Tag Archive for leitura

Retratos da Leitura no Brasil 5ª edição

Por Renata de Albuquerque*

A quinta edição da Pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, realizada pelo Itaú Cultural e Instituto Pró-Livro, acaba de ser divulgada.  O objetivo da iniciativa é conhecer o comportamento do leitor e identificar os hábitos do brasileiro em relação à literatura.

Uma das mais interessantes novidades da edição é um módulo dedicado a leitores de literatura, seja em papel ou em outros suportes. Para efeito da pesquisa, literatura é qualquer conteúdo não utilitário/informativo.  

Além disso, a pesquisa contou com novos indicadores e opções de resposta, incluindo visitas a eventos (a coleta de dados foi realizada ainda em 2019, antes da pandemia), o uso do formato digital e a importância de influenciadores digitais nas escolhas de leitura. A inclusão da variável de gênero e raça também foi um importante avanço nesta edição da pesquisa.

Foram feitas 8076 entrevistas em 208 municípios brasileiros. Os leitores de literatura leem maior quantidade de livros por ano e são as pessoas mais jovens (até 29 anos), que leem por vontade própria e não por solicitação de instituições (escola, faculdade, trabalho). Ainda há mais leitores do gênero feminino lêem mais que do gênero masculino.

Papel, o predileto

O papel continua sendo o formato preferido dos leitores: 67% do total, enquanto que apenas 20% ouviu áudio livros. É interessante notar que quem lê livros físicos tende a compartilhar mais impressões de leitura que aqueles que lêem em outras plataformas. Estudantes do Ensino Médio lêem mais que em qualquer outra fase da vida escolar, incluindo-se aqui os livros de literatura.

Considerando leitores (quem leu, inteiro ou em partes, pelo menos 1 livro nos últimos 3 meses) e não-leitores, a média  de livros lidos foi de 5 (semelhante ao número da pesquisa anterior). O tema ou assunto do livro continua sendo a razão pela qual a maior parte dos leitores escolhe os livros que lerá, sendo que 12% afirmam escolher um livro pelo autor.  

A pesquisa aponta uma tendência de decréscimo na frequência de leitura de quase todos os formatos, especialmente livros de literatura por vontade própria e livros didáticos indicados pela escola. Entre as preferências de leitura, estão a Bíblia, contos, romances e outros livros religiosos.

Machado de Assis e Monteiro Lobato são os autores mais citados, enquanto que a sugestão de professores é levada em conta para que um leitor em fase escolar escolha o próximo título. Aqui vemos claramente a importância da escola na formação dos leitores no Brasil.    

Quem declara frequentar bibliotecas afirma ser bem atendido e gostar do espaço. Entretanto, 37% dos estudantes e 52% dos leitores não vão a esses espaços, sendo que 8% não sabe responder o que uma biblioteca representa para si. Estes dados indicam que é preciso revalorizar esses espaços para democratizar ainda mais a leitura.

Quer saber mais sobre a pesquisa? Acesse!

*Jornalista, Mestre em Literatura Brasileira pela FFLCH/USP, autora da Dissertação Senhoras de Si: o Querer e o Poder de Personagens Femininas nos Primeiros Contos de Machado de Assis.

Homenagem a Olga Savary

Por José Armando Pereira da Silva*

A jornalista, escritora, tradutora e ensaísta Olga Savary, que faleceu, vitimada pela covid em maio de 2020, trabalhou com Massao Ohno por mais de uma década.

Massao e Olga Savary (1933 -2020) – uma associação improvável, que durou mais de dez anos. O profissionalismo de uma autora sempre empenhada e organizada se confrontando com o espirito boêmio do editor, que não respeitava prazos, falhava na distribuição dos livros, não prestava contas da vendas e não aceitava suas sugestões. Então, como explicar que confiasse a Massao a edição de sete de suas obras mais significativas e ainda o chamasse para trabalhos em outras editoras? Ela mesma responde: “Ele sabia fazer um livro”.

Suas habilidades de designer (e ousadia, como Altaonda, em grande formato, estampando na capa o retrato da autora) combinadas com a escolha dos ilustradores Calasans Neto, Manabu Mabe e Aldemir Martins, Tomie Ohtake, Guita Charifker, Kazuo Wakabayashi deram aos livros de Olga, com o reconhecimento literário, visibilidade para prêmios em São Paulo e no Rio de Janeiro. Sobre Retratos, concluía a jornalista Elizabeth Vieira: “Um belo livro. Que vale a pena ser lido. E visto” (Jornal da Tarde, 9.12.1989).

Na sua temporada carioca dos anos 1980, Olga foi sua anfitriã no meio literário, e se considera lançadora de seu nome fora do reduto paulistano. Foi quem o apresentou a Marly de Oliveira.

Outra afinidade os aproximou: o gosto pelo haicai. Olga estava entre as primeiras cultoras e divulgadoras do gênero no Brasil. Como praticante, ampliou o arco temático tradicional e liberou-se de estrita grade formal, sem fugir ao espirito das imagens-sínteses. Buscou lições dos mestres Bashō, Buson e Issa, que traduziu em O Livro dos Hai-kais (p. ), abrindo caminho para outros autores do gênero no catalogo de Massao. Quando voltou ao mestre, no preparo para a editora Hucitec de Hai-kais de Bashō, foi a ele que confiou a coordenação gráfica.

Também precursor, Magma mostra outra faceta da obra de Olga Savary. Provavelmente o primeiro livro integralmente de poesia erótica escrito por uma mulher no Brasil. Serve-lhe de capa obra de Tomie Ohtake – truque mais uma vez usado pelo editor: involucro minimalista de suave combinação cromática para um conteúdo ardente. O contrário se dá em Eden Hades, onde as representações da ave do paraíso, da mulher nua e de São Jorge matando o dragão, criadas por Guita Charifker, conduzem diretamente aos arquétipos míticos e sagrados que são dominantes nos poemas.

Olga Savary soma ao oficio poético trabalhos como jornalista, contista, tradutora e organizadora de antologias. Além dos clássicos do haicai, traduziu Borges, Cortazar, Fuentes, Lorca, Neruda e Octavio Paz. Organizou a Antologia Brasileira de Poesia Erótica (1984) e a Antologia da Nova Poesia Brasileira (1992), reunindo 334 poetas de todos os Estados brasileiros, na qual também convocou Massao para a supervisão gráfica. Sua obra tem recebido várias análises, sendo a mais abrangente no âmbito acadêmico a de Marleine Paula Toledo: Olga Savary – Erotismo e Paixão (2009).

Conheça mais sobre Massao Ohno e Olga Savary

*José Armando Pereira da Silva é Mestre em Teatro pela Universidade do Rio de Janeiro e em História da Arte pela USP. Pertence à Associação Brasileira de Críticos de Arte (ABCA) Publicou: Província e VanguardaThomas Perina – Pintura e PoéticaJoão Suzuki – Travessia do SonhoA Cena Brasileira em Santo AndréPaulo Chaves – Andamentos da Cor e Artistas na Metrópole – Galeria Domus, 1947-1951. Organizou: Guido Poianas – Retratos da CidadeVertentes do Cinema ModernoLuís Martins, um Cronista de Arte em São Paulo e José Geraldo Vieira – Crítica de Arte na Revista Habitat.  É autor de Massao Ohno, Editor (Ateliê Editorial).

Dia dos pais: leitura também é exemplo

O slogan é antigo, mas é verdadeiro: “não basta ser pai, tem que participar”. E a participação dos pais é fundamental para o desenvolvimento dos filhos em diversos aspectos: físico, mental, emocional e até intelectual, como mostra a recém-divulgada pesquisa “Retratos da Leitura no Brasil – 4ª edição”.

Segundo o levantamento, realizado pelo Instituto Pró-Livro, com apoio da ABRELIVROS, CBL e SNEL, a figura do pai ou responsável foi quem mais influenciou 4% dos entrevistados ao hábito de leitura, atrás apenas dos professores e da figura materna.

4% pode parecer pouco, mas se pensarmos que o país tem mais de 200 milhões de habitantes, os números absolutos são consideráveis. E tudo torna-se mais considerável ainda se você pensar no seu filho ou na sua filha. para além da estatística, pais e mães querem o melhor para suas crianças.

E fazer o bem, dar um exemplo edificante ao mesmo tempo em que se pode desfrutar de um momento de prazer é ainda melhor. Foi  pensando nisso que a Ateliê criou uma lista de livros especial para cada tipo de pai. E, para comemorar o Dia dos Pais, os títulos recomendados estão com desconto. Então, não perca tempo. Identifique o seu tipo de pai e confira nossas sugestões de presente:

 

PAI INTELECTUAL

 

Poesia É Criação: Uma AntologiaPoesia É Criação: Uma Antologia

Poeta, ficcionista, dramaturgo, desenhista. Assim era um dos mais importantes artistas portugueses do século XX: múltiplo. José de Almada Negreiros (1893-1970) tem muito a mostrar aos leitores e, com esta antologia, a Ateliê Editorial traz ao público brasileiro uma importante amostra desse trabalho, recolhida pelos organizadores  Fernando Cabral Martins e Sílvia Laureano Costa.

 

 

 

E Fizerom Taes Maravilhas… – Histórias de Cavaleiros e Cavalariasfizerom maravilhas

De onde vem o gosto pelos romances ou novelas ou livros de cavalarias? Antes de tudo, de sua natureza fantasiosa – permeada de monstros, gigantes, fadas, castelos, animais estranhos, acontecimentos miraculosos, e de sua apologia do heroísmo guerreiro – com um exército de cavaleiros que, além de vassalos fiéis e imbatíveis, são em geral belos e perfeitos amantes. Mas esses ingredientes aliciantes, pura ficção, estão intrinsecamente plantados na História de seu tempo e são, por isso mesmo e como qualquer boa literatura, uma poderosa fonte de conhecimentos do Homem e da sociedade que o rodeia. Basta conferir a diversidade temática dos artigos reunidos neste livro.

 

PRIMEIRA CAPA REV LIVRO 5Livro n.5 – Revista do NELE

Uma revista para quem ama os livros e, ainda mais, ama ler sobre eles. A Revista do Núcleo de Estudos do Livro e da Edição (NELE) une textos de vários professores e pesquisadores que, em várias seções, apresentam o livro como objeto de estudo. Acervo e Arquivo, por exemplo, trazem ao conhecimento o que antes estava guardado.

 

 

 

PAI DESIGNER

Sobrecapa do livro "Capas de Santa Rosa"

Capas de Santa Rosa

Múltiplo, Tomás Santa Rosa dedicou-se a várias tarefas no campo das artes plásticas: executou pinturas e gravuras, criou capas, ilustrações e projetos gráficos para livros, revistas e jornais, elaborou cenários e figurinos para o teatro, projetou decoração para festejos de carnaval. Neste livro, porém, Luís Bueno destaca o que considera fundamental para o conhecimento da história da editoração e do design gráfico no Brasil: as capas criadas por Santa Rosa.

 

 

O Design do Livrodesign do livro

O maior desafio do designer de livros não é criar um objeto bonito, mas descobrir a melhor maneira de servir às palavras do autor. O premiado artista gráfico americano Richard Hendel e outros oito designers apresentam, neste volume, alguns de seus mais importantes projetos visuais. Hendel analisa a escolha do formato, a seleção dos tipos, a disposição da mancha, entre outros aspectos. Traduzida pela primeira vez para o português, esta obra é de grande valia aos profissionais do meio editorial.

 

 

capa produção gráficaProdução Gráfica para Designers

O que um designer gráfico precisa saber sobre os processos de impressão para poder realizar melhor seu trabalho, diminuindo as chances de erros? Foi para responder a essa pergunta que o designer gráfico Mark Gatter compilou seu vasto conhecimento na indústria gráfica, tanto nos EUA quanto na Inglaterra, no livro Production for Print, considerado uma referência quando o assunto é produção e design e traduzido pela Ateliê Editorial.

 

 

PAI FOTÓGRAFO

Fotografia & HistóriaCapa Fotografia 5ed.indd

A fotografia é um resíduo do passado, fonte histórica aberta a interpretações. Esse é o mote da análise interdisciplinar que Kossoy faz do processo de representação nos documentos visuais. Fotografia & História traz princípios de investigação e uma metodologia de análise crítica das fontes fotográficas, a partir de uma abordagem sociocultural. A obra, em edição revista e ampliada, é pioneira no país. Tornou-se referência importante para historiadores, cientistas sociais e estudiosos da comunicação.

 

 

idade media no cinemaA Idade Média no Cinema

Quais são os limites entre realidade e ficção nos filmes que retratam a cultura medieval? Os artigos deste livro trazem à tona essa questão e problematizam a verdade histórica do cinema. Os autores analisam diversos filmes sobre a Idade Média e concluem: toda obra trabalha com impressões do real, mas a avaliação do espectador determina a coerência do conjunto. Assim, tanto as intenções do diretor quanto as impressões do público contribuem para dar aquela dose de realismo necessária à fantasia.

 

A Imagem FriaUntitled-4

São da década de 1980 os oito filmes analisados pelo psicanalista Tales Ab’Sáber em seu livro de estreia. A proposta é discutir as relações entre o cinema feito em São Paulo e as questões culturais da Nova República. O autor leva em conta as noções de pós-modernismo, mercado e técnica, bem como os novos caminhos estéticos buscados pelos diretores da época. Pelo alcance da análise, a obra enriquece não só a reflexão sobre o cinema, mas o debate sobre os tropeços da produção cultural brasileira.

 

PAI BIBLIÓFILO

bibliomania_caixa_Page_1Bibliomania

“Escrever sobre livros é tarefa sem fim”, diz Marisa Midori Deacto na abertura de Bibliomania. No entanto, o material que ela e o autor Lincoln Secco produziram sobre o tema nos dois anos que escrevem para a Revista Brasileiros permitiu a criação de uma bela edição, com capa dura e projeto gráfico de Gustavo Piqueira. Os textos, de curto formato, falam sobre todo tipo de assunto, sendo o livro sempre o protagonista: das mudanças no mercado editorial, até sonhos, fé e razão.

 

 

Philobiblon ou O Amigo do LivroSem título-1

Publicada pela primeira vez em 1473, esta é considerada a primeira obra impressa sobre bibliofilia. Contém um minucioso tratado sobre técnicas de manuseio, guarda e respeito ao livro. Traz, além disso, uma autobiografia e um testamento. Traduzido diretamente do latim, em edição bilíngue, o texto expressa o amor que o autor dedicou a esses objetos do saber. Além de ser um documento histórico importante, a obra ensina o leitor a se tornar um amigo do livro.

 

casa da invençãoA Casa da Invenção

As novidades tecnológicas que surgiram no fim do século XX trouxeram novos desafios para a gestão da informação. Os acervos físicos perdem sua tradicional importância, uma vez que a internet facilita o acesso à produção simbólica. Então, o que o futuro reserva para o armazenamento de livros, a preservação de documentos e a difusão das ideias? Para Luís Milanesi, há uma resposta: mais do que guardar e emprestar livros, as bibliotecas devem se tornar espaços para discutir e criar conhecimento.

 

 

Gostou das sugestões? Então dá uma olhada em http://www.atelie.com.br/publicacoes/promocao/ Lá você vai ver que ainda tem muitos outros títulos com descontos incríveis!