A Literatura em sua Humanidade

Renato Tardivo*

Os Arquétipos Literários, livro fundamental do russo E. M. Melentínski, foi publicado pela primeira vez no Brasil em 1998. Agora acaba de sair sua terceira edição.

Além de uma apresentação, assinada pela professora Aurora Fornoni Bernardini, uma das tradutoras da obra para o português, o livro divide-se em duas partes: “Sobre a Origem dos Arquétipos Temáticos, Literários e Mitológicos” e “As Transformações dos Arquétipos na Literatura Russa Clássica – cosmos e caos, herói e anti-herói”.

O texto aborda as relações dos mitos e arquétipos com a ficção, de modo a, por meio de um aprofundado estudo da história da literatura, delinear as estruturas mentais da humanidade.

Fortemente influenciado pela teoria dos arquétipos de C. G. Jung, Melentínski, no entanto, diverge do médico suíço no seguinte sentido: enquanto para Jung o mito diz de uma harmonização do pensamento individual consciente com o inconsciente coletivo, para Melentínski essa harmonização apareceria não no estádio do mito, mas no estádio do romance cortês e medieval.

Da perspectiva original de Melentínski, então, a função do mito seria harmonizar as relações do homem com a sociedade, a cultura e o mundo que os envolve.

Na seção dedicada à literatura russa, o autor analisa obras de escritores como Gógol, Dostoiévski e Tolstói, destacando a presença de arquétipos do cosmos e do caos, do herói e do anti-herói. É interessante perceber nas análises que, ao se valer de arquétipos arcaicos, a literatura os transforma, os recria e, por que não dizer, os atualiza.

Assim, o livro de Melentínski configura-se como um trabalho fundamental de crítica literária, uma vez que, como poucos, habita o trânsito compreendido entre as obras, quem as produziu e a tradição. E é por isso que não se trata de mera aplicação de conceitos psicanalíticos ou antropológicos à literatura, mas, felizmente, de considerá-la uma das produções humanas mais preciosas.     

* Renato Tardivo é psicanalista e escritor. Doutor em Psicologia Social da Arte (USP). Autor, entre outros, dos livros Porvir que vem antes de tudo – literatura e cinema em Lavoura Arcaica  (Ateliê/Fapesp), Cenas em Jogo – Literatura, Cinema, Psicanálise e do volume de poemas Girassol Voltado Para a Terra (Ateliê). 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *