Tag Archive for Ilustrada

Resenha de Liberalismo e Natureza na ilustrada

Ampliar

Formado em filosofia pela USP, Rodrigo Cintra investiga os fundamentos do discurso liberal moderno a partir das teorias políticas de John Locke (1632 – 1704). O livro mostra de que forma os conceitos estudados por Locke, como o da propriedade privada e da universalidade de direitos, tornaram-se fundamentos do capitalismo da sociedade atual. Cintra ainda revela contradições por trás dessas ideias que colocam em xeque temas como justiça e igualdade. [Release]

"Não é preciso derrubar árvore", diz arquiteto Carlos Motta

(Matéria de MARIO CESAR CARVALHO – Ilustrada)

Marcelo Justo/Folhapress

Em 2001, o designer e arquiteto Carlos Motta recebeu um fax da Ikea, no qual a rede de móveis que tem lojas de Pequim a Nova York o consultava sobre a possibilidade de fornecer 1 milhão de cadeiras e 500 mil mesas.

Ele nem titubeou diante do negócio milionário: “Não dá para atender. Como dar garantia para o resto da vida para uma quantidade dessas?”.

A exposição que Motta, 58, abre amanhã no Museu da Casa Brasileira, onde também lança um livro, radicaliza mais o processo: todos os móveis são de madeira reciclada, ou “madeira de redescobrimento”, como prefere.

A ideia de dar garantia aos móveis e de reaproveitar tábuas que já foram ponte ou assoalho fazem parte de um mesmo conceito: o de que a madeira é material nobre, que não pode ser descartado.

“Não precisamos derrubar árvore nenhuma para criar móveis. Está tudo aí”, disse.

Motta é um dos principais designers do país. Tem móveis em lugares tão díspares quanto a Pinacoteca do Estado e a basílica de Aparecida.

“Na minha lista pessoal, ele está sempre nos primeiros lugares”, diz Sergio Rodrigues, 82, espécie de patrono do mobiliário brasileiro.

Irritação

Os móveis de madeira velha têm propósito ecológico e estético. O primeiro é óbvio. Ao segundo, acrescenta responsabilidade social. “Pessoas que trabalham nesses móveis têm de ganhar bem”.

O viés estético é um pouco mais complexo. Motta diz que sempre teve grande irritação com o mobiliário feito com madeira reciclada, consagrado em São Paulo pelos “móveis velhos” do Embu.

“Sempre me entristeceu como a madeira velha é usada no interior. É tudo baseado no colonial brasileiro, mas quem copia, copia mal.”

Motta parte de outra escola, a de Sergio Rodrigues e de Zanini Caldas (1919-2001).

Os móveis de madeira velha buscam a essência das coisas, diz ele: “Mexo menos na matéria-prima. Interessa-me muito o simples, o básico, o óbvio. Se sente frio, pegue um casaco. Tá cansado? Toma uma cadeira”.

O resultado dessa simplificação lembra a arquitetura brutalista de Paulo Mendes da Rocha, de quem ele foi estagiário, mas tem um quê oriental, segundo Motta. Muitos dos objetos lembram as linhas de um ideograma.

A curadora de design Adélia Borges diz que o uso de madeira velha põe em xeque a defesa dos materiais sintéticos em voga na Europa.

“Esse trabalho mostra que é bobagem esse discurso de que a madeira tem de ser abandonada. Há usos ecologicamente corretos dela.”

Para azar dos brasileiros, a nova linha de móveis caiu no gosto de europeus e americanos. Há um mês, Motta expôs em Paris e vendeu um cabideiro feito à mão por R$ 57,7 mil. Num leilão da Phillips de Pury, o lance mínimo de uma cadeira era de R$ 27,7 mil.

Um contraponto aos preços estratosféricos será mostrado na exposição. É uma cadeira feita para as Havaianas. Deve custar de R$ 600 a R$ 700, segundo o designer.

CARLOS MOTTA – MÓVEIS DE MADEIRA REUTILIZADA
Quando: de amanhã a 4/7, de ter. a dom., das 10h às 18h
Onde: Museu da Casa Brasileira, av. Brig. Faria Lima, 2.705, tel. 0/ xx/11/3032-3727
Quanto: R$ 2 e R$ 4; dom., grátis