343 search results for "leitura"

2º Conaler: Congresso Nacional de Leitura Online

Até 3 de novembro acontece o 2º Conaler – Congresso Nacional de Leitura. O evento, gratuito, é organizado pela Fundação Observatório do Livro e da Leitura. Acontece exclusivamente pela internet e reúne grandes especialistas do Brasil e do mundo para falar sobre a questão da leitura. São conferências, palestras virtuais e uma rica programação cultural, durante 6 noites seguidas, com transmissão ao vivo gratuita.

Participam desta edição, entre outros, o autor Pedro Bandeira, Ferrez e Zuenir Ventura; as autoras Alice Ruiz, Ana Paula Maia e Eliane Brun; além de intelectuais, pesquisadores e estudiosos do tema. Mais informações, acesse: http://www.conaler.org.br/

Campanhas sobre leitura movimentam a internet com #diadelertododia e #tempodeler

Por: Renata de Albuquerque

A leitura está em alta no mundo virtual. No próximo dia 20 de setembro é #diadelertododia, uma campanha mundial pela leitura que tem o apoio da CBL e que foi destaque na Bienal Internacional do Livro de São Paulo, que aconteceu até o início do mês.

A campanha mobiliza pessoas do mundo todo, do Paquistão ao Canadá, passando por diversas cidades brasileiras. Para fazer parte da Campanha Mundial pela Leitura basta registrar uma imagem de alguém lendo e enviar para a coordenação. Mais informações no site http://www.diadelertododia.com/

Outra campanha que já está acontecendo é a #tempodeler. A campanha, promovida pela Ateliê Editorial, tem como objetivo incentivar as pessoas a buscarem mais tempo para ler, com dicas sobre como alcançar esse objetivo já que, segundo a pesquisa “Retratos da Leitura no Brasil”, esta é uma das principais razões para que as pessoas não leiam mais.

Arte de divulgação da campanha #tempodeler

Arte de divulgação da campanha #tempodeler

Qualquer pessoa pode participar. Basta usar a #tempodeler no Twitter e dar a sua dica de como conseguir mais tempo para a leitura, essa atividade tão deliciosa e prazerosa.

Agora, se o problema é não ter o hábito da leitura, a Ateliê também dá uma ajuda. A editora fez uma lista de livros que são perfeitos para quem quer começar a adquirir esse hábito, porque são leituras tão rápidas e agradáveis que vai ficar fácil encontrar um tempinho para elas, mesmo na sua agenda lotada. Confira:

Os Cem Menores Contos Brasileiros do Século

Organizado por Marcelino Freire, o livro parte do princípio de que, em tempos de Twitter, a linguagem tem de ser renovada, para ser ainda mais concisa e objetiva. O autor de Angu de Sangue convidou cem autores brasileiros (entre os quais Laerte, Manoel de Barros, Glauco Mattoso, Lygia Fagundes Telles, Millôr Fernandes e Marçal Aquino) paras escrever histórias de até 50 letras. O resultado são contos tão curtos quanto interessantes. Perfeito para quem tem apenas poucos minutos disponíveis, já que os contos podem ser lidos de maneira independente e não levam mais que alguns segundos para serem lidos.

 

Silêncios no Escuro

Primeiro livro adulto de Maria Viana reúne 16 contos que têm, como fios condutores, a morte e o silêncio. “Acho que o que me levou a escrever este livro foi o desejo de contar algumas histórias que de alguma maneira estavam esperando o momento certo para tomar forma de palavra escrita, já que povoavam meu imaginário e minha memória há muito tempo”, diz a autora.

 

ASA – Associação dos Solitários Anônimos

Romance ousado e divertido, cheio de sarcasmo, deixado inédito por Rosário Fusco, que morreu em 1976. O romance escrito em 1967 e teve sua primeira edição em 2003. Desde então encanta os leitores com sua  narrativa de andamento veloz, que dialoga com o surrealismo e naturalismo, explorando um recanto especial do cenário brasileiro: a marginalidade acumulada ao longo do cais.

 

Se você quiser conhecer toda a lista de livros em promoção, visite o link http://www.atelie.com.br/publicacoes/promocao/

Dia dos pais: leitura também é exemplo

O slogan é antigo, mas é verdadeiro: “não basta ser pai, tem que participar”. E a participação dos pais é fundamental para o desenvolvimento dos filhos em diversos aspectos: físico, mental, emocional e até intelectual, como mostra a recém-divulgada pesquisa “Retratos da Leitura no Brasil – 4ª edição”.

Segundo o levantamento, realizado pelo Instituto Pró-Livro, com apoio da ABRELIVROS, CBL e SNEL, a figura do pai ou responsável foi quem mais influenciou 4% dos entrevistados ao hábito de leitura, atrás apenas dos professores e da figura materna.

4% pode parecer pouco, mas se pensarmos que o país tem mais de 200 milhões de habitantes, os números absolutos são consideráveis. E tudo torna-se mais considerável ainda se você pensar no seu filho ou na sua filha. para além da estatística, pais e mães querem o melhor para suas crianças.

E fazer o bem, dar um exemplo edificante ao mesmo tempo em que se pode desfrutar de um momento de prazer é ainda melhor. Foi  pensando nisso que a Ateliê criou uma lista de livros especial para cada tipo de pai. E, para comemorar o Dia dos Pais, os títulos recomendados estão com desconto. Então, não perca tempo. Identifique o seu tipo de pai e confira nossas sugestões de presente:

 

PAI INTELECTUAL

 

Poesia É Criação: Uma AntologiaPoesia É Criação: Uma Antologia

Poeta, ficcionista, dramaturgo, desenhista. Assim era um dos mais importantes artistas portugueses do século XX: múltiplo. José de Almada Negreiros (1893-1970) tem muito a mostrar aos leitores e, com esta antologia, a Ateliê Editorial traz ao público brasileiro uma importante amostra desse trabalho, recolhida pelos organizadores  Fernando Cabral Martins e Sílvia Laureano Costa.

 

 

 

E Fizerom Taes Maravilhas… – Histórias de Cavaleiros e Cavalariasfizerom maravilhas

De onde vem o gosto pelos romances ou novelas ou livros de cavalarias? Antes de tudo, de sua natureza fantasiosa – permeada de monstros, gigantes, fadas, castelos, animais estranhos, acontecimentos miraculosos, e de sua apologia do heroísmo guerreiro – com um exército de cavaleiros que, além de vassalos fiéis e imbatíveis, são em geral belos e perfeitos amantes. Mas esses ingredientes aliciantes, pura ficção, estão intrinsecamente plantados na História de seu tempo e são, por isso mesmo e como qualquer boa literatura, uma poderosa fonte de conhecimentos do Homem e da sociedade que o rodeia. Basta conferir a diversidade temática dos artigos reunidos neste livro.

 

PRIMEIRA CAPA REV LIVRO 5Livro n.5 – Revista do NELE

Uma revista para quem ama os livros e, ainda mais, ama ler sobre eles. A Revista do Núcleo de Estudos do Livro e da Edição (NELE) une textos de vários professores e pesquisadores que, em várias seções, apresentam o livro como objeto de estudo. Acervo e Arquivo, por exemplo, trazem ao conhecimento o que antes estava guardado.

 

 

 

PAI DESIGNER

Sobrecapa do livro "Capas de Santa Rosa"

Capas de Santa Rosa

Múltiplo, Tomás Santa Rosa dedicou-se a várias tarefas no campo das artes plásticas: executou pinturas e gravuras, criou capas, ilustrações e projetos gráficos para livros, revistas e jornais, elaborou cenários e figurinos para o teatro, projetou decoração para festejos de carnaval. Neste livro, porém, Luís Bueno destaca o que considera fundamental para o conhecimento da história da editoração e do design gráfico no Brasil: as capas criadas por Santa Rosa.

 

 

O Design do Livrodesign do livro

O maior desafio do designer de livros não é criar um objeto bonito, mas descobrir a melhor maneira de servir às palavras do autor. O premiado artista gráfico americano Richard Hendel e outros oito designers apresentam, neste volume, alguns de seus mais importantes projetos visuais. Hendel analisa a escolha do formato, a seleção dos tipos, a disposição da mancha, entre outros aspectos. Traduzida pela primeira vez para o português, esta obra é de grande valia aos profissionais do meio editorial.

 

 

capa produção gráficaProdução Gráfica para Designers

O que um designer gráfico precisa saber sobre os processos de impressão para poder realizar melhor seu trabalho, diminuindo as chances de erros? Foi para responder a essa pergunta que o designer gráfico Mark Gatter compilou seu vasto conhecimento na indústria gráfica, tanto nos EUA quanto na Inglaterra, no livro Production for Print, considerado uma referência quando o assunto é produção e design e traduzido pela Ateliê Editorial.

 

 

PAI FOTÓGRAFO

Fotografia & HistóriaCapa Fotografia 5ed.indd

A fotografia é um resíduo do passado, fonte histórica aberta a interpretações. Esse é o mote da análise interdisciplinar que Kossoy faz do processo de representação nos documentos visuais. Fotografia & História traz princípios de investigação e uma metodologia de análise crítica das fontes fotográficas, a partir de uma abordagem sociocultural. A obra, em edição revista e ampliada, é pioneira no país. Tornou-se referência importante para historiadores, cientistas sociais e estudiosos da comunicação.

 

 

idade media no cinemaA Idade Média no Cinema

Quais são os limites entre realidade e ficção nos filmes que retratam a cultura medieval? Os artigos deste livro trazem à tona essa questão e problematizam a verdade histórica do cinema. Os autores analisam diversos filmes sobre a Idade Média e concluem: toda obra trabalha com impressões do real, mas a avaliação do espectador determina a coerência do conjunto. Assim, tanto as intenções do diretor quanto as impressões do público contribuem para dar aquela dose de realismo necessária à fantasia.

 

A Imagem FriaUntitled-4

São da década de 1980 os oito filmes analisados pelo psicanalista Tales Ab’Sáber em seu livro de estreia. A proposta é discutir as relações entre o cinema feito em São Paulo e as questões culturais da Nova República. O autor leva em conta as noções de pós-modernismo, mercado e técnica, bem como os novos caminhos estéticos buscados pelos diretores da época. Pelo alcance da análise, a obra enriquece não só a reflexão sobre o cinema, mas o debate sobre os tropeços da produção cultural brasileira.

 

PAI BIBLIÓFILO

bibliomania_caixa_Page_1Bibliomania

“Escrever sobre livros é tarefa sem fim”, diz Marisa Midori Deacto na abertura de Bibliomania. No entanto, o material que ela e o autor Lincoln Secco produziram sobre o tema nos dois anos que escrevem para a Revista Brasileiros permitiu a criação de uma bela edição, com capa dura e projeto gráfico de Gustavo Piqueira. Os textos, de curto formato, falam sobre todo tipo de assunto, sendo o livro sempre o protagonista: das mudanças no mercado editorial, até sonhos, fé e razão.

 

 

Philobiblon ou O Amigo do LivroSem título-1

Publicada pela primeira vez em 1473, esta é considerada a primeira obra impressa sobre bibliofilia. Contém um minucioso tratado sobre técnicas de manuseio, guarda e respeito ao livro. Traz, além disso, uma autobiografia e um testamento. Traduzido diretamente do latim, em edição bilíngue, o texto expressa o amor que o autor dedicou a esses objetos do saber. Além de ser um documento histórico importante, a obra ensina o leitor a se tornar um amigo do livro.

 

casa da invençãoA Casa da Invenção

As novidades tecnológicas que surgiram no fim do século XX trouxeram novos desafios para a gestão da informação. Os acervos físicos perdem sua tradicional importância, uma vez que a internet facilita o acesso à produção simbólica. Então, o que o futuro reserva para o armazenamento de livros, a preservação de documentos e a difusão das ideias? Para Luís Milanesi, há uma resposta: mais do que guardar e emprestar livros, as bibliotecas devem se tornar espaços para discutir e criar conhecimento.

 

 

Gostou das sugestões? Então dá uma olhada em http://www.atelie.com.br/publicacoes/promocao/ Lá você vai ver que ainda tem muitos outros títulos com descontos incríveis!

 

Leitura é coisa de criança!

criança lendo

Por: Renata de Albuquerque

Não é novidade, todo mundo sabe, mas nem todo mundo põe em prática: ler precisa ser coisa de criança, porque a leitura é um hábito que, quanto mais cedo se adquire, mais e melhor será cultivado ao logo da vida.

Ler é a porta de entrada não apenas para ter acesso a conhecimento e a informações, mas para poder interpretar o mundo, desenvolver senso crítico, tornar-se um cidadão mais consciente e ter a mente aberta às novidades e inovações do mundo.

Acontece que, como tudo na vida de uma criança, ler não pode ser obrigação, para que o hábito da leitura não fique associado a algo chato ou enfadonho. Ler tem que ser prazeroso, tem que ter muito mais a ver com brincar do que com estudar.

Um exemplo de que essa preocupação não é nova são os dois volumes de Contos da Nova Cartilha, uma reunião de contos, fábulas e histórias reais que Liev Tolstói usava na escola rural que ele fundou, voltada para a criatividade das crianças, ainda no século XIX.

bebe lendoHoje em dia, dar livros para bebês, para que eles não apenas os manuseiem, mas para que sirvam de “brinquedo” na hora do banho é tão importante quanto ler para os pequenos, para que eles se acostumem ao “ritual” da leitura e à maneira como essa atividade acontece, para que ela se torne natural.

Opções não faltam. Desde clássicos títulos infantis até a releituras, como Fábulas para o Ano 2000, há muitas alternativas para entreter os pequenos.

E os adultos não devem ser exemplos apenas atuando diretamente. Ler na frente das crianças (e não necessariamente para elas) também é importante. Mostrar que ler é uma forma de se divertir, de relaxar e que isso traz prazer é uma maneira de incentivar a leitura também. Afinal, muitas vezes, a criança imita o adulto, porque se espelha nele, porque o admira e admira tudo o que ele faz.

Crianças são muito engajadas. Quando elas tomam gosto por alguma atividade, empenham-se muito. Há até mesmo casos em que as crianças se tornam escritoras! Gustavo Bolognani Martins tinha apenas 13 anos quando escreveu A Arca de Noésio, uma releitura do tema bíblico da salvação dos animais que rendeu ao jovem autor o Prêmio Medalha Monteiro Lobato. arca de noesio

Para estimular a criança a formar sua própria biblioteca, existem atualmente algumas iniciativas que funcionam como “clube do livro”. Leiturinha e A Taba são dois exemplos de clubes com assinatura mensal que entregam em casa livros adequados a cada faixa etária, acompanhados de “guias” que auxiliam os pais a encaminhar as crianças na aventura de ler.

Mas, para ter livros, nem é preciso gastar. “A Menina que Doa Livros”, por exemplo, distribui livros gratuitamente no Minhocão (na capital paulista). A iniciativa é de Giovanna, de apenas 9 anos, e a página do Facebook já tem mais de 6 mil curtidas.

Já a AEL – Academia Estudantil de Letras – é uma iniciativa da rede pública de São Paulo que, em uma década de existência, estimula os alunos a escolher um autor da literatura brasileira sobre o qual realizam pesquisas e apresentam seminários. A AEL também promove visitas de autores às crianças nas escolas, enriquecendo a experiência da leitura.

As editoras também investem na formação de leitores. Existem várias coleções cujo objetivo é apresentar os clássicos em versões mais simples e ilustradas com o objetivo de facilitar o primeiro contato dos jovens leitores com os grandes textos da literatura universal. A série “Reencontro Literatura”, por exemplo, é uma das mais antigas do catálogo da Scipione e traz aos jovens textos adaptados por grandes escritores brasileiros, como Rubem Braga, Ana Maria Machado e Tatiana Belinky.

E até quem já está na idade de prestar vestibular pode descobrir prazer na leitura dos “livros obrigatórios”. Se a leitura é obrigatória, afinal, porque não tentar tirar dela algo de bom? Especialmente para quem está no Ensino Fundamental II, Ensino Médio ou se preparando para o vestibular, a Coleção Clássicos Ateliê traz aos leitores o texto completo de alguns dos títulos mais importantes da Literatura, acompanhado por apresentações escritas por alguns dos mais renomados pesquisadores. Além disso, todos os títulos da coleção trazem notas explicativas que ajudam a contextualizar a obra, para que o leitor possa compreendê-la melhor, não só dentro da realidade em que foi escrita, mas também sua relevância no mundo atual. Por exemplo, a edição de Dom Casmurro, de Machado de Assis, ganhou apresentação de Paulo Franchetti e notas e comentários de Leila Guenther. Já O Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente, tem prefácio e notas de Ivan Teixeira.

Assim, desde o berço até a faculdade, onde quer que se inicie a aventura da leitura, é possível facilitá-la e, mais que isso, torná-la um grande prazer.

Paixão pelos livros e pela leitura

Renata de Albuquerque

 

Está no dicionário. Bibliomania é um substantivo feminino cujo significado é “paixão imoderada de colecionar livros, principalmente antigos ou raros”. Foi a partir desse conceito que surgiu a ideia do livro Bibliomania. O volume reúne textos de Marisa Midori Deaecto e Lincoln Secco, ambos historiadores, escritos para a Revista Brasileiros. Os textos, curtos, falam sobre todo tipo de assunto, sendo o livro sempre o protagonista: das mudanças no mercado editorial, até sonhos, fé e razão. Os autores falam dos livros como falamos de nossos amigos, de pessoas íntimas, numa escrita semelhante a um concerto de voz a serviço do tema, como só os verdadeiros escritores têm a ousadia de fazer.para falar sobre o novo livro e sobre a bibliomania de cada um dos autores, o Blog da Ateliê conversou com eles:

bibliomania_caixa_Page_1

Como cada um começou sua história com livros? O que levou você a tornar este um assunto importante para sua vida? 

Marisa Midori Deaecto: A história com os livros começa na infância. Eu me lembro bem de que meu primeiro livro foi o Minidicionário Aurélio. Uma vizinha o trouxe, novinho, embrulhado no papel de presente. Eu deveria ter uns seis anos. Adorei! Decorava as palavras, salteava as páginas. Foi amor à primeira vista. Como não havia livros em casa, passei a emprestar dos primos mais velhos os livros que eles liam na escola. Assim formei minha primeira biblioteca literária e isso não termina nunca. Depois, vieram os sebos, as livrarias, a biblioteca do professor Edgard Carone, onde eu realmente me encontrei… os amigos, os livros… os livros e os amigos. E o ciclo se fechou.
Lincoln Secco: Primeiro há sempre a leitura do mundo e não a dos livros. Ouvia histórias de minha mãe, que não lê livros. Via meu pai lendo livros, mas não para mim. Ouvir também é, de certa forma, ler! Depois vieram os livros infantojuvenis da escola e, mais tarde, os livros que se confundiam com a cidade e seus lugares: as livrarias, sebos, bancas. Adquiri-los, manuseá-los e, eventualmente, lê-los tornou-se um prazer físico para mim. Como sabem os amantes do livro, jamais lemos todas as obras que possuímos. Elas nos seduzem, mas nos decepcionam também. Ter livros é aprender a viver. Lemos mais velozes na juventude, folheamos mais devagar na maturidade e, acredito, relemos mais na velhice. A infinitude dos livros que possuímos sempre haverá de se mostrar diante da finitude de nossa existência.

 

Como surgiu a ideia de “Bibliomania”? 

LS: Atendemos a um convite da Revista Brasileiros, uma revista que é também impressa e se somou à defesa do livro.

MMD: Plinio Martins Filho propôs a ideia, a Revista Brasileiros a acatou e Lincoln Secco seguiu na dianteira, pois ele escreve muito rápido. Daí, como ele escreveu o primeiro artigo baseado em uma ideia nossa e, no final, fui em quem o assinou, senti a obrigação moral de escrever para a coluna. E gostei! Gosto de ler os textos dele e de estabelecer um diálogo. Nada sistemático. Mas tudo muito harmonioso, feito com o coração. É uma parceria que começou nos sebos, que ainda não se concretizou em uma única capa de livro, mas que resiste ao tempo em uma mesma coluna e, agora, dentro de uma luva. Como disse: amigos, livros… livros, amigos.
bibliomania_lincoln_miolo_Page_01Que conceito permeia essa publicação? 

LS: Difícil dizer que há um conceito. Se existe, quem pode dizer é a Professora Marisa Midori, a verdadeira especialista na História do Livro. Eu sou um amador. Posso afirmar apenas que há um sentimento comum pelo livro como objeto numa época que insiste em acreditar que ele vai desaparecer. Mas não vai.

MMD: Não há um conceito, mas uma ideia-força: o livro.

 

O que se pretende com “Bibliomania”?

MMD: Apresentar o livro como protagonista na longa história da humanidade. O que soa estranho, afinal, não são os homens os protagonistas de sua própria história? Sim. Mas, então, era preciso discorrer sobre um dos muitos elementos que torna a humanidade minimamente humana, com seus sonhos, seus medos, sua coragem, sua covardia, suas qualidades e seus defeitos. Penso que o livro, nesse sentido, sirva como uma espécie de fermento para cada um dos caracteres que desenvolvemos ao longo de nossa existência. O que também faz dele um protagonista na nossa história.
Como foi a escolha dos textos a serem publicados? 

LS: Publicamos todos os artigos da coluna Bibliomania, sem nenhuma escolha prévia.
Vocês conversam a respeito para não repetir temas ou para tratar de temas correlatos nessa seleção? 

bibliomania_marisa_miolo_Page_01MMD: Não. Eu leio todos os textos que o Lincoln publica. Então, quando escrevo, como disse, já tenho em mente o que veio a lume.

LS: Acredito que tivemos uma trajetória comum. Nós trabalhamos juntos na Biblioteca do Professor Edgard Carone, que era um bibliófilo de esquerda. E nos conhecemos também em longas caminhadas pelos sebos paulistanos. Sendo assim, os artigos na revista jamais se repetiram, apenas se complementaram.
Qual a importância de falar sobre livros no contexto brasileiro atual? 

MMD: Hoje, escrever sobre livros e falar sobre eles pode ser uma forma de escapismo da realidade, como faziam os românticos. Mas pode ser também uma forma de olhar a humanidade de forma mais serena. De pensar o tempo breve com menos ansiedade e crer na História profunda dos homens e dos livros. Falar sobre livros, hoje, pode também ser uma forma de buscar o insumo necessário para se compreender o momento histórico atual e, quem sabe, encontrar forças para a sua transformação. Pois se o livro pode servir como uma espécie de fuga, ele também se nos apresenta como a janela para o mundo. Tudo depende de nossas escolhas.

LS: Há quem diga que o livro vai acabar, como eu citei antes. Ou que o livro, hoje, pode ser qualquer coisa. Para mim, o livro é um conjunto de folhas dobradas, protegidas por uma capa, dotadas de um conteúdo manuscrito, desenhado ou impresso. Se um e-book pode ser um livro pouco me interessa. De fato, o livro pode ter outros suportes como a rocha, a madeira… Mas o livro em papel é o único que me importa. E se for de bolso, ainda melhor, pois posso carregar no trem e ler em qualquer lugar. Se faltar luz, acendo uma vela. Mas pode ter certeza que a “bateria” de um livro é inesgotável.

 

Lista de livros com leituras obrigatórias Fuvest 2017

fuvest

A Fuvest divulgou a lista de livros de leituras obrigatórias para quem vai prestar vestibular nos próximos três anos, tanto para a USP quanto para a Santa Casa. São nove obras, todas em língua portuguesa, de prosa e poesia, que acolhem desde autores já clássicos, como Machado de Assis, como contemporâneos, como Pepetela. Confira:

Iracema – José de Alencar;

Memórias póstumas de Brás Cubas – Machado de Assis;

O cortiço – Aluísio Azevedo;

A cidade e as serras – Eça de Queirós;

Capitães da Areia – Jorge Amado;

Vidas secas – Graciliano Ramos;

Claro enigma – Carlos Drummond de Andrade;

Sagarana – João Guimarães Rosa;

Mayombe – Pepetela.

Para facilitar a vida dos estudantes, a Ateliê preparou um pacote especial com livros da Fuvest.

E se você também vai prestar Unicamp, a Ateliê tem um pacote com os livros obrigatórios para esta prova também!

Como incentivar os alunos à leitura?

Por: Paulo Cesar da Motta Ribeiro*

livro com flor

Início de ano letivo. Hora de usar a criatividade para (re)inventar maneiras de lecionar conteúdos e de pensar como superar velhos obstáculos, que se renovam a cada turma de alunos. Um deles diz respeito a como incentivar os alunos à leitura, sem fazer disso uma obrigação maçante e despertando interesse real pelo mundo de possibilidades que ela pode descortinar. E não é apenas no Ensino Fundamental e Médio que esse hábito pode (e deve) ser incentivado. O Professor Paulo Cesar da Motta Ribeiro, que leciona na FURB (Universidade Regional de Blumenau) e na UNIFEBE (Centro Universitário de Brusque), em Santa Catarina, explica como tem feito para trazer a leitura para mais perto de seus alunos. Ele é economista formado pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) e pós-graduado em Desenvolvimento Econômico pela mesma instituição. Empresário, autodefine-se como “audiófilo, bibliófilo, cinéfilo e amante do que a vida tem de melhor”. Por isso, é grande seu empenho em trazer seus alunos cada vez mais perto dos livros. A seguir, ele compartilha sua experiência com os leitores do Blog da Ateliê:

Paulo Cesar, que aproveita as provas para perguntar o que seus alunos estão lendo

Paulo Cesar, que aproveita as provas para perguntar o que seus alunos estão lendo

Minha condição de amante da literatura pode ser em parte explicada pelo fato de que na formação e na atuação como Economista a leitura é primordial, não apenas de livros-texto como de obras em geral para melhorar a base de conhecimentos. A utilização de filmes e documentários também auxilia na formação acadêmica e profissional. Em sala de aula eu sempre pergunto a cada aluno qual livro ele tem em mãos e, naquele momento, converso com o aluno e seus colegas sobre literatura. Como, nessas abordagens informais, ocorriam cada vez mais e mais conversas sobre livros, surgiu a ideia de fazer uma pesquisa sobre as leituras recentes dos alunos. É fácil, basta pedir para que anotem no cabeçalho da primeira prova qual sua leitura atual ou mais recente.

Eu coleto todos os títulos e autores citados, pesquiso para garantir que estejam corretos, informo também minhas leituras e repasso a lista completa para toda a turma.

aldous huxley

Aldous Huxley, um dos autores que o professor sempre recomenda

Os resultados são ótimos. O nível de leitura é mais alto do que a maioria pode imaginar, sendo que alguns leem em outros idiomas. Eu descobri obras magníficas a partir desta pesquisa e já li alguns títulos das listas dos alunos.

Segue um resumo das turmas de 2015:

244 alunos com 191 respostas, sendo que aproximadamente 20% informaram dois ou mais livros.

A faixa etária é a dos estudantes do ensino superior, notadamente das graduações em Engenharia (minha principal disciplina é Engenharia Econômica).

No rodapé das provas eu sempre indico alguns livros e filmes para que eles entendam que a realidade não é exatamente aquela que eles percebem. Alguns ainda se iludem, idealizam, mitificam e se deixam levar por influências que pouco têm de honestas e, atualmente, democráticas.

Há anos o “trio de ferro” de minhas indicações é:

Fahrenheit 451, Ray Bradbury

1984, George Orwell

Admirável Mundo Novo, Aldous Huxley

Eu explico a eles o que são obras distópicas e como elas podem nos ajudar a entender o mundo e como melhorá-lo. Segue parte do texto que eu coloco no rodapé das provas:

Ray Bradbury: autor de distopias

Ray Bradbury

Fahrenheit 451′ de Ray Bradbury. O livro foi publicado em 1953 e fatos descritos na obra fazem parte de nosso dia a dia (na obra consta inclusive a explicação do motivo pelo qual acontecem). Além disso, o seu entendimento sobre o papel da cultura e da informação será irremediavelmente transformado. Também existe uma película de François Truffaut.’

Outra sugestão que eu faço é: O homem medíocre, de José Ingenieros.

Em virtude da minha base de conhecimentos não se limitar aos livros-texto, eu sempre utilizo nas aulas conteúdos que no princípio parecem que não se relacionam, ou até que são uma viagem, mas que facilitam a aprendizagem. Meus alunos estão acostumados a receberem sugestões de filmes e documentários para melhor entender os conteúdos ministrados.

Eu sempre informo na primeira aula em todas as turmas que o meu objetivo principal é o desenvolvimento pessoal e profissional deles. Que o meu papel é o de ser aquele que abre as mentes para que eles melhor se posicionem na vida com bases sólidas, portanto verdadeiras. E a literatura permite que eles melhor se preparem para assimilarem muito do que o mundo pode proporcionar.

 

E você, leitor-professor, tem alguma sugestão ou dica de como estimular a prática da leitura junto aos alunos? Mande uma mensagem para a gente, compartilhe seus conhecimentos!

Sugestões de leitura para o Cancioneiro, de Petrarca (quinta parte)

O Cancioneiro, de Petrarca, é um livro do século XIV. Apesar de ser considerado o principal modelo de poesia lírica amorosa no Ocidente, a distância que nos separa deste clássico – que a Ateliê lançou com a tradução de José Clemente Pozenato e ilustrações de Enio Squeff em 2015 – muita vezes dificulta sua leitura.

Foi pensando nisso que nesta semana publicamos a última parte do texto Sugestões para um leitor de hoje que queira ler o “Cancioneiro” de Petrarca, escrito pelo poeta, crítico de arte e ensaísta brasileiro Armindo Trevisan.

cancioneiro

Sexta Sugestão         

Talvez o leitor estranhe que Petrarca tanto enalteça seu ídolo, uma Laura

que possivelmente não poderia ser estrela de um filme. Qualquer tentativa de desmitizá-la a banalizaria. Laura jamais poderá descer das alturas rarefeitas da imaginação. Será sempre uma mulher vislumbrada. Mas o que o poeta escreveu sobre ela, a propósito dela, e sobretudo, o que conseguiu extrair do poço sem fundo de suas próprias experiências e fantasias, não foram, nem possivelmente nunca o serão, exploradas como ele as explorou. Inclusive porque a linguagem de Petrarca é   – ela própria, em si – uma fabulosa criação pessoal:

Se amor não é, qual é meu sentimento?petrarca 5

Mas se ele é amor, por Deus, que coisa é e qual?

Se boa, de onde lhe vem a ação mortal?

Se má, por que é tão doce seu tormento? (p. 239).

 

 

 

 

A atualidade de Petrarca consiste, afinal, no seguinte paradoxo: ele anacroniza os poetas contemporâneos! Ao lermos seu Cancioneiro, percebemos o quanto os poetas modernos e contemporâneos beberam em suas fontes, o quanto lhe devem em pedágio.

Em vista disso, leitor, não se preocupe com o tom aparentemente monocórdico de seus versos. A monocordia não é dele, é dos poetas que vieram após ele. É dos poetas que o assimilaram.

A leitura do Cancioneiro possui o mérito de revelar o quanto na literatura moderna e contemporânea já estava in nuce em Petrarca. Porque o que Petrarca descobriu não foi um tipo de poesia, mas a própria poesia moderna, como ela se expandiu, como – a partir de Dante – tomou nova direção: a de Petrarca.

Petrarca descobriu a inquietude contemporânea, o desassossego, e com ele os inumeráveis caminhos que daí partem, e vão desaguar, inclusive… em Fernando Pessoa!

Tudo o que se relaciona com o eu do poeta, com o homem que subjaz ao criador, está em Petrarca.

O autor do Cancioneiro só não descobriu um elemento essencial que define nosso mundo: o eu ampliado de Baudelaire ou de Nietzsche, bem como o “eu” inflado e não totalmente perscrutado das massas, das multidões. Porque a realidade é que Petrarca foi um Robinson Crusoé de si. Faltou-lhe imaginar o nós, verdadeiro e ilusório que resultou da explosão atômica do eu, e nos levou à noosfera alucinada e alucinante de nossa realidade contemporânea.

Eis porque a poesia moderna é necessária, possui seu universo peculiar, e sob certos aspectos se afastou de Petrarca, e nada deve a ele.

Ela veio completar Petrarca, mas não aprisioná-lo em fórmulas.

A poesia, portanto, permanece viva e criativa, e inclusive continua a inspirar-se no mundo do grande inspirador do autor do Cancioneiro, Agostinho de Hipona que escreveu:

Grande abismo é o homem, Senhor! Contais os fios de seus cabelos (…) porém seus cabelos são muito mais fáceis de contar que os afetos e movimentos de seu coração.[1]

LEIA A PARTE 1 DO TEXTO AQUI

LEIA A PARTE 2 DO TEXTO AQUI

LEIA A PARTE 3 DO TEXTO AQUI

LEIA A PARTE 4 DO TEXTO AQUI

[1] Cit. in: Peter Brown. Santo Agostinho, uma Biografia. Trad. de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro, Editora Record, 2005. p . 209.

Sugestões de leitura para o Cancioneiro, de Petrarca (quarta parte)

O Cancioneiro, de Petrarca, é um livro do século XIV. Apesar de ser considerado o principal modelo de poesia lírica amorosa no Ocidente, a distância que nos separa deste clássico – que a Ateliê lançou com a tradução de José Clemente Pozenato e ilustrações de Enio Squeff em 2015 – muita vezes dificulta sua leitura.

Foi pensando nisso que nesta semana damos continuidade à publicação do texto Sugestões para um leitor de hoje que queira ler o “Cancioneiro” de Petrarca, escrito pelo poeta, crítico de arte e ensaísta brasileiro Armindo Trevisan.

 

cancioneiro

Quinta Sugestão

 

Esqueça o aspecto “amante” de Petrarca.  Ele é, além do mais, um ciumento incomparável. Reserva Laura, a física, para si, comprazendo-se em exibir a outra Laura, a meta-física, a que está além do corpo, a imaginária, para o leitor. Que este a imagine quanto quiser – e puder! O poeta não se importa de desenhá-la ou pintá-la verbalmente:

 

Verdes panos, ou de rubro tingidos

                        não vestiram té agora,

                        nem trança de ouro mulher envolveu

tão bela como essa que me espolia

                        do juízo, e do rumo da liberdade

consigo me arrasta, pois não sustenho

nem jugo menos grave. (p. 81).

 

Apegue-se, portanto, ao Poeta! Ele é mais interessante que a própria mulher que celebra, tanto assim que poucos retratos “imaginários” dela ficaram, e no entanto, são inúmeras, e sempre atuais, as edições do Cancioneiro. Repare como Petrarca possui finura:

petrarca 2

pela esperança que é de amor a filha,

e em tua acerba vida te conserva,

da intempérie livra esta alfombra;

 

veremos depois juntos, maravilha,

sentar-se a mulher nossa sobre a erva

e fazer dos braços sua própria sombra.(p. 89).

 

De tão suspiroso que o poeta é, corre o risco de saturar-nos! Mas como supor saturação quando o ouvimos confessar com humildade:

 

Eu sou daqueles que o choro renova;

            e é bom que sem engano

as lágrimas que emano

mostrem nos olhos a minha alma inteira:

como é minha bandeira

falar dos olhos dela

(não há coisa mais bela

ou algo que me toque tão lá dentro),

corro muito e reentro

lá onde a dor mais fundo me enregela,

e com o coração punem-se as luzes

que na estrada de Amor me foram cruzes. (p., 95).

 

Não esqueça, leitor, que Petrarca está sempre consciente de que seu corpo é uma sarça ardente!  Às vezes – e isso é uma heresia que me permito – chego a pensar que ele transferia para Laura seus impulsos sexuais, tendo em seus braços outra mulher. Esta, porém, super-tangível. A outra seria a que ele verdadeiramente abraçava? Não sejamos insolentes. A tanto não me arrisco. Leiamos apenas o que ele escreve:

 

Amor, tu que consegues por encantopetrarca3

            Uma só alma em dois corpos habitar,

o que faz nela ser tão peculiar

o querer menos, quando a quero tanto? (p. 109).

 

 

Acrescentemos, um tanto abusivamente, que talvez Petrarca estivesse a evocar a frase do Mestre: “Serão dois numa só carne”!

Reitero-lhe, leitor: o poeta, na sua condição de amante, poderá “decepcionar” o público de hoje, que poderia exigir-lhe mais atenção ao tato. Na sua condição, porém, de poeta Petrarca nunca decepciona. O que vemos sobrenadar às suas imagens e metáforas são tábuas de naufrágio, mediante as quais o poeta sempre se salva. É isso que o imortalizou, mesmo quando se queixa de que sua amada Laura não dava a mínima atenção à sua poesia. Mulheres amadas sempre existiram, e existirão, mas poetas capazes de tornar uma única mulher inesquecível são raros. Eis por que o próprio Petrarca comenta:

 

Oh dor, por que devo ir

fora do rumo a magoar a quem amo?

Deixa que eu vá aonde o prazer me acalanta.

Já de vós não reclamo,

olhos serenos sobre o mortal fluir

nem dela que de tal modo me encanta.

            (…)

mas cada vez que para mim olhais

de vós mesmos ficais sabendo mais. (p. 143).

 

Leitor, procure descobrir a poesia desse gênio que amou a natureza tanto quanto a mulher, e por vezes, a despiu imaginativamente com tanta volúpia que muitos, ainda hoje, a despeito de nossa decantada permissividade, não seriam capazes de fazê-lo:

 

E digo que há um instante,

                        qual eu não a tinha visto até agora,

se me despiu; e isso deixou gelado

o coração na hora.

E o será sempre, indo nós de braço dado.

 

Mesmo com todo o medo e tremor meu,

já que ela me dera tanta firmeza,

a abracei com fineza,

para mais aprender dos olhos seus:

e ela que removera já o seu véu,      

me disse: Amigo, agora tens certeza

de toda a minha beleza;

pede quanto convier aos anos teus.

            Senhora, eu disse, há muito tempo meus

Afetos pus em vós, todo inflamado.

Por isso, neste estado

Querer ou não querer está suposto.-

Com voz então de timbre mavioso

respondeu, e com um rosto

que o meu temor tornou esperançoso: petrarca 4

raro do mundo foi na grande turba

quem ouvindo falar do meu valor

não sentisse fervor

mesmo que de somente uma centelha:

e a adversária minha que o bem perturba

tudo apaga: lá vive-se ao sabor

e reina outro senhor

que uma vida tranqüila aconselha. (p.207).

 

Através de seu Cancioneiro, Petrarca permanece atual, necessário a um mundo que pensa vivenciar o amor à revelia da imaginação. O poeta dá-nos lições concretas de imaginação corporal. Um mundo – como o nosso – que aprendeu a desnudar as mulheres, ganharia muito aprendendo com Petrarca a desnudá-las na presença de suas almas.

Dizem os estudiosos que os elementos naturais, os lamentos dos pássaros, a brisa do verão, o murmúrio das águas são – “homólogos dos suspiros do poeta, do seu rio de lágrimas, e das palavras de Laura. Essa interação do sentimento e da natureza não se limita ao registro da tristeza. O soneto 192 repousa, ao contrário, na relação natureza/alegria, do mesmo modo que na quarta estrofe da canção: Chiare fresche e dolci acque” se descreve uma chuva de flores amorosas”[1]:

 

Dos belos ramos caía

tão doce na memória,

uma chuva de flor em seu regaço;

e sentada eu a via,

humilde em tanta glória,

coberta já da auréola qual um laço.

uma flor no seu braço

outra na loura trança,

eram ouro e opala

que estavam a adorná-la;

uma pousava em terra, uma outra em dança

no ar, vagamente flor,

parecia dizer:Aqui reina Amor.

 

Em tais momentos, o Poeta do Cancioneiro deixa de ser renascentista, fundador do lirismo ocidental, e se torna simplesmente um Poeta Vivo, tão vivo como a primeira criança que haja, por acaso, nascido na primeira hora deste dia!

 

LEIA A PARTE 1 DO TEXTO AQUI

LEIA A PARTE 2 DO TEXTO AQUI

LEIA A PARTE 3 DO TEXTO AQUI

[1] Christian Bec: Fundamentos de Literatura Italiana.Rio de Janeiro, Zahar Editores, 1984. p..86).