Editorial Ateliê

Leia um trecho da obra ‘Por um Cinema Popular – Leon Hirszman, Política e Resistência’, de Reinaldo Cardenuto

Leon Hirszman nos bastidores de ‘Eles Não Usam Black-tie’

No dia 29 de setembro de 1981, duas semanas após ‘Eles Não Usam Black-tie’ ser premiado no Festival de Veneza e um dia depois de entrar em cartaz no circuito paulista de exibição, Leon Hirszman participou de um programa de entrevistas na rádio Jornal do Brasil […] Do ponto de vista de Hirszman, após anos de perseguição política que sufocara a liberdade de expressão e esvaziaria as representações engajadas da classe popular, assistia-se finalmente à reemergência mais ampla de um campo artístico que poderia, com menos receio, manifestar as leituras críticas em torno dos dilemas sociais e do autoritarismo que se mantinha no poder desde 1964. (Trecho do livro ‘Por um Cinema Popular – Leon Hirszman, Política e Resistência’, de Reinaldo Cardenuto).

Leon Hirszman nos bastidores de ‘Eles Não Usam Black-tie’

Reinaldo Cardenuto é professor de cinema da Universidade Federal Fluminense. Doutor pela Universidade de São Paulo, com pesquisas voltadas para as relações entre arte e história, publicou diversos artigos, coordenou dossiês e atuou no corpo editorial de importantes periódicos. Foi organizador do livro Antonio Benetazzo. Permanências do Sensível (2016) e dirigiu filmes como Entre Imagens (Intervalos) (2016).

Saiba mais sobre a obra no site da Ateliê Editorial (CLIQUE AQUI).

Capa de Gustavo Piqueira

Trecho da obra ‘Crise em Crise’, de Paulo Franchetti, sobre ‘Poema Sujo’, de Ferreira Gullar

É possível pensar que o ‘Poema Sujo’ seja o ponto alto da poesia de Gullar. No sentido de ser um momento de solidificação, de balanço e resumo de uma poesia que se libertara do peso excessivo que para ela foram os caminhos da vanguarda e os descaminhos da poesia populista, e que exercitava, num poema longo, a sua inteira força. Por isso, é bom que seja devidamente celebrado. Como invenção e construção poética, entretanto, ainda sinto que o marco é ‘Dentro da Noite Veloz’. (trecho do texto “Ferreira Gullar, notas de um heroísmo”, de Paulo Franchetti, publicado no livro ‘Crise em Crise: notas sobre a poesia concreta e crítica no Brasil Contemporâneo).


Confira mais sobre a obra no site da Ateliê Editorial.

Ferreira Gullar

Ésio Macedo Ribeiro sobre a obra ‘Presente’: “Eu chamo esse livro como o meu luto pela morte do meu pai”

Ésio Macedo Ribeiro durante o lançamento

Na última quinta-feira, 14 de outubro, a Ateliê Editorial realizou a live de lançamento do livro de poemas Presente, de Ésio Macedo Ribeiro. Além do autor, o encontro contou com a presença dos escritores Antônio Carlos Secchin, Luiz Ruffato e Nicolas Behr, a mediação ficou a cargo do escritor e jornalista Jorge Ialanji Filholini. O evento teve a direção da TGM Produção. Saiba mais sobre a obra (clique aqui e confira).

No início do bate-papo, o editor e professor Plinio Martins Filho destacou: “Quero agradecer ao Ésio que confiou o seu livro em nossa editora e espero que esteja a altura do poeta”.

Durante a conversa, Ésio explicou o processo de criação do livro: “Por incrível que possa parecer, mesmo com toda a dor que eu estava sentindo, no mesmo dia da morte [de seu pai] eu comecei a escrever poemas, continuei por, praticamente, dois anos, foi uma espécie de luto, eu chamo esse livro como o meu luto pela morte do meu pai”. Ele acrescentou: “Depois eu vim trabalhando o livro durante muito tempo. Eu preferi manter a sequência de escrita dos poemas para que o leitor compreenda o que eu passei, o que eu vi e o que eu lembrei”.

Assista ao lançamento na íntegra abaixo:

Dia do Professor e da Professora na Ateliê Editorial

A Página do Professor e da Professora é uma área exclusiva para os docentes, coordenadores e bibliotecas cadastrados, do ensino fundamental ao universitário.

Nela, pode solicitar catálogos e informações adicionais. A Página do Professor e da Professora também dá acesso a descontos especiais em todos os títulos de nosso catálogo.

Confira como se cadastrar no site da Ateliê Editorial: Acesse aqui

‘William Morris — Sobre as Artes do Livro’ recebeu Menção Honrosa no 34º Prêmio Design Museu da Casa Brasileira, na categoria Trabalhos Escritos Publicados

Na última quarta-feira, 13, de outubro, a obra William Morris — Sobre as Artes do Livro, publicada pela Ateliê Editorial neste ano, recebeu Menção Honrosa no 34º Prêmio Design Museu da Casa Brasileira, categoria Trabalhos Escritos Publicados. O livro teve a edição, introdução e revisão técnica de Gustavo Piqueira, além do projeto gráfico por Gustavo Piqueira e Samia Jacintho (Casa Rex). Clique aqui e confira mais sobre o livro no site da Ateliê.

O LIVRO

Sempre que se faz necessário apontar um marco inicial do movimento de private press, escolhe-se a publicação, em 1891, de The Story of the Glittering Plain, escrito por William Morris, primeiro título editado pela Kelmscott Press com o objetivo de recuperar a beleza do livro, perdida em meio às tiragens cada vez mais apressadas e descuidadas da imprensa regular. Todos os componentes de uma obra (a escolha do texto e da fonte tipográfica, a composição dos tipos, o papel, a tinta, a “decoração” e a encadernação) deveriam ser planejados e executados manualmente com o máximo de cuidado e excelência para, juntos, produzirem o “livro ideal”. Os mais de cinquenta livros que Morris editaria nos anos seguintes obedeceram, todos, à busca por esse padrão ideal de qualidade.

Gustavo Piqueira é autor de mais de 30 livros nos quais mistura livremente texto e imagem, ficção e não ficção, design, história e tudo mais que encontrar pela frente. À frente de sua Casa Rex, também é um dos mais reconhecidos designer gráficos do país, com mais de 500 prêmios recebidos. Pela Ateliê Editorial publicou Morte aos Papagaios, a tradução do irreverente A História Verdadeira, escrito no século II por Luciano de Samósata, Clichês Brasileiros. Para mais informações sobre seus projetos de design: www.casarex.com; para seus livros: www.gustavopiqueira.com.br

Edição: 34º Prêmio Design (2021)
Categoria: 
Trabalhos escritos publicados
Menção Honrosa Inscrição: 2021-2-00050
Design/Autor(a): Gustavo Piqueira (Textos originais: William Morris)
Editora: 
Ateliê Editorial

Ateliê realiza a live de lançamento do livro ‘Presente’, de Ésio Macedo Ribeiro

A Ateliê Editorial realiza, na quinta-feira, 14 de outubroàs 19h, a live de lançamento do livro de poemas Presente, de Ésio Macedo Ribeiro. Além do autor, o encontro conta com a presença dos escritores Antônio Carlos Secchin, Luiz Ruffato e Nicolas Behr, com a mediação do escritor e jornalista Jorge Ialanji Filholini. A obra está com preço promocional de lançamento (clique aqui e confira).

Assista ao bate-papo no link abaixo:

‘Sociologia da Leitura’ novamente disponível no catálogo da Ateliê

Sociologia da Leitura, de Chantal Horellou-Lafarge e Monique Segré, está novamente disponível no catálogo da Ateliê Editorial.

CLIQUE AQUI

A sociologia da leitura é um importante campo de reflexão sobre esta prática social e experimentou grande desenvolvimento nos últimos quarenta anos, especialmente na França. Entretanto, ela ainda é pouco estudada no Brasil. A publicação deste trabalho procura lançar bases para que a discussão sobre a prática da leitura ganhe cada vez mais corpo também em nosso país. A presente obra oferece uma perspectiva panorâmica do tema, mais descritiva do que teórica, insistindo no fato de que a palavra escrita continua ocupando lugar central na sociedade contemporânea – que, por sua vez, se caracteriza, entretanto, pela onipresença da imagem e pelo mundo virtual.

Pré-venda exclusiva no site da Editora Mnêma do livro ‘Em Busca do Paraíso Perdido: As Utopias Medievais’, de Hilário Franco Júnior

Já começou a pré-venda do livro Em Busca do Paraíso Perdido: As Utopias Medievais, do premiado historiador Hilário Franco Júnior. A venda é exclusiva pelo site da Editora Mnêma.

E o melhor, está com um incrível desconto: de R$180,00 》》》Por R$99,00 (envio a partir de 30/10)

ACESSE AQUI

O LIVRO

Desde meados do século passado ampliaram-se muitos nossos conhecimentos sobre a Idade Média, na qual se reconhece a matriz da civilização ocidental cristã. Mas ainda subsistem múltiplas facetas interessantes a explorar, uma delas a produção utópica da época, que a historiografia tende a negar.

De um lado, argumenta-se não ser possível falar em utopia antes de Tomás More ter criado a palavra, no começo do século XVI. De outro lado, afirma-se que as pessoas da Idade Média pensavam demais na perfeição do Além para poderem imaginar uma sociedade perfeita nesta vida.

O livro que o leitor terá em mãos mostra, contudo, com refinamento conceitual e erudição, que houve várias utopias na Idade Média, cuja compreensão ajuda a lançar luz sobre não poucos aspectos do Ocidente atual.

O AUTOR

HILÁRIO FRANCO JÚNIOR é professor de pós-graduação de história social na Universidade de São Paulo. Obteve o pós-doutorado em história medieval na École des Hautes Études en Sciences Sociales, na França. Recebeu dois prêmios Jabuti. Tem diversos livros publicados, sempre focando temas medievais.  Publicou pela Ateliê Dante – O Poeta do Absoluto e Cocanha – Várias Faces de uma Utopia.

Ateliê e Mnêma lançam ‘Em Busca do Paraíso Perdido: As Utopias Medievais’, do premiado historiador Hilário Franco Júnior

A Ateliê Editorial e a Editoria Mnêma publicam, neste ano, a obra Em Busca do Paraíso Perdido: As Utopias Medievais, do premiado historiador Hilário Franco Júnior. A pré-venda começa em breve.

Desde meados do século passado ampliaram-se muitos nossos conhecimentos sobre a Idade Média, na qual se reconhece a matriz da civilização ocidental cristã. Mas ainda subsistem múltiplas facetas interessantes a explorar, uma delas a produção utópica da época, que a historiografia tende a negar.

De um lado, argumenta-se não ser possível falar em utopia antes de Tomás More ter criado a palavra, no começo do século XVI. De outro lado, afirma-se que as pessoas da Idade Média pensavam demais na perfeição do Além para poderem imaginar uma sociedade perfeita nesta vida.

O livro que o leitor terá em mãos mostra, contudo, com refinamento conceitual e erudição, que houve várias utopias na Idade Média, cuja compreensão ajuda a lançar luz sobre não poucos aspectos do Ocidente atual.

O AUTOR

HILÁRIO FRANCO JÚNIOR é professor de pós-graduação de história social na Universidade de São Paulo. Obteve o pós-doutorado em história medieval na École des Hautes Études en Sciences Sociales, na França. Recebeu dois prêmios Jabuti. Tem diversos livros publicados, sempre focando temas medievais. Publicou pela Ateliê Dante – O Poeta do Absoluto e Cocanha – Várias Faces de uma Utopia.

Hilário Franco Júnior


Ateliê realiza a live de lançamento do livro ‘Presente’, de Ésio Macedo Ribeiro

A Ateliê Editorial realiza, na quinta-feira, 14 de outubro, às 19h, a live de lançamento do livro de poemas Presente, de Ésio Macedo Ribeiro. Além do autor, o encontro conta com a presença dos escritores Antônio Carlos Secchin, Luiz Ruffato e Nicolas Behr, com a mediação do escritor e jornalista Jorge Ialanji Filholini. A obra está com preço promocional de lançamento (clique aqui e confira).

Primeiro Passo Depois de Alguma Coisa

“Em 27 de novembro de 2015, num quarto do Palmer Hotel, em Chicago, minha vida virou do avesso com a notícia da morte do meu pai no Brasil. No mesmo dia, tomado por uma vertigem, comecei a expurgar toda a dor que eu sentia, escrevendo poemas em sua lembrança. Sabia que dali para frente nada seria como antes. Dezembro foi um mês de choro e de escrita ininterruptos.

Estes poemas foram, portanto, escritos no calor da emoção. Depois, trabalhados à exaustão no tempero da lucidez. Que eles lhes provoquem o riso, a lágrima e, sobretudo, uma reflexão sobre o bicho esquisito chamado MORTE. Por alegrias que tivemos. Por tristezas que tivemos. Pela VIDA que nos foi dada. Não podia deixar que seus dias por aqui morressem com ele”.  (Da “Apresentação” do Autor).

O AUTOR

Ésio Macedo Ribeiro (Frutal – MG, 10/02/1963) é doutor em Literatura Brasileira pela USP, escritor, bibliófilo e fotógrafo. É autor de, entre outros, E Lúcifer Dá Seu Beijo (1993), Marés de Amor ao Mar (1998), Brincadeiras de Palavras: a Gênese da Poesia Infantil de José Paulo Paes (1998), Pontuação Circense (2000), O Riso Escuro ou o Pavão de Luto: um Percurso pela Poesia de Lúcio Cardoso (2006), 40 Anos (2007), Estranhos Próximos (2008), Drama em Sol para o Século XXI (2011), É o que Tem (2018), Um Olhar sobre o que Nunca Foi: (2019), Augusto 90 de Fevereiros Campos (2021); e organizador e editor da Poesia Completa de Lúcio Cardoso (2011), dos Diários de Lúcio Cardoso (2012), de O Vento da Noite, de Emily Brontë, trad. de Lúcio Cardoso (2016), e de Ana Karenina, de Liev Tolstói, trad. de Lúcio Cardoso (no prelo), e, com Marília de Andrade, de Maria Antonieta d’Alkmin e Oswald de Andrade: Marco Zero (2003). Atualmente, vive em Chicago, EUA.

Ésio Macedo Ribeiro