Escritor Rosário Fusco ainda não é compreendido apesar de seu centenário

O centenário do nascimento de Rosário Fusco se aproxima e os brasileiros ainda não o assimilaram. O absurdo do mundo, caos, personagens extravagantes e desajustados, contradições, marginalidade e surrealismo são marcas deste grande ficcionista do Modernismo, camuflado pelo realismo de sua época. Em entrevista à Folha, seu filho François revela que Rosário Fusco já dizia que seria entendido apenas décadas depois de morrer.

Aos 17 anos Rosário Fusco iniciou um trabalho influenciado pelo movimento modernista de 22, a Revista Verde. A revista foi editada em Cataguases de 1927 a 1929 e teve colaboração de Mário de Andrade, Murilo Mendes e Carlos Drummond de Andrade. Nesta época, Fusco trabalhou ao lado de Ascânio Lopes, Camilo Soares, Christophoro Fonte-Boa, Francisco Inácio Peixoto, Guilhermino César, Martins Mendes, Oswaldo Abritta e Enrique de Resende.

Na década de 40, O Agressor, um de seus principais romances, foi publicado e teve mais tarde os direitos de filmagem adquiridos pelo cineasta Orson Welles, que os adquiriu após ler a obra traduzida no italiano. Apesar do cineasta ter cogitado levar o personagem paranoico de O Agressor às telas do cinema, a ideia nunca foi concretizada. O romance foi reeditado recentemente pelo selo Bluhm.

Em 2003 a Ateliê Editorial publicou uma obra inédita deixada por Rosário Fusco: a.s.a. ? associação dos solitários anônimos. O crítico Fábio Lucas a descreve como “uma narrativa de veloz andamento, polifacetada, palmilhada de contradições, a explorar um recanto especial do cenário brasileiro: a marginalidade acumulada ao longo do cais. Um poliedro de inspiração suprarreal”.

Fusco nasceu em São Geraldo, mas se mudou com sua família para Cataguases ainda bebê. Em 1932 ele se mudou para o Rio de Janeiro, onde trabalhou como jornalista e permaneceu até os anos 60. Depois dos seus 50 anos de idade, retornou para Cataguases, onde viveu seus últimos anos, falecendo no dia 17 de agosto de 1977.

O crítico Sábato Magaldi considera Fusco como um dos maiores escritores do século vinte. O escritor Antonio Olindo o chama de “nosso Kafka” e lamenta que Fusco não tenha ganho ainda um reconhecimento entre os mestres da literatura brasileira.

Promoção Centenário de Rosário Fusco: 25% de desconto

Fotos do lançamento de Distopia no Bar Balcão

O evento de lançamento do livro Distopia, de Hélio Franchini Neto (à direita na primeira foto), aconteceu no Bar Balcão, em São Paulo-SP, no dia 19 de julho de 2010. Estavam presentes no evento o editor Plínio Martins (à direita na segunda foto) e os convidados do autor.

Fotos por Aline Sato

Jornal A Tarde entrevista tradutor da obra do poeta Shelley

Tradutor, junto com Alberto Marsicano, de Sementes aladas – Antologia poética de Percy Bysshe Shelley, John Milton nasceu em Birmingham, Inglaterra, e é professor associado de Língua Inglesa e Literaturas de Língua Inglesa da Universidade de São Paulo. É autor dos livros O poder da tradução (reeditado como Tradução: teoria e prática), O clube do livro e a tradução e Imagens de um mundo trêmulo, livro de viagens sobre o Japão. Milton também verteu para o inglês várias obras da literatura brasileira. Com Alberto Marsicano, traduziu também os livros Keats – Nas invisíveis asas da poesia e Wordsworth – O olho imóvel pela força da harmonia, pela Ateliê Editorial. Ele e Marsicano já trabalham na tradução de obras de Lord Byron.

Qual a importância da poesia de Percy Shelley no contexto do romantismo inglês?

Shelley é um dos poetas líricos mais importantes da literatura inglesa; ele cristalizou vários dos temas de Wordsworth, Coleridge e Keats: a importância da natureza; a liberdade do espírito; e a força da Imaginação. E a isso acrescentou radicalismo e militância políticos.

Qual o impacto de seus poemas na época em que ele viveu?

Relativamente pouco. Shelley teve muito mais influência nas gerações subsequentes, a partir da metade do século 19. Foi admirado por poetas vitorianos, como Robert Browning, Alfred Lord Tennyson, Dante Gabriel Rossetti, Algernon Charles Swinburne, e poetas posteriores, como Henry David Thoreau, William Butler Yeats e Edna St. Vincent Millay. Mais recentemente, sua poesia tem sido elogiada pelo crítico norte-americano Harold Bloom.