Daily Archives: 21/11/2019

“Geórgicas”, de Virgílio, ganha edição anotada e comentada pelo Grupo de Trabalho Odorico Mendes

Um poema sobre as práticas e as técnicas de agricultura. Este assunto que aparenta não despertar interesse é o pretexto que Virgílio (70 a.C. – 19 a.C.) usa, em Geórgicas,  para tratar de temas grandiosos: a força do sentimento amoroso, as dificuldades humanas, o papel do trabalho. Para muitos, esta é a maior obra de Virgílio.

A nova edição de Geórgicas, que a Ateliê Editorial está lançando, traz o texto integral (os quatro “livros”) em versão bilíngue, comentado e anotado por integrantes do Grupo de Trabalho Odorico Mendes – que congrega docentes da Unicamp, USP, UNIFESP, UFMG e UNESP. A edição é organizada por Paulo Sérgio de Vasconcellos, que fala a seguir ao Blog da Ateliê:

O que é o Grupo de Trabalho Odorico Mendes?

Paulo Sérgio de Vasconcellos: O Grupo de Trabalho Odorico Mendes é um grupo de pesquisa que nasceu no Instituto de Estudos da Linguagem da Unicamp e tem por objetivos principais estudar e divulgar as traduções da obra de Virgílio realizadas pelo tradutor maranhense Manuel Odorico Mendes (1799-1864). Odorico Mendes foi considerado por Haroldo de Campos um pioneiro da tradução criativa dos textos poéticos em português e também da reflexão crítica sobre o processo tradutório, e o grupo pretende mostrar aos leitores não especialistas os méritos dessa empreitada pioneira através de edições bem cuidadas de sua obra. Houve formações diferentes do grupo, em função das atividades do momento; nos primeiros trabalhos, contou-se com a colaboração não apenas de docentes de várias universidades mas também de pós-graduandos. Para a anotação e comentário das Geórgicas, reuniu-se um grupo de docentes da Unicamp, USP, UNIFESP, UFMG e UNESP.

Qual a importância de Geórgicas na obra de Virgílio?

PSV: Atribuem-se a Virgílio, com segurança, três obras que tiveram grande influência na literatura ocidental; as Geórgicas é a segunda delas na ordem cronológica. Há quem julgue ser essa a maior obra de Virgílio, um juízo subjetivo mas que diz muito sobre sua recepção; o próprio Odorico Mendes considera essa a obra mais bem acabada do poeta. Se nas Bucólicas, sua obra de estreia, Virgílio imitava Teócrito no gênero pastoril, dando voz a personagens que eram pastores-poetas, nas Geórgicas imita sobretudo Hesíodo, praticando o gênero didático. O poema tem um tema técnico, as práticas e técnicas dos agricultores, mas esse parece ser apenas um pretexto para tratar de temas mais grandiosos como a força do sentimento amoroso em todos os seres animados, as dificuldades que o homem enfrenta na lida diária, etc. Em meio à simulação de transmissão de conteúdos agrários, aparecem episódios notáveis como o da descida do poeta Orfeu ao mundo dos mortos na tentativa vã de resgatar da morte sua esposa Eurídice, e aqui Virgílio parece refletir sobre os limites do poder da poesia. É um clássico, aberto a releituras constantes. Por outro lado, trata-se do poema mais difícil de Virgílio, por causa dos conteúdos técnicos (cultivo dos campos e do gado, arboricultura, apicultura), mas justamente o desafio do poeta é tratar de grandes temas universais a partir de matéria aparentemente tão miúda e antipoética.

Quanto tempo levou para concluir o trabalho que agora está ao alcance do público, nesta edição de Geórgicas? Quais foram os desafios enfrentados nesse processo?

PSV: A tarefa consumiu cerca de dez anos. Todos os que participaram do projeto são professores universitários, que têm uma rotina de trabalho muito exigente, entre aulas, pesquisas, orientações, atividades administrativas etc. Além disso, a trabalho de anotação e comentário da tradução foi muito cuidadoso e, por isso, lento. O português de Odorico Mendes busca a precisão na tradução dos termos técnicos, e o grupo teve de fazer muita pesquisa de vocabulário (por vezes em dicionários de séculos passados) para identificar com precisão os sentidos do léxico empregado pelo tradutor. O conjunto foi submetido a revisões minuciosas e criteriosas de toda a equipe para que o trabalho resultasse o melhor possível, uma espécie de homenagem a um tradutor genial que no passado foi alvo de incompreensões.

Paulo Sérgio de Vasconcellos

Qual a importância de ter a obra integral à disposição do público? Além deste, quais são os outros diferenciais desta edição da Ateliê?

PSV: A edição da Ateliê não tem igual. Toda dificuldade apresentada pelo texto e  que poderia atrapalhar a leitura do não-especialista  (vocabulário técnico, sintaxe complexa, alusões mitológicas, alusões a acontecimentos históricos, etc.) recebeu uma explicação em nota de rodapé. São centenas de notas, redigidas com todo rigor filológico. Além disso, depois de cada “livro” das Geórgicas, além das notas do próprio tradutor, interessantes por revelar suas concepções de tradução, acrescentam-se notas e comentários feitos pelo grupo; nelas, analisamos os modos por vezes surpreendentes como Odorico Mendes responde a certos aspectos do texto latino e comentamos, sobretudo, como efeitos de som, ritmo, sintaxe do original virgiliano são recriados no português de Odorico. O leitor terá, assim, uma espécie de demonstração didática dos modos como Odorico Mendes traduz a obra. Por fim, a edição traz o texto latino adotado por Odorico e aponta erros de impressão que a edição original trazia, quer no texto latino, quer no texto português.

Por favor, pode escrever brevemente sobre a suposta “humildade” das Geórgicas, que Matheus Trevisam aponta no texto de introdução?

PSV: A Antiguidade classificava os vários gêneros poéticos segundo uma hierarquia; os gêneros mais elevados eram a epopeia e a tragédia (aliás, objetos da Poética de Aristóteles). Gêneros como a comédia e a poesia didática (caso das Geórgicas) eram, comparativamente, considerados mais “humildes”. Mas que não nos enganemos. O tema é “humilde” e também certo vocabulário técnico pode parecer prosaico, mas a grandiosidade da mais alta poesia perpassa toda a obra. Justamente o desafio de Virgílio era dotar essa matéria humilde de densidade poética, e a recepção da obra diz bastante sobre o sucesso de sua empreitada.

O que o sr. gostaria de dizer ao público que pretende ler Geórgicas e nunca antes teve acesso à obra? O que esperar desta edição?

PSV: O leitor não está diante de uma obra fácil, não está diante de uma tradução fácil. Mas este é um caso em que superar a complexidade que muito exige do leitor é  gratificante. Há episódios belíssimos na obra (como o tão influente de Orfeu e Eurídice, no final do quarto “livro”) e, no conjunto, uma visão do homem e do mundo que alterna sombras e luz: em Virgílio, a realidade retratada nunca é monocromática nem fácil, daí as interpretações por vezes radicalmente divergentes de suas obras, quando se acaba vendo só uma face de um mundo na verdade mutifacetado. Entre outros temas que o poema parece tratar de forma sutil, destaco que a natureza aparece personificada, mas ao mesmo tempo o homem parece por vezes animalizado: uma espécie de simpatia universal em que homens e animais compartilham muita coisa em sua condição de existência no mundo, afetados igualmente por forças como o impulso erótico, a doença e a morte. É um longo poema para se ler e reler. A tradução é o que se pode esperar de um tradutor como Odorico Mendes: nada banal, criativa, poética. Gonçalves Dias dizia que Odorico metrifica “como um rei” e sem dúvida, mas não só pela habilidade na métrica, há passagens de suas traduções que poderiam figurar em antologia do que de melhor produziu a poesia brasileira. O leitor tem diante de si uma edição que tudo faz para aplainar as dificuldades de fruição de um dos mais instigantes projetos tradutórios, o de uma obra como as Geórgicas, o poema mais desafiador, e talvez o mais instigante, de Virgílio.

Conheça outros títulos da coleção