Massao Ohno, Editor

Massao Ohno foi um dos maiores editores do país, deixando sua ideia e marca que influenciou o mercado editorial independente. Este imenso trabalho gráfico pode ser acompanhado no livro Massao Ohno, Editor, escrito e organizado pelo pesquisador José Armando Pereira da Silva. A obra tem projeto gráfico de Gustavo Piqueira e Samia Jacintho. Para falar desse trabalho, o pesquisador conversou com o Blog da Ateliê:

Massao Ohno participou de alguma maneira da fase inicial do projeto, já que a ideia surgiu em 2004?

José Armando Pereira da Silva: Não. Massao não participou do projeto. Quando dei conta a ele da minha ideia, apenas respondeu: “Está em boas mãos”. E comecei, então, a fazer minhas pesquisas.

Após a morte de Massao Ohno, qual foi a estratégia para dar continuidade ao projeto? Houve alguma mobilização de pessoas para ajudar a concluí-lo? Como foi esse desenrolar?

JAPS: Após a morte de Massao, sugeri ao então Secretário Municipal de Cultura, Carlos Augusto Calil, a formação de um acervo de obras publicadas por ele na Biblioteca do Centro Cultural São Paulo. Ele dirigiu minha sugestão para a Biblioteca Mário de Andrade, cuja diretora acolheu e promoveu a constituição de um acervo em contatos com autores por ele editados e familiares. Essa mobilização me fez conhecer muitas outras obras, além das que inicialmente pesquisara.

São mais de 170 capas que fazem parte de Massao Ohno, Editor. Um recorte importante e, ao mesmo tempo, trabalhoso para selecionar. Como foi o processo de catalogação, documentação e escolhas para fazerem partes do livro?

JAPS: O processo foi longo, começando por acesso ao catálogo de bibliotecas públicas e às ofertas de sebos virtuais, quando iniciei a compra de livros que julguei importantes. Fui formando minha coleção e descobrindo colecionadores que pudessem me fornecer imagens e dados de obras mais raras. A escolha de capas reproduzidas concentrou-se especialmente na primeira fase da editora, de 1960 a 1964, quando Massao estabeleceu sua marca não só na publicação de poesia, mas também de outros gêneros, como teatro, cinema e obras ligadas às tradições orientais, como o Hai-Kai. Outras reproduções ilustram autores que ele publicou nas fases seguintes de sua carreira: o retorno à atividade nos anos 1970, a parceria com editora do Rio de Janeiro nos anos 1980 e a fase final dos anos 1990.

Durante o trabalho de reunião do material para elaboração do livro, houve alguma descoberta, de algo inédito, que lhe causou surpresa?

JAPS: Várias. Como descobrir que os ensaístas e professores universitários (hoje aposentados) Roberto Schwarz e Carlos Henrique Escobar tiveram seus primeiros livros de poemas publicados por Massao em 1959. Também a antropóloga Manuela Carneiro da Cunha, então com 18 anos e ainda com o nome de solteira Manuela Ligeti, teve um livro de poemas em francês por ele editado.

Outra surpresa foi encontrar livros de Histórias em Quadrinhos, um deles de Sérgio Macedo, hoje um nome internacional no gênero.

Um fato importante e que até, em forma cronológica, é a participação marcante – formal e informalmente – de Massao Ohno na construção da literatura brasileira na segunda metade do século XX. Com os Novíssimos, passando pelos poetas Roberto Piva e Claudio Willer, mostrando também a elaboração dos livros de Hilda Hilst, entre outros.  Para você, Massao Ohno tinha ideia da importância do trabalho dele para a literatura contemporânea, assim como sua influência e referência na produção editorial?

Massao Ohno, em foto de Juan Esteves

JAPS: Quando Carlos Felipe Moisés e Álvaro Alves de Faria organizaram a Antologia da Geração 60, fizeram uma homenagem a Massao declarando que “sem ele a história dessa geração seria substancialmente outra”. Outra seria também a história do editor sem essa ligação, que identificou sua marca e consolidou sua política de autores. Se tomamos em conta o desdobramento das carreiras dos autores lançados nos anos 1960, o saldo é positivo e relevante. A maioria desses poetas persistiu para além da efervescência de seu tempo de iniciação. Mas naquele momento não havia a consciência disso. A história estava por se fazer no futuro.

