Federico Fellini, 100 anos

Em 20 de janeiro de 2020, o genial cineasta italiano Federico Fellini faria 100 anos. Artista de circo na infância, foi quadrinista, caricaturista e redator de revista. Mas foi no cinema que encontrou o caminho para expressar sua arte e arrebatar público e crítica com  seu cinema autoral. Tanto assim que virou adjetivo. Felliniano é um personagem (ou uma situação) inusitado, que carrega consigo uma estética ao mesmo tempo barroca.

Estreia no cinema em 1945, como roteirista de “Roma, Cidade Aberta”. A reflexão que Fellini propunha em suas obras é bastante densa e mostra o ser humano em toda sua fragilidade, mesmo quando o retrata no cotidiano mais prosaico: tudo parece ter uma atmosfera onírica.  

Seus primeiros filmes têm uma inspiração neorrealista, carregados de emoção, o que faz com que nós, espectadores, nos identifiquemos com eles. Em filmes como “Ginger e Fred” (1986), o desencanto toma conta do olhar, muitas vezes em narrativas de tom confessional. “A Doce Vida” (1960) imortalizou em nossas retinas uma das cenas mais icônicas do cinema, quando Anita Ekberg banha-se na Fontana Di Trevi ao lado de Marcello Mastroianni: desejo, hedonismo e lirismo andam juntos durante o passeio pela madrugada de Roma. Seu filme seguinte, “Oito e Meio” (1963), é uma profunda reflexão autobiográfica, com um lirismo quase inatingível e, ao mesmo tempo, cheio de humor.

Ao longo de sua obra, a narrativa deixa de ocupar um lugar central na obra do italiano – e é a beleza estética que assume o protagonismo. Ele dizia que a vida real não o interessava. “A fantasia é a zona erógena mais importante”, provocava. E criava cenas oníricas e líricas enquanto a Segunda Guerra ainda era uma ferida aberta na Itália dos anos 1950.

Seu último filme, “A Voz da Lua”, foi inspirado em O Poema Dos Lunáticos,  obra mais famosa do escritor italiano Ermanno Cavazzoni que é, na verdade, um romance. O clima de surrealismo retrata Ivo Salvini, um louco recém-saído de um hospício. Salvinio é interpretado por Roberto Begnini, que traz ao público o deslumbramento da novidade e a inocência ingênua do olhar de quem vê pela primeira vez o mundo (como nós o vemos diariamente). Talvez por isso, por onde passa, ele conquista a simpatia das pessoas. “A Voz da Lua” é uma grande alegoria, repleta de lirismo e sonho.

Em 1993, recebe o Oscar pelo conjunto da obra e, logo após celebrar 50 anos de casado com a atriz (e musa) Giulietta Masina, morre, aos 73 anos, em decorrência de um ataque cardíaco, deixando como legado uma das mais importantes obras cinematográficas da história.  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *