Tag Archive for prêmio

Clichês Brasileiros recebe três prêmios internacionais

O livro Clichês Brasileiros, de Gustavo Piqueira, publicado pela Ateliê recebe três prêmios de Design

Clichês Brasileiros, de Gustavo Piqueira2014 iF Design Awards
Um dos maiores prêmios internacionais de design com base em Munique, Alemanha.

2013 Good Design Awards
O mais antigo prêmio de design, organizado pelo Chicago Athenaeum Museum of Architecture and Design e tendo como alguns de seus fundadores Charles e Ray Eames.

2013 LUSOS Prémios Lusófonos da Criatividade
Competição que premia o melhor de comunicação visual e design gráfico dos países de língua oficial portuguesa, sediada em Portugal.

 

Release

Utilizando-se apenas de imagens de um catálogo brasileiro de clichês tipográficos do início do século XX (Catálogo de clichés D. Salles Monteiro, publicado em edição fac-similar pela Ateliê Editorial, em 2003), Gustavo Piqueira compõe uma inusitada narrativa visual contemporânea em seu novo livro, Clichês Brasileiros. Os clichês tipográficos eram matrizes, gravadas em madeira ou metal, utilizadas como complemento figurativo ao conteúdo textual no processo tipográfico de impressão, método dominante na produção de impressos durante quase cinco séculos. Mas o título do livro não se deve exclusivamente às matrizes usadas para a confecção das ilustrações. A cada virada de página, topamos com outro tipo de clichês brasileiros: dos históricos, como a chegada dos portugueses, a catequização dos índios, a escravidão ou os ciclos do café e do ouro, até clichês do Brasil de hoje, cheio de engarrafamentos, dívidas, condomínios fechados e alienação. Todos retratados com sutil irreverência e grande riqueza gráfica. O livro possui capa em lâmina de madeira impressa em serigrafia, fixada com fita adesiva, e tem tiragem única de mil exemplares numerados.

Gustavo Piqueira – À frente da Casa Rex, casa de design com sedes em São Paulo e Londres, Gustavo Piqueira é um dos mais premiados designers gráficos do Brasil, com mais de 200 prêmios internacionais. Também ilustrou livros infantis e desenhou alfabetos. Como autor, publicou doze livros de ficção. Seus mais recentes projetos são a concepção e organização da coleção de filosofia clássica Ideias Vivas (WMF Martins Fontes/2011), a tradução do irreverente A História Verdadeira, escrito no século II por Luciano de Samósata (Ateliê Editorial/2012) e o misto de imagens reais e ensaios fictícios Iconografia Paulistana (WMF Martins Fontes/2012).

Conheça os livros de Gustavo Piqueira publicados pela Ateliê

 

O fotógrafo Boris Kossoy é indicado ao Prêmio Brasil Fotografia Especial

Fotografia de Boris Kossoy, da série New York VA edição 2013 do Prêmio Brasil Fotografia indicou o fotógrafo Boris Kossoy para o prêmio especial pelo conjunto da obra e sua importante reflexão sobre a fotografia.

A comissão de Premiação foi composta por Cildo Oliveira, Eder Chiodetto Diógenes Moura, Maria Hirszman e Ronaldo Entler.

Natural de São Paulo, Boris Kossoy interessou-se desde jovem pela fotografia, uma paixão que perduraria ao longo de sua vida. Sua obra fotográfica se desenvolveu em quatro grandes áreas: profissional, acadêmica, institucional e artística. Em cada uma delas sua atuação tem deixado marcas e seguidores.

Assim como grande parte dos fotógrafos brasileiros de sua geração, Boris foi um autodidata; sua carreira profissional teve início em 1965 através do Estúdio Ampliart, atuando nas áreas de jornalismo, documentação e publicidade. Prestou serviços para jornais, revistas e veículos como Jornal da Tarde, Última Hora, Quatro Rodas, Manchete, TV Record, paralelamente a uma obra autoral que segue até o presente.

Arquiteto pela Universidade Mackenzie (1965); mestre e doutor pela Escola de Sociologia e Política de São Paulo (1977-1979). Iniciou-se no magistério em 1973, instalando o primeiro curso de fotografia da Faculdade de Comunicação Social Anhembi (SP), foi professor também do Curso de Especialização em Museologia, e da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação da UNESP (Campus de Bauru). Seu percurso na Universidade de São Paulo teve início em 1987; em 2000 prestou concurso para livre-docência e, em 2002, para o cargo de professor titular de Escola de Comunicação e Artes. Nessa instituição é pesquisador e professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação. Entre outras atividades é coordenador do Núcleo de Estudos Interdisciplinares de Imagem e Memória (NEIIM/LEER-USP).