Ao longo do trabalho de elaboração do livro, alguma percepção sua sobre a obra de Massao Ohno foi alterada? Em que sentido?

JAPS: Não foi alterada, mas fui surpreendido ao me dar conta da quantidade de obras por ele editadas, da variedade de gêneros e autores, aos quais ele deu o melhor resultado, mesmo trabalhando muitas vezes em condições heroicas.

Massao sempre foi atento aos ilustradores, pintores e desenhistas, como Wesley Duke Lee, Aldemir Martins, Millôr Fernandes, Augusto Rodrigues, entre outros.  No livro Massao Ohno, Editor você deixou em evidência e detalhada essa relação editor e ilustrador é uma das principais identidades nas obras de Massao. Poderia contar um pouco dessa relação artística-editorial que Massao Ohno teve com os seus parceiros ilustradores? 

JAPS: Com a Coleção dos Novíssimos. os projetos gráficos de Massao ganharam identidade com a parceria dos artistas plásticos Acácio Assunção, Joao Suzuki, Manabu Mabe, Cyro Del Nero e Wesley Duke Lee, que colaboraram na definição de capa, formato e suporte. Em outros títulos lançados até 1964, Tide Hellmeister se incorporou à editora, e foi o mais efetivo no papel de designer. O contato inicial de Massao com artistas plásticos se deu dos salões de arte dos pintores nipo-brasileiros no Bairro da Liberdade, organizados pelo Grupo Seibi-kai, onde encontrou um de seus primeiros parceiros, João Suzuki, além de Yoshiya Takaoka, Yuji Tamaki, Tomo Handa, Manabu Mabe, Tomie Ohtake, Massao e Alina Okinaka, Tomoshige Kusuno, Kazuo Wakabayashi e Yutaka Toyota. Todos eles, em algum momento estiveram presentes nas edições de Massao. Outro artista de sua preferência foi Arcangelo Ianelli. Dele reproduziu mais de vinte obras em capas de suas edições, algumas até repetidas.

Em sua opinião, por que a questão estética (da concepção editorial do livro enquanto objeto) era tão importante para ele, em uma época na qual esse tipo de preocupação não era tão comum?

JAPS: A questão estética era fundamental para Massao. Ele está no grupo de pequenos editores independentes (uns poucos) que deram ao livro características especiais. Era meticuloso no seu trabalho. Testava imagens, fontes, formatos até chegar a um resultado satisfatório. Isso num tempo em que não se dispunha de recursos digitais. Tinha até algumas manias. Não gostava de numerar as páginas dos livros de poesia. Dizia que isso “sujava” a página. A qualidade moderna de suas edições pode ser percebida desde a lombada.

Em um tempo no qual o livro digital toma conta, rememorar a obra de Massao Ohno pode ter relevância para os novos leitores (como você mesmo lembra na dedicatória)? Como a obra de Ohno pode despertar o interesse da geração de leitores de e-books? Ou, por outra: essa nova geração ainda pode ser provocada pela ideia do livro enquanto objeto de desejo?

JAPS: Minha expectativa, além do propósito documental, é despertar em novos leitores o interesse pelo livro. A concretude de um livro sempre será objeto de desejo. Além dos temas que o interessam, o frequentador de uma livraria sempre pode ser seduzido por um título, pelo desenho de uma capa ou pelo projeto editorial bem-acabado.

Inspirado em clássico do cinema, projeto Fitzcarraldo leva o vocabulário nheengatu à Amazônia

Werner Herzog criou um espetáculo de imagens impressionante quando filmou a aventura real de Brian Sweeney Fitzgerald, cujo desejo era construir um teatro na Amazônia. Fitzcarraldo, o filme, inspirou o Projeto Fitzcarraldo, do jornalista Oliviero Pluviano, que leva música, cinema, livros e cultura  para os índios da floresta Amazônica, a bordo do barco-gaiola Gaia.

O Gaia, que navega pela Amazônia

O projeto, que começou em 2011, já visitou mais de 30 comunidades, com o apoio de leis de incentivo e de patrocinadores como a Bauducco. O Gaia foi transformado em um barco-cinema e atende a demandas das populações locais, com a entrega de insumos necessários ali. Até mesmo a seleção italiana de futebol já foi a Manaus, em 2014, com o projeto.

