Daily Archives: 29/03/2018

A Margem da História

Renato Tardivo*

Arabia Brasilica, livro do professor e pesquisador italiano Alberto Sismondini, é fruto de um trabalho minucioso que busca identificar e analisar a influência da literatura árabe na produção de escritores brasileiros. O ensaio se debruça principalmente sobre a obra de Raduan Nassar (talvez o escritor brasileiro vivo mais reconhecido de nosso tempo) e Milton Hatoum (autor em franca atividade com protagonismo na literatura brasileira), mas também sobre o romance familiar de Salim Miguel. Como se vê, trata-se de autores de origem libanesa e, o que é mais importante, cuja origem se faz determinante em sua obra.

Mas Sismondini não se ocupa somente da obra desses três autores. Com rigor historiográfico (e geográfico), o ensaio explora elementos da presença do Líbano no Brasil, voltando a reflexão à própria literatura ao abordar aspectos da obra de Guimarães Rosa, Drummond, Jorge Amado, Ana Miranda, Alberto Mussa, entre outros, bem como a influência da literatura francesa nas obras de Nassar e Hatoum. Tais investigações visam dar corpo, então, aos principais propósitos do trabalho: buscar “um sentido para o conceito de ‘estilo oriental’”, o que se cumpre ao abordar “alguns temas paradigmáticos: a solidão, a utopia e o exílio […] a necessidade de entrelaçar o mal e o bem […] o amor pela tradição e a obsessão pelo trabalho, a experiência do infinito e da totalidade limitada”.

Os contos de As Mil e Uma Noites ganham destaque nas análises desenvolvidas no âmbito da literatura comparada. Isso ocorre, por exemplo, quando o autor assinala a presença da escrita a serviço da oralidade, tanto em um dos contos do célebre texto árabe (“Maryam a Cinteira”) como na novela Um Copo de Cólera, de Raduan Nassar. Traços de As Mil e uma Noites são também encontrados na obra de Milton Hatoum. Em seu romance de estreia, Relato de um Certo Oriente, há inclusive menções explícitas ao texto árabe, o que não é aleatório: a estrutura do romance de Hatoum, com efeito, parece moldada em As Mil e Uma Noites.

Temas como “atopias”, “exílio” e “incesto” são desenvolvidos na última seção do livro, por meio da leitura de Lavoura Arcaica, de Raduan Nassar, e Dois Irmãos, de Milton Hatoum. A força dos personagens “preteridos” – que se estende à linguagem mesma das narrativas – é lida em diálogo  com passagens da literatura árabe, uma vez mais sobretudo com os contos de As Mil e Uma Noites.

Finalmente, chama a atenção a temática do “estrangeiro”, que atravessa o livro. Ora, trata-de de um autor italiano, radicado em Portugal, analisando influências da literatura árabe na obra de autores brasileiros de origem libanesa. Mas, mesmo dentro desse escopo, o “estrangeiro” se expande, já que obras de outros autores brasileiros e influências da literatura de outros países são também consideradas. Nessa medida, este ensaio que aborda autores que escreveram “à margem da história”, é também ele um livro que procura o tempo todo lançar luz às margens ao habitá-las.

 

 

*Renato Tardivo é psicanalista e escritor. Doutor em Psicologia Social da Arte (USP). Autor, entre outros, do ensaio Porvir que vem antes de tudo – literatura e cinema em Lavoura Arcaica  (Ateliê/Fapesp) e do livro de poemas Girassol Voltado Para a Terra (Ateliê).