Ao longo de sua carreira acadêmica a fotografia foi o centro das investigações em diferentes direções: teoria, história e poética. Enquanto historiador, teórico e pesquisador têm sua obra mais conhecida voltada à investigação da história da fotografia no Brasil e América Latina, aos estudos teóricos da expressão fotográfica e à aplicação da iconografia como fonte de investigação nas Ciências Humanas. Dentre seus trabalhos mais recentes como curador, é de se mencionar: “Círculo Fechado: os japoneses sob olhar do DEOPS” (Memorial da Resistência de São Paulo/Estadão Pinacoteca, 2009); “Horizontes, fotografias de Bruno Cals” (1500 Gallery, NY, 2012) e “Um olhar sobre o Brasil: a fotografia na construção da imagem da nação” (Instituto Tomie Ohtake/Ministério da Cultura/Fundação Mapfre, SP, 2012-2013 e circuito nacional).

Sua carreira autoral como fotógrafo esteve centrada principalmente no realismo fantástico e na busca de elementos de mistério que permeiam as cenas do cotidiano urbano e da natureza, percepção essa que chamou de “mundos paralelos”. Mostras individuais de sua obra fotográfica foram montadas no Museu de Arte de São Paulo, Universidade de Nova York, Centro de La Imagem (México), Museu de Arte da Bahia, Pinacoteca do Estado de São Paulo, além de ter participado de um número expressivo de exposições coletivas. Fotografias de sua criação encontram-se representadas, entre outras instituições, nas coleções permanentes do Museu de Arte Moderna (NY), Centro da Imagem (México, D.F), Instituto Smithsonian (Washington D.C.), Eastman House/Museu Internacional de Fotografia (Rochester, NY), Museu de Arte Moderna de São Paulo, Pinacoteca do Estado de São Paulo, além de coleções particulares.

É ampla a bibliografia sobre sua obra, publicada tanto no Brasil como internacionalmente. Kossoy é autor de 13 livros, entre eles, os clássicos: Viagem pelo Fantástico; Hercules Florence, a descoberta isolada da Fotografia no Brasil; São Paulo, 1900; Fotografia e História; Realidades e Ficções na Trama Fotográfica; Os tempos da fotografia, o efêmero e o perpetuo; Dicionário Histórico-Fotográfico Brasileiro; Boris Kossoy Fotógrafo e Um olhar sobre o Brasil; a fotografia na construção da Imagem da nação (coord.).

Em 1984, recebeu do Ministério da Cultura e da Comunicação da França, a condecoração: Chevalier de L’Ordre des Arts ET des Lettres pelo conjunto de sua obra.

O Ministério da Cultura e Porto Seguro Cia de Seguros Gerais convidam para a abertura da exposição dos trabalhos premiados, no dia 22 e outubro, às 19h, Espaço Cultural Porto Seguro, na Avenida Rio Branco, 1489.

Conheça os livros de Boris Kossoy publicados pela Ateliê Editorial

O Altar & o Trono ganha prêmio da ABL

O Altar & o Trono, Ivan Teixeira

O Altar & o Trono: Dinâmica do Poder em O Alienista (Ateliê/Unicamp), de Ivan Teixeira, é o ganhador do Prêmio Senador José Ermírio de Moraes de 2011. Outorgado anualmente pela Academia Brasileira de Letras e pelo Grupo Votorantim, o prêmio destina-se a “autor brasileiro por obra de qualquer gênero que traga efetiva contribuição à cultura brasileira”. Seu valor este ano gira em torno de 80 mil reais.

Em anos anteriores, ganharam o prêmio: Roberto Campos, Décio de Almeida Prado, Evaldo Cabral, Luiz Felipe de Alencastro, José Mário Pereira e Walnice Nogueira Galvão.

Por meio de minuciosa análise de O Alienista, O Altar & o Trono investiga as relações da ficção de Machado de Assis com o discurso do jornalismo, editoração, política, ciência e religião no declínio do Segundo Reinado. O ensaio resultou de pesquisa financiada pela University of Texas em Austin, onde o autor lecionou Literatura Brasileira como Full Professor por três anos.

Ficção Interrompida ganha o Prêmio APCA 2010 de Literatura

Livro Ficção Interrompida, de Diógenes Moura, ganhou o Prêmio APCA 2010 de literatura

Fonte: APCA

O livro Ficção Interrompida, de Diógenes Moura, ganhou o Prêmio APCA (Associação Paulista de Críticos de Artes) 2010 de Literatura, na categoria Contos/Crônicas. A eleição aconteceu no dia 13 de dezembro e a votação desta categoria foi feita por Dirce Lorimier Fernandes, Luiz Costa Pereira Jr., Sérgio Miguez e Ubiratan Brasil.

Diógenes Moura escreve a partir de fatos reais e fictícios e conduz seus personagens a uma narrativa repleta de questionamentos. São contos curtos, pequenos filmes, cenas inesperadas, epílogos dilacerados pela inquietação do autor em não ter encontrado respostas para o drama e o destino de cada um dos seus personagens, a grande maioria anônimos, identificados apenas pelas iniciais de seus nomes. Em alguns momentos do livro, um conto leva ao outro como num plano-sequência para em seguida a imagem se “desfazer” no universo inseguro que é a vida dos homens comuns.

Veja a lista completa dos melhores da APCA em 2010

.