Confira o artigo de Cintia Moscovich sobre a obra ‘Presente’, de Ésio Macedo Ribeiro

Em sua coluna no Zero Hora, do Rio Grande do Sul, a premiada escritora Cintia Moscovich escreveu sobre a recente obra poética de Ésio Macedo Ribeiro, intitulada Presente. O livro foi publicado pela Ateliê Editorial (Clique aqui).

Leia na íntegra abaixo:

Aproveite e assista a live de lançamento realizada em outubro, que contou com a presença do poeta e dos escritores Antônio Carlos Secchin, Luiz Ruffato e Nicolas Behr, com a mediação do escritor e jornalista Jorge Ialanji Filholini

Primeiro Passo Depois de Alguma Coisa

“Em 27 de novembro de 2015, num quarto do Palmer Hotel, em Chicago, minha vida virou do avesso com a notícia da morte do meu pai no Brasil. No mesmo dia, tomado por uma vertigem, comecei a expurgar toda a dor que eu sentia, escrevendo poemas em sua lembrança. Sabia que dali para frente nada seria como antes. Dezembro foi um mês de choro e de escrita ininterruptos.

Estes poemas foram, portanto, escritos no calor da emoção. Depois, trabalhados à exaustão no tempero da lucidez. Que eles lhes provoquem o riso, a lágrima e, sobretudo, uma reflexão sobre o bicho esquisito chamado MORTE. Por alegrias que tivemos. Por tristezas que tivemos. Pela VIDA que nos foi dada. Não podia deixar que seus dias por aqui morressem com ele”.  (Da “Apresentação” do Autor).

Ésio Macedo Ribeiro (Frutal – MG, 10/02/1963) é doutor em Literatura Brasileira pela USP, escritor, bibliófilo e fotógrafo. É autor de, entre outros, E Lúcifer Dá Seu Beijo (1993), Marés de Amor ao Mar (1998), Brincadeiras de Palavras: a Gênese da Poesia Infantil de José Paulo Paes (1998), Pontuação Circense (2000), O Riso Escuro ou o Pavão de Luto: um Percurso pela Poesia de Lúcio Cardoso (2006), 40 Anos (2007), Estranhos Próximos (2008), Drama em Sol para o Século XXI (2011), É o que Tem (2018), Um Olhar sobre o que Nunca Foi: (2019), Augusto 90 de Fevereiros Campos (2021); e organizador e editor da Poesia Completa de Lúcio Cardoso (2011), dos Diários de Lúcio Cardoso (2012), de O Vento da Noite, de Emily Brontë, trad. de Lúcio Cardoso (2016), e de Ana Karenina, de Liev Tolstói, trad. de Lúcio Cardoso (no prelo), e, com Marília de Andrade, de Maria Antonieta d’Alkmin e Oswald de Andrade: Marco Zero (2003). Atualmente, vive em Chicago, EUA.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.