Em 2020, mais uma novidade desembarca do Gaia: exemplares do Vocabulário Português-Nheengatu – Nheengatu-Português serão doados às comunidades indígenas que ficam as beiras do Rio Arapiuns. Um calendário, ilustrado com as igrejinhas da região e com trechos do etnógrafo ítalo-brasileiro, Ermanno Stradelli, autor do dicionário, também será distribuído.

 O Nheengatu é uma variante do Tupi, falada por mais de 30 mil índios da região amazônica. É uma espécie de “língua geral”, desenvolvida pelos jesuítas entre os séculos XVI e XVII para que pudessem se comunicar com os índios. Em 1758, o Marquês de Pombal impôs o português como única língua, proibindo o uso do nheengatu e outras línguas indígenas, que entretanto, continuaram a ser faladas.

O Vocabulário Português-Nheengatu – Nheengatu-Português, de Ermano Stradelli, tem uma grande relevância linguística, sociológica e antropológica. Stradelli, que morou na região Amazônica, era fluente na língua geral e recolheu um vocabulário vivencial da língua nheengatu. O volume traz o nheengatu como língua dinâmica, que ainda é falada na região.

Mas, você não precisa ir até a Amazônia para conhecer essa língua indígena que resistiu aos séculos. Ele está à venda no site da Ateliê:  https://www.atelie.com.br/livro/vocabulario-portugues-nheengatu/

Massao Ohno, um dos maiores editores do país, ganha livro pela Ateliê Editorial

Jorge Ialanji Filholini *

Hilda Hilst escreveu sobre Massao Ohno: “Colou-se à compaixão, abismos e à sua própria sombra”. Massao dedicava-se – muitas vezes sozinho – às sombras do mercado editorial para as publicações de livros que hoje são clássicos e importantes na literatura brasileira contemporânea.

Conhecido como um dos maiores editores do país e deixando sua ideia e marca que influenciaram o mercado editorial independente, Massao foi responsável por publicar nomes como os de Roberto Piva, Eunice Arruda, Claudio Willer, Hilda Hilst, Renata Pallottini, Jorge Mautner, Julio Bressane, Lupe Cotrim Garaude e muitos outros. Este imenso trabalho gráfico pode ser apreciado como estudo literário e biográfico no livro Massao Ohno, Editor, escrito e organizado pelo pesquisador José Armando Pereira da Silva, e publicado pela Ateliê Editorial. A obra tem seu lançamento agendado em São Paulo no dia 15 de fevereiro, a partir das 10h, na Galeria de Arte Almeida e Dale (Rua Caconde, 152, Jardim Paulista).

O objetivo inicial da obra foi o levantamento da produção editorial de Massao Ohno – morto em 2010 -, apresentada cronologicamente, e que pode servir de referência para outras abordagens de sua carreira. Houve também o propósito de conferir a colaboração dos artistas, seus parceiros no desenho de capas e ilustrações. Acompanham a reprodução colorida das capas, apontamentos históricos, biográficos e depoimentos, relacionados aos autores e às obras.

Massao Ohno, em foto de Juan Esteves

Deste rastreamento são reproduzidas capas de 174 obras, que permitem observar como se deu e se firmou sua marca. Mesmo sem acesso a toda sua produção, são destacadas algumas preferências de Massao e a primeira fase da editora, de 1960 a 1964. Nesse período culturalmente intenso, não só os novos poetas tiveram nele um veiculador sensível e comprometido em dar identidade a seus projetos.

“A ideia de fazer um levantamento da produção de Massao Ohno me ocorreu por ocasião das homenagens que lhe foram prestadas em 2004 pelos 45 anos de carreira. Não havia inventário que desse uma dimensão concreta dos títulos por ele publicados”, aponta José Armando. “Atraía-me também a possibilidade de investigar as diversas etapas de sua carreira e conferir a colaboração de ilustradores – referências para pesquisa da literatura e do design gráfico na segundo metade do século XX”, conclui.

Massao Ohno, Editor é uma obra importante que dá luz e forma à trajetória desse importante editor do Brasil em seu tempo, assim como fornece elementos para análise de seus métodos de editoração, que foram inovadores no mercado editorial e que não podem ser esquecidos.

*Escritor, editor e produtor cultural. É fundador do site cultural Livre Opinião – Ideias em Debate. Em 2016, publicou o livro Somos mais Limpos pela Manhã (Selo Demônio Negro), finalista do Prêmio Jabuti

Ao vires isto isto vires ao vires isto

Katherine Funke*

Páginas mágicas, máginas págicas são o que se poderia esperar de um livro sobre Gertrude Stein, sim, Gertrude-rose-is-a-rose-is-a-rose-Stein, Gertrude-page-ages-Stein. Ainda mais um livro chamado Ao vires isto, título que (para olhos e ouvidos atentos), logo se espelha, multiplicado, em “isto vires, ao vires isto”, porque é um livro sobre Gertrude Stein, aquela (de ouvidos e de olhos atentos) que percebeu que As you like it, título de uma das peças de Shakespeare, abria as possibilidades de sentido para muito mais do que um significado, muito mais do que uma só combinação de sentidos.

            Livro de ensaios com vários autores organizado por um trio de pesquisadores da obra da escritora norte-americana considerada a Mãe do Modernismo, Ao vires isto (2018, 216 páginas) traz logo no título o mesmo gesto de brincar com a linguagem que marcou toda a literatura de Gertrude, desde as peças teatrais para adultos, passando pelos seus livros mais famosos – e até pelo mais complexo de todos  (Stanzas in meditations) – até os livros para crianças.

            Mas, e se não se chamasse Ao vires isto, este volume de nove ensaios ainda teria o efeito de nos fazer virar isto, isto é, de nos fazer mergulhar na leitura, como consegue, magicamente? A pergunta é inspirada no que William Shakespeare escreveu no ato II, cena II de Romeu e Julieta, sobre o que aconteceria com o perfume da rosa caso ela tivesse outro nome. Cena que, aliás – e isto ficamos sabendo por Luci Collin, neste livro – inspirou Gertrude Stein não só em sua frase mais conhecida (“Rose is a rose is a rose is a rose”), como por toda sua trajetória.

            O ensaio de Luci Collin, por sua vez, possui um efeito de centralidade ou núcleo para os demais, que ao redor dele ganham sentido, como em uma espiral. Isto porque Collin faz um breve retrospecto das relações entre Stein e Shakespeare. Esse elenco de relações de influência não só esclarece características primordiais do estilo da Mãe do Modernismo, como nos permite tentar pensar como ela pensava, olhar para as palavras com o mesmo encantamento, a mesma vontade de brincar.

            Intitulado “Uma rosa re-encarnada – Stein traduzindo Shakespeare”, o artigo de Luci Collin atravessa algumas das reflexões deixadas pela própria Gertrude em relação ao escritor inglês. Se suas vidas aconteceram separadas por três séculos, por outro lado as obras se encontram em muitos aspectos. Como, por exemplo, pelo gesto de subverter a narração linear do tempo e promover procedimentos de aceleração/retenção das ações, por exemplo, recontando uma cena muitas vezes, sem avançar.

            Para Gertrude, esta foi a base da ideia de “presente contínuo”, que a motivava a escrever sempre no presente, sempre como se a ação nunca acabasse. A também poeta e escritora paranaense Luci Collin nos apresenta a esta e a outras influências de Shakespeare ao longo da obra da escritora. Coloca em pauta, assim, as fase de sua obra e os procedimentos mais consolidados de Gertrude, como a insistência (não a repetição), a intenção de presentificação em detrimento à descrição, entre outros.

            A quem se interessa propriamente pelos procedimentos literários de Gertrude, sugiro que se comece a leitura por este artigo, e não pelo escolhido pelos editores, que trata das relações entre as obras de Duchamp e Stein. E que logo na sequência, se houver interesse mais exatamente por situar a obra de Gertrude Stein em circulação no contexto brasileiro, pule logo para o texto de Dirce Waltrick do Amarante sobre o volume infantil traduzido por ela e por Collin.

            O artigo de Dirce descreve os problemas da tradução de To Do: A Book of Alphabets and Birthays e que, gentilmente, traz a riqueza de transcrever de modo bilíngue aquilo de que fala. De lá, quem seguir o mesmo trajeto de interesses poderá querer partir para o artigo de Augusto de Campos posicionado ao final do volume, “Gertrude Stein e a melodia de timbres”. Ambos nos fazem ver e ouvir com mais nitidez algumas das badaladas dos sinos aludidas por Luci Collin, badaladas de quem já se meteu a traduzir uma das mais difíceis das modernistas.

            Com um total de nove artigos, o volume lança luzes sobre uma obra vasta, volumosa, que ainda não foi compreendida e nem mesmo completamente traduzida para o nosso português. É surpreendente, aliás, que existam nove consistentes e heterogêneos artigos como estes, convivendo no mesmo espaço-tempo de um livro, orbitando juntos como se fossem nove planetas ao redor do Sol.

Dois pares em branco

            A força de Ao vires isto é que nos faz lembrar de que (ainda) existe uma Gertrude Stein e que ela é, na verdade, muitas: não a portadora orgulhosa de uma máscara fixa, mas a caçadora das muitas possibilidades que exerceu em várias linguagens literárias. Quem tem medo de Gertrude é porque ainda não foi apresentado a alguns de seus achados mais belos, reunidos aqui neste livro por 18 mãos altamente qualificadas.

            Destaco ainda que o volume, embora sóbrio, foi editado de modo cuidadoso, em tipografia grande que promove uma leitura fluida e com as devidas referências bibliográficas apresentadas ao modo da pesquisa acadêmica. Dois pares de páginas estão em branco, como que para possibilitar anotações. Tudo isso deixa ressoando a ideia de que este não é um livro que, ao ser lido, se acabe em si mesmo. O que ele coloca em movimento, ao ser lido, não é só o que deixa ver, mas uma imensa energia em forma de sons e de sentidos. A edição traduz assim, para o próprio objeto livro, a ideia de presente contínuo da obra de Stein. Ela continua pulsando e se renovando, a cada vez que a estudamos. Ela continua, ao vires isto – esta resenha e, claro, o próprio livro.

*Katherine Funke é doutoranda e mestra em Literatura pela UFSC.

Federico Fellini, 100 anos

Em 20 de janeiro de 2020, o genial cineasta italiano Federico Fellini faria 100 anos. Artista de circo na infância, foi quadrinista, caricaturista e redator de revista. Mas foi no cinema que encontrou o caminho para expressar sua arte e arrebatar público e crítica com  seu cinema autoral. Tanto assim que virou adjetivo. Felliniano é um personagem (ou uma situação) inusitado, que carrega consigo uma estética ao mesmo tempo barroca.

Estreia no cinema em 1945, como roteirista de “Roma, Cidade Aberta”. A reflexão que Fellini propunha em suas obras é bastante densa e mostra o ser humano em toda sua fragilidade, mesmo quando o retrata no cotidiano mais prosaico: tudo parece ter uma atmosfera onírica.  

Seus primeiros filmes têm uma inspiração neorrealista, carregados de emoção, o que faz com que nós, espectadores, nos identifiquemos com eles. Em filmes como “Ginger e Fred” (1986), o desencanto toma conta do olhar, muitas vezes em narrativas de tom confessional. “A Doce Vida” (1960) imortalizou em nossas retinas uma das cenas mais icônicas do cinema, quando Anita Ekberg banha-se na Fontana Di Trevi ao lado de Marcello Mastroianni: desejo, hedonismo e lirismo andam juntos durante o passeio pela madrugada de Roma. Seu filme seguinte, “Oito e Meio” (1963), é uma profunda reflexão autobiográfica, com um lirismo quase inatingível e, ao mesmo tempo, cheio de humor.

Ao longo de sua obra, a narrativa deixa de ocupar um lugar central na obra do italiano – e é a beleza estética que assume o protagonismo. Ele dizia que a vida real não o interessava. “A fantasia é a zona erógena mais importante”, provocava. E criava cenas oníricas e líricas enquanto a Segunda Guerra ainda era uma ferida aberta na Itália dos anos 1950.

Seu último filme, “A Voz da Lua”, foi inspirado em O Poema Dos Lunáticos,  obra mais famosa do escritor italiano Ermanno Cavazzoni que é, na verdade, um romance. O clima de surrealismo retrata Ivo Salvini, um louco recém-saído de um hospício. Salvinio é interpretado por Roberto Begnini, que traz ao público o deslumbramento da novidade e a inocência ingênua do olhar de quem vê pela primeira vez o mundo (como nós o vemos diariamente). Talvez por isso, por onde passa, ele conquista a simpatia das pessoas. “A Voz da Lua” é uma grande alegoria, repleta de lirismo e sonho.

Em 1993, recebe o Oscar pelo conjunto da obra e, logo após celebrar 50 anos de casado com a atriz (e musa) Giulietta Masina, morre, aos 73 anos, em decorrência de um ataque cardíaco, deixando como legado uma das mais importantes obras cinematográficas da história.  

“Leituras Imediatas”, por Aurora Bernardini*

O livro  póstumo de Jerusa Pires Ferreira ( 1938-2019) , Leituras Imediatas (Ateliê, 2019) é o último mergulho no “Grande Texto” ao qual dedicou a maior parte de seus anos, O Cordel: Tradição e Vida.

É o “Grande painel da literatura popular em verso” que ela percorreu desde as projeções medievais do clássico Cavalaria em cordel ( sua dissertação de Mestrado – Hucitec, 1979- Edusp, 2016), até as periferias de cidades como a São Paulo, Cultura das bordas ( Ateliê, 2010), passando pelo misticismo de O livro de São Cipriano –  Uma legenda das massas ( sua tese de Livre docência – Perspectiva, 1992),  pelos Contos Russos no Sertão (Matrizes impressas do Oral- Ateliê, 2014) e etc.,  chegando a essas Leituras Imediatas ( Ateliê, 2019), que acaba de ser publicado.

Afora alguns folhetos  de cordel sobre as guerras contemporâneas, como a das Malvinas (1980) e do Golfo (1990) e outros, mais recentes,  – prova de sua atualidade — o que o livro de Jerusa acompanha é  a grande deslocação que há hoje no que se refere à recepção e à fatura desses folhetos. Os custos de produção, mesmo em edições de pequeno fôlego, as dificuldades de encontrar patrocinadores, mesmo garantindo-lhes a propaganda, leva muitos de seus autores a produzirem  para “turistas de cultura” ou sob encomenda, onde porém, com sua manobra “ arcaizante” , em vários níveis, conservam seu caráter de  oposição à literatura oficial, de contestação de valores sociais, mas não contra a lei do país.

No Programa Geral apresentado em Salvador pelo jornal Trovador, durante o II Congresso Nacional de trovadores e violeiros (1960), por exemplo, nota-se que ocorre, segundo Jerusa, o seguinte: “…mascara-se o habitual, sublima-se e tenta-se conseguir, através de um modelo de ordem hierárquica, a aprovação para uma espécie de ‘ impunidade’[…] pulsam-se anseios, problemas, posturas e expectativas de grupos sociais que não tem sido inscritos na ‘História da Cultura Brasileira’ a não ser como ‘ Folklore’.”

Infelizmente, diz Jerusa, esse termo foi assumindo a acepção corrente (norte-americana) de “cultura de massa”. Entretanto, diz Alejo Carpentier, citado por ela (p.101): “ Folclore – na América Latina, é uma palavra que deve ser pronunciada com um tom grave e fervoroso […] é preciso retornar às fontes do folclore” .

Ela mesma apresenta, nesse sentido, sua primeira conclusão:

“Tendo recolhido, recentemente, muito material para sistematizar, percebi o quanto está por fazer. Os trabalhos de mapear, recolher, registrar os produtores dessa literatura em todo o país, daquela tradicional, da efetiva nova e da circunstancial, de modo crítico e com o recurso de várias disciplinas, o convívio profundo com o tema, o conhecimento de uma retórica e de uma linguagem próprias deverá anteceder, a meu ver, os diagnósticos apressados que transformaram os estudos das chamadas culturas populares numa festa de enganos. E justamente toda uma produção oral/impressa popular, que é  uma das mais importantes e intensas manifestações culturais do Brasil, constituindo-se também em documento para a construção  de nossa condizente História Social “ (p.84)

Sua segunda conclusão já penetra tout court nos domínios do artístico. Dentro e fora da “arte popular” há alguns cordelistas que por seu estilo, por sua originalidade, por sua “ força de dizer” – por sua poética , enfim — , há tempo deveriam estar incluídos na História da Literatura Brasileira. Jerusa cita  vários, entre os  quais se destaca, indiscutivelmente, o paraibano Leandro Gomes de Barros ( 1865 -1918), segundo o próprio  Carlos Drummond de Andrade:  “o rei da poesia do sertão e do Brasil”.” Não seria a hora “ – diz Jerusa ( e dizemos nós, perpetuando sua memória) – “ de estudiosos, universitários, autores de Histórias da Literatura Brasileira, incluírem, em seus repertórios, um poeta dessa grandeza?”

* Escritora, pintora, tradutora. Possui doutorado em Letras (USP) e é professora titular da Universidade de São Paulo (USP). Departamento de Letras Orientais (DLO), Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), Universidade São Paulo (USP).