Shakespeare e Cervantes, pedras fundamentais da literatura

Por: Renata de Albuquerque*

 

Em dez dias, o mundo perdeu dois dos mais importantes escritores da História: Cervantes e Shakespeare. O ano era 1616 e as notícias ainda não se espalhavam tão rápido quanto hoje. Em 22 de abril, em Madri, na Espanha, Miguel de Cervantes, poeta, dramaturgo e autor daquele que é considerado o primeiro romance moderno da literatura, Dom Quixote, faleceu. Sua morte foi registrada apenas no dia seguinte.

Miguel de Cervantes Saavedra

Miguel de Cervantes Saavedra

Dom Quixote, ou, no título e grafia originais, El ingenioso hidalgo Don Quixote de La Mancha, foi publicado em 1605 e conta a história de um fidalgo que alucina devido à leitura de romances de cavalaria, como, por exemplo, Tirant Lo Blanc, o primeiro romance de cavalaria ibérico. A partir disso, ele realiza incursões aventureiras ao lado do amigo Sancho Pança, de certa forma para imitar seus heróis.

“Desde suas primeiras páginas, o primeiro livro de cavalaria da Espanha parece querer nos advertir de que todo livro de cavalaria pressupõe um livro de cavalaria precedente, necessário para que o herói se torne cavaleiro”, explica Ítalo Calvino em seu Por Que Ler os Clássicos. Só esta razão já é suficiente para que quem queira entender melhor a grandiosidade de Dom Quixote recorra a Tirant Lo Blanc – que narra as façanhas de um cavaleiro andante que se transforma em grande general.

O livro de Cervantes é o segundo livro mais traduzido no mundo, ficando apenas atrás da Bíblia e inaugura o que chamamos de romance moderno, com personagens que defendem a paz e a justiça – valores, até hoje, muito enfocados na literatura.

Shakespeare

Como na Inglaterra o calendário gregoriano só foi adotado no século XVIII, a data de 23 de abril também foi, por muito tempo, considerada a data da morte do bardo inglês. Esta é a razão pela qual 23 de abril é data que a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) escolheu para comemorar o Dia Mundial do Livro. Mas, devido a essa diferença de tempo na adoção do calendário gregoriano, hoje sabe-se que Shakespeare, na verdade, morreu em 3 de maio.

William Shakespeare

William Shakespeare

Além de poeta (escreveu mais de 150 sonetos), Shakespeare escreveu peças de teatro que definiram a dramaturgia desde então, tanto em termos de personagens quanto nos temas tratados. Sua influência é inequívoca e seus textos servem, até hoje, como base para filmes, musicais e até novelas.  Quem não se lembra de Romeo + Juliet, com Leonardo Di Caprio? Ou da novela O Cravo e a Rosa, inspirada em A Megera Domada?

A importância de Shakespeare é tamanha que sua obra inspirou também outros clássicos. Machado de Assis, por exemplo, é conhecido por aludir a Shakespeare em várias de suas obras. Foi essa ligação entre o autor inglês e o brasileiro que inspirou Helen Caldwell a escrever O Otelo Brasileiro de Machado de Assis, um marco na crítica literária mundial, no qual pela primeira vez, em um estudo publicado em livro, levanta-se a hipótese de que Capitu poderia não ter traído Bento Santiago em Dom Casmurro. Lançado em 1960 e escrito por uma americana que tinha acesso ao então pulsante feminismo da época, O Otelo Brasileiro de Machado de Assis revolucionou a crítica, colocando novas questões nas possibilidades de análise de um clássico que, já então, havia sido publicado há mais de seis décadas.

*Jornalista, Mestre em Literatura Brasileira pela FFLCH/USP, autora da Dissertação Senhoras de Si: o Querer e o Poder de Personagens Femininas nos Primeiros Contos de Machado de Assis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *