Tag Archive for falecimento

Faleceu este mês Paulo Penido, sobrinho de Pedro Nava

Lamentamos informar a morte de Paulo Menezes Nogueira Penido (1936 – 2013) ocorrida no dia primeiro de agosto, no Rio de Janeiro, cidade onde nasceu.

Paulo Penido era médico radiologista e reumatologista. Sobrinho da esposa de Pedro Nava, ficou com a incumbência de cuidar do acervo das obras de Nava. Pela Ateliê, publicou dois livros como organizador: Bicho Urucutum e Anfiteatro, nos quais conta sua convivência com o casal Nava, pois quando jovem morou com os tios. São casos curiosos e muito interessantes para conhecermos Pedro Nava como pessoa e médico. Seu irmão poeta Egberto Penido publicou o livro Sombras e Distâncias, também pela Ateliê.

Morre o poeta, crítico e professor da FFLCH, Antônio Medina Rodrigues

Fonte: USP

No dia 12 de maio foi sepultado o corpo do professor Antônio Medina Rodrigues no Cemitério Gethsemani.

O docente, autor de Utopias Gregas, lecionou no Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas (DCLV) da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), era doutor em Língua e Literatura Grega pela FFLCH, poeta, crítico e tradutor.

Medina trabalhou também na Casa do Saber e escreveu sobre literatura e cultura em jornais como O Estado de São Paulo e Folha de São Paulo. Além disso, teve seus cursos de literatura exibidos pela TV Cultura de São Paulo.

Pela Ateliê Editorial o professor escreveu o prefácio e notas de Memórias Póstumas de Brás Cubas, da Coleção Clássicos Ateliê.

Nota de falecimento de Segismundo Spina, professor emérito da USP

Segismundo Spina

A Ateliê lamenta profundamente a perda do professor emérito da USP, Segismundo Spina, que publicou obras importantes, tais como Do Formalismo Estético Trovadoresco e História da Língua Portuguesa. Conheça os livros do autor publicados pela Ateliê: http://www.atelie.com.br/livros/segismundo-spina

.

Leia abaixo a nota de falecimento publicada no site da USP:

.

Com pesar, comunicamos o falecimento do professor emérito da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), Segismundo Spina, ocorrido no dia 22 de dezembro de 2012.

Nascido em Itajobi, em São Paulo, em maio de 1921, Spina fez a graduação no curso de Letras Clássicas e a pós-graduação na USP. Em 18 de setembro de 1944, iniciou na FFLCH como auxiliar técnico da cadeira de literatura portuguesa, aposentando-se como professor titular do Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas em 12 de fevereiro de 1987. E, em 13 de abril de 1989, recebeu o título de professor emérito pela Faculdade.

Ao longo de sua carreira de professor dos cursos de Letras da USP – atuando principalmente nas áreas de linguística, letras e artes; literaturas vernáculas – Spina deu contribuições fundamentais à filologia, à crítica textual e aos estudos literários. No Brasil, tornou-se referência obrigatória para os estudos da obra camoniana e da estética barroca. Foi também responsável pela difusão do conhecimento objetivo das estruturas do poema.

É autor de diversos livros, tendo como obras mais destacadas os estudos Do Formalismo Estético Trovadoresco e Apresentação da Poesia Barroca Portuguesa. Na Editora da USP (Edusp), tem três títulos publicados: A Lírica Trovadoresca, A Poesia de Gregório de Matos e Ensaios de Crítica Literária.

Paralelamente, ensinou ainda Literatura Portuguesa na Universidade Presbiteriana Mackenzie, e regeu a cadeira de Filologia e Língua Portuguesa na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Sedes Sapientiae, da Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP).

.

A Ateliê lamenta profundamente a perda de Décio Pignatari

Décio Pignatari

Deixamos registrados aqui nossos sentimentos e homenagens a este grande poeta e sua família. Foi um imenso prazer e honra ter realizado projetos junto com um dos maiores poetas brasileiros. Veja abaixo a notícia publicada pelo G1.

Morreu de insuficiência respiratória neste domingo (2) o poeta paulista Décio Pignatari, aos 85 anos. Ele estava internado desde sexta-feira (30), no Hospital Universitário de São Paulo, e faleceu por volta das 9h da manhã, segundo a assessoria do hospital. Ele também sofria de Mal de Alzheimer, informou o hospital.

Décio nasceu em Jundiaí, São Paulo, em 1927, e ficou conhecido, ao lado dos irmãos Augusto e Haroldo de Campos, como um dos nomes do movimento concretista, que realizou experimentos formais nas artes brasileiras a partir da década de 50.

As primeiras poesias de Décio Pignatari foram publicadas na Revista Brasileira de Poesia, em 1949. O livro de estreia, Carrossel, saiu em 1950. Com os irmãos Campos publicou, em 1965, Teoria da Poesia Concreta.

“O Décio, numa carta que me escreveu, foi o primeiro poeta que usou para mim essa expressão [poesia concreta]. Ele caracterizava como concreta a poesia do [escritor americano E.E.] Cummings, distinguindo-a de outros poetas. E aquilo ficou na nossa correspondência”, conta Augusto ao programa Umas Palavras, sobre a adoção do rótulo pelo grupo.

“Além de poeta, Pignatari escreveu romance, peça de teatro e foi tradutor, professor e estudioso de semiótica, assunto de diversos de seus livros. Sua obra poética está reunida em Poesia Pois É Poesia (Ateliê Editorial, 1977)”, descreve em seu site a editora Cosac Naify, que lançou em 2009 seu livro Bili com Limão Verde na Mão.

Livros de Décio Pignatari pela Ateliê