Monthly Archives: março 2012

Elementos de Semiótica Tensiva – Claude Zilberberg

Elementos de Semiótica Tensiva - Claude ZilberbergTraduzido por Luiz Tatit, Ivã carlos Lopes e Waldir Beividas, lançamento da Ateliê Editorial apresenta os principais avanços da semiótica tensiva que, desde a década de 1980, vem sendo construída pelo autor

Elementos de Semiótica Tensiva, de Claude Zilberberg, mostra como articular “intensidade” e “extensidade”, bem como os seus subprodutos: a tonicidade (tônica, átona), o andamento (rápido, lento), a temporalidade (breve, longa) e a espacialidade (fechada, aberta). Além disso, propõe novos conceitos para a descrição do sentido, reservando um espaço teórico especial para os acontecimentos inesperados. Reaproveita, em outras bases, algumas conquistas da retórica e mesmo alguns termos gramaticais que se tornaram imprescindíveis para a eficácia do atual modelo.

Apesar de se considerar um continuador das pesquisas semióticas desenvolvidas em três décadas (1960, 1970, 1980) por Algirdas Julien Greimas e sua equipe, Claude Zilberberg chegou a um modelo de análise do sentido bastante particular que, agora, pode ser avaliado nas páginas desta obra. Amante das “tensões, dos equilíbrios instáveis e dos dinamismos das estruturas” (expressões de Greimas), Zilberberg organiza nesse livro uma semiótica que transpõe as célebres articulações do quadrado semiótico e mesmo as diretrizes narrativas tradicionalmente acolhidas pelos teóricos da Escola de Paris. No final do livro há um glossário, que permite a consulta rápida ao caráter orgânico dos conceitos fundados pelo autor.

Claude Zilberberg, co-diretor do Séminaire Intersémiotique de Paris, é um dos mais eminentes semioticistas em atividade. Entre suas obras estão as seguintes publicações: Essai sur les modalités tensives (John Benjamins, 1981), L’essor du poème. Information rythmique (Phoriques, 1985), Semiótica tensiva y formas de vida (Univer- sidad Autónoma de Puebla, 1999), Ensayos sobre semiótica tensiva (Universidad de Lima/FCE, 2000), Tensão e Significação (co-autoria com J. Fontanille, Discurso Editorial/Humanitas, 2001), Sémiotique et esthétique (org., com F. Parouty-David, Pulim, 2003), Razão e Poética do Sentido (Edusp, 2006), Semiótica tensiva (Universidad de Lima, 2006).

Teatro Russo no Prosa e Verso – O Globo

Teatro Russo - O Globo

Prosa e Verso - O Globo

Clique aqui para ler a matéria completa

.

Elena Vássina, Arlete Cavalieri

Esta publicação traz um amplo debate sobre os  mais variados aspectos, que  cercam a história e a estética da arte teatral na Rússia. O exame  atento da interação orgânica entre as diferentes linguagens, que conformam o ato teatral, confere aos textos aqui presentes extremo interesse pelo alto grau de inovação investigativa na abordagem de questões cruciais para os estudos do fenômeno do teatro, tais como a arte do ator e a do encenador, a função do diretor, o papel do dramaturgo e do texto literário,  a criação do cenógrafo e do coreógrafo na estruturação do texto cênico. Saiba mais

História do PT é centro de debate promovido pelo CEDEM/UNESP

História do PT, de Lincoln SeccoHistória do PT, livro de Lincoln Secco, será o centro do debate no próximo dia  07 de março, quarta-feira, às 18h30, promovido pelo CEDEM – Centro de  Documentação e Memória da UNESP.

.

Até hoje não existia uma história do PT abrangente,  sintética e com a experiência do poder. Nem mesmo oficial feita pelo próprio partido. É uma tarefa difícil para um historiador se manter  equidistante das correntes internas do PT e do próprio ambiente político em que o partido agiu. Lincoln Secco, sem negar a vinculação  que ele (e boa parte de sua geração) teve com o PT, sem exaltá-lo ou  atacá-lo gratuitamente, supera os inúmeros estudos de caso e teses  acadêmicas sobre o período de formação do partido e oferece uma visão de conjunto da trajetória petista. Em vez de escrever um livro acadêmico ele preferiu uma história ensaística voltada aos que  “trabalham” com o PT: jornalistas, cientistas políticos, pesquisadores  estrangeiros e militantes políticos.

A obra visa também os jovens. Por isso, traz um mapa das  tendências petistas ao longo de sua história, glossário do jargão interno e cronologia. A obra  acompanha a trajetória petista desde a greve da Scânia em 1978 até a  vitória de Dilma Rousseff. Mostra como o PT passou de um ator social  radical a um integrante da ordem política estabelecida, cresceu  eleitoralmente, perdeu seu ímpeto militante e se tornou uma máquina de  governo, atravessando escândalos de corrupção, perseguições de seus  adversários e chegando a uma surpreendente hegemonia política no Brasil.

Expositor

LINCOLN SECCO

Graduação em História – USP

Mestrado e Doutorado em História Econômica – USP

Livre Docente em História – USP

Debatedores

MARCOS DEL ROIO

Graduação em História – USP, Mestre em Ciência Política – UNICAMP

Doutor em Ciência Política – USP, Pós-doutorado em Estudos Internacionais – Universidade de Milão

Professor da UNESP – Campus de Marília

JOSÉ RODRIGUES MÁO JUNIOR

Graduação em História – USP

Mestrado e Doutorado em História Econômica – USP

Professor do Inst.Fed. de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo  – IFSP –  Cubatão

Mediadora

MARISA MIDORI DEAECTO

Graduação em História – USP

Mestrado e Doutorado em História Econômica – USP

Professora da ECA – USP

.

Participe e convide seus amigos!

.

Inscrições gratuitas c/ Sandra Santos pelo e-mail: ssantos@cedem.unesp.br

Data e horário:  7 de março de 2012 (quarta-feira) às 18h30

Local: CEDEM/UNESP – Centro de Documentação e Memória

Praça da Sé, 108 – 1º andar, esquina c/ Rua Benjamin Constant (metrô Sé)

(11) 3105 – 9903 – www.cedem.unesp.br

.