas não se destinam apenas ao público infantil, mas a todo leitor que se dispuser a ampliar a gama de significações acerca de si, dos outros, do mundo.

Parece atravessar os textos a tese de que aprender é criar e, por extensão, de que não há pensamento ou filosofia que se justifiquem senão aqueles que se questionem continuamente. É emblemático, nesse sentido, o texto “O Tato e a Visão”, em que, no primeiro momento, o autor evidencia a tese de que “os dedos enganam, mas os olhos corrigem”, e, em seguida, desconstrói a verdade absoluta que se poderia encerrar na tese anterior explicitando que também “os olhos enganam, mas os dedos corrigem”. Essa confusão, no limite insuperável, se coloca sempre que há abertura à alteridade, na medida em que não há conhecimento a respeito do outro que o encerre.

Trocas mercantis, relações do homem do campo entre si e com a natureza, a luta pela sobrevivência, variadas são as temáticas das narrativas, que na presente edição são acrescidas de belíssimos desenhos produzidos a partir dos textos por crianças russas dos dias de hoje. Note-se, entretanto, que não se trata de ilustração no sentido de dar aos textos sua justa medida, uma vez que a justa medida das coisas – e da palavra – nunca se atinge, mas é a própria transmissão dos textos ao imaginário infantil que ganha forma também na comunicação que se estabelece no nível das diferentes linguagens – palavra e imagem –, deixando para sempre em aberto (o que provavelmente agradaria Tolstói) a questão: onde mora o saber, no professor ou no aluno?

Acesse o livro no site da Ateliê

Coluna Resenhas - Renato Tardivo

Renato Tardivo é mestre e doutorando em Psicologia Social da Arte pela USP e escritor. Atua na interface entre a estética, a fenomenologia e a psicanálise. É professor universitário e escreveu os livros de contos Do Avesso (Com-Arte) e Silente (7 Letras), e o ensaio Porvir que Vem Antes de Tudo – Literatura e Cinema em Lavoura Arcaica (Ateliê).