“A Cidade e As Serras”, de Eça de Queirós

A Cidade e As Serras é um livro póstumo de Eça de Queirós: foi lançado em 1901, após a morte do escritor. É um dos mais importantes títulos do autor português, inclusive do ponto de vista do exercício estético. Pode até ser classificado como pós-realista, já que combina aspectos realistas, impressionistas e expressionistas, por exemplo. O romance questiona os valores da sociedade urbana portuguesa (como já acontecera antes em outros romances de Eça, como A Ilustre Casa de Ramires) e fala sobre o impacto do capitalismo nessa sociedade. Ainda assim, se tomarmos por base outros romances do autor, como O Primo Basílio, percebe-se uma certa reconciliação com alguns valores da sociedade portuguesa, fortemente combatidos em outras obras.

Como o próprio título denuncia, A Cidade e As Serras – baseado no conto Civilização, escrito por Eça em 1892 –, fala da dicotomia entre campo e cidade, tendo como ponto de partida a história do abastado francês Jacinto de Tormes, contada por seu amigo, o narrador (português) Zé Fernandes. Jacinto mora em uma mansão, com telégrafo, telefone, elevador e outros aparelhos muito tecnológicos para o cenário do início do século XX. Ele recebe em sua casa o amigo Zé Fernandes, que vem rever o amigo depois de um longo intervalo de tempo.  

Esse é um romance especular. Ou seja, tudo na estrutura do romance é de certa forma, espelhado, a começar pelo número da propriedade do protagonista: 202. Mas o espelhamento se espalha pela obra, na comparação entre campo e cidade; na lembrança de juventude em comparação ao momento presente, por exemplo.

A tecnologia e a modernidade são aspectos importantes para Jacinto. “A felicidade dos indivíduos, como a das nações, se realiza pelo ilimitado desenvolvimento da mecânica e da erudição”, afirma. Ele cria, na juventude, uma espécie de equação (que também pode ser um elemento lido como especular), segundo a qual

“Suma Ciência X Suma Potência = Suma Felicidade”.

Este preceito irá guiar a narrativa de A Cidade e as Serras.

Enredo

Eça de Queirós

Quando chega a Paris para visitar Jacinto, Zé Fernandes acaba por se inebriar pela cidade e sua atmosfera. Apaixona-se pela prostituta Madame Colombe, tornando-se um “selvagem” e contrariando a teoria de Jacinto de que esta seria uma característica do homem do campo. Vários são os episódios do romance que tentam desmontar a teoria de Jacinto – um alerta para que o leitor a veja de maneira crítica. Um exemplo disso é a solidão e a frágil saúde de Jacinto – a despeito do fato de que ele esteja morando na cidade mais desenvolvida de então, com acesso à medicina e às melhores condições de tratamentos de saúde.  

Durante a visita de Zé Fernandes, Jacinto precisa voltar a Tormes, para tratar dos danos ocorridos em uma propriedade sua. Esse retorno ajuda a melhorar o quadro de frágil saúde do protagonista. Mas aqui também Eça de Queirós coloca críticas em seu romance. A vida no campo não é apenas bucólica e perfeita. O leitor se depara com cenas de pobreza e dificuldades dos camponeses.

Em Tormes, Jacinto encontra Joaninha, prima de Zé Fernandes, com quem se casa. Ao mostrar que Jacinto encontra a “suma felicidade” longe da cidade, Zé Fernandes conclui que a tecnologia nem sempre é a razão da felicidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *