Daily Archives: 25/03/2015

Livros e Leituras na Espanha do Século de Ouro

Carolina Ferro | Revista História da Biblioteca Nacional | Seção: Livros | Página 94 Março de 2015

765_01O acesso ao livro nunca foi tão democrático. Esta reflexão ganha peso ao compararmos nossa época com momentos anteriores, quando esse objeto podia ser obscuro e proibido – por isso mesmo, instigante. Foi o que ocorreu na Espanha do século XVII, período conhecido como Barroco ou Século de Ouro. A maioria da população era analfabeta, mas, em época de poucas mídias, uma obra literária podia ter um alcance maior do que se imagina. Castillo Gómez recorre a documentos de arquivo, testemunhos escritos, pistas encontradas na materialidade das obras, folhas soltas, panfletos e bilhetes para compreender como e onde aquela sociedade lia e qual era o sentido dessas leituras.

O autor aborda aquela que era considerada boa ou má leitura, a forma erudita de fazê-Ia somada à produção de conhecimento, as transgressões daqueles que liam obras censuradas pela Inquisição, a leitura solitária e em comunidade, que fazia com que o acesso à obra fosse além de um único leitor, tanto no âmbito religioso quanto no profano. A importância dada aos livros aparece também nas biografias de homens do período.

Todos os temas se dividem em seis capítulos, e estes, em subcapítulos estimulantes, e contam com uma excelente tradução realizada por  Claudio Giordano. O exemplar tem nove reproduções de documentos  que dão a dimensão da variedade de suportes e tipos de escrita pesquisados, como um cartaz publicitário do ilusionista flamengo Juan Rogé (impresso) e anotações de leitura de Juan Vázquez del Marmol (manuscrito). Uma obra memorável para os bibliófilos.

Cotação do Livro: Altamente recomendável

Conheça a obra Livros e Leituras na Espanha do Século de Ouro no site da Ateliê.

 

A Outra Guerra do Fim do Mundo

Bruno Garcia | Revista História da Biblioteca Nacional | Seção: Livros | Página 95 Fevereiro de 2015

760_01“Dois homens carecas brigando por um pente”, era como o escritor argentino Jorge Luis Borges descrevia a Guerra das Malvinas.

O pequeno arquipélago no Atlântico Sul atiçou a ambição patriótica da ditadura militar argentina no começo a década de 80. Mas, a despeito de suas intenções, a aventura durou pouco mais de dois meses, terminando com a vitória retumbante do Reino Unido. Em A Outra Guerra do Fim do Mundo, Osvaldo Coggiola recupera não apenas detalhes preciosos do conflito, dados e movimentações dos exércitos, como também investe na legitimidade dos discursos de ambos os países para justificar suas posições. De um lado, o regime argentino em crise, apelando urgentemente para um nacionalismo redentor, de outro, o imperialismo britânico, e suas idiossincrasias imorais. O resultado é um precioso trabalho por parte do historiador argentino que termina por colocar os pingos nos is, demonstrando a perplexidade e os absurdos de um dos conflitos mais inusitados da história contemporânea.

Cotação do Livro: Muito recomendável

Conheça a obra A Outra Guerra do Fim do Mundo no site da Ateliê.