2021: 700 anos da morte de Dante

Por Renata de Albuquerque

Era 13 de setembro de 1321 quando a cidade de Ravenna, na Itália, testemunhou a morte do poeta Dante Alighieri, considerado um dos pais da poesia e da língua italiana. Dante, um dos maiores ícones culturais do Ocidente, morreu há exatos 700 anos. E, para rememorar a data e reiterar a importância do artista, muitas iniciativas estão acontecendo neste 2021, mesmo com todas as restrições impostas pela pandemia do novo coronavírus.

Não é para menos. Considerado genial por gênios como Victor Hugo, o poeta florentino escreveu a Divina Comédia, uma obra prima da literatura universal, que serviu como base para a língua italiana moderna e consolidou o modo medieval de interpretar o mundo.  

Além de escritor, Dante tinha conhecimentos em medicina e farmácia, tendo lutado em batalhas como a do Campaldino. Toda essa atividade não o fez deixar de lado outra, também importante: a atividade política, uma herança familiar. Casou-se com Gemma, filha de Messe Manetto Donati, ainda que sua musa – como sabem os leitores da Divina Comédia – seja Beatriz (provavelmente Beatrice Portinari), por quem nutriu um amor platônico.   

Celebrações

Ao redor de todo o mundo, os 700 anos da morte de Dante tem movimentado o cenário cultural. Por exemplo, desde 14 de setembro de 2020, acontece diariamente, em frente ao túmulo do poeta em Ravenna, na Itália, a leitura de um canto da Divina Comédia, seu mais importante livro. São mais de 200 dias de leituras feitas por voluntários que se inscrevem para celebrar a obra do poeta italiano (apenas em 25 de dezembro não houve leitura).

O projeto aceita leituras nas mais diversas línguas, como italiano, russo, português, francês, persa e mandarim. Para participar lendo um canto, é necessário enviar um email para [email protected] . Se o objetivo for apenas acompanhar a leitura, isso pode ser feito no Facebook ou Youtube. Pelo número de dias que a iniciativa acontece, a obra já pôde ser lida por inteiro mais de duas vezes, mas não há previsão de quando essa leitura terminará.

Outra iniciativa que mostra a relevância de Dante e de sua obra é a criação de uma cópia da Divina Comédia em ouro e titânio para ser lançada ao espaço – esses são os únicos materiais capazes de resistir ao espaço aberto. Essa versão ficará flutuando como uma verdadeira testemunha da vida e da cultura humanas. Além disso, astronautas da ISS devem assinar uma Divina Comédia que, ao voltar à terra, será transformada em 700 exemplares numerados e certificados, só para colecionadores interessados em literatura e ciência.

Aqui na Ateliê Editorial, nós também encontramos nossa maneira de celebrar. Estamos relançando a edição bilíngue e em capa dura da Divina Comédia, traduzida por João Trentino Ziller; com apresentação de João Adolfo Hansen e com ilustrações de Sandro Botticelli. As notas à Comédia de Botticelli são de Henrique Xavier.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *