Notícias

Desconto para professores: quem constrói a educação no Brasil merece esse benefício!

A Ateliê Editorial acredita que educação e cultura são fundamentais para construir a base de um país melhor. Por isso, temos uma política de dar descontos a todos os professores que se cadastrarem em nosso site. Tanto que temos uma página exclusiva para os professores!

Para aproveitar o desconto de 50% nos preços dos nossos títulos, basta preencher o cadastro de professor.

O procedimento é muito simples. Primeiro, cadastre-se no link https://www.atelie.com.br/minha-conta/ com seus dados pessoais

Depois, vá ao link https://www.atelie.com.br/pagina-do-professor/cadastro-do-professor/ e preencha os dados da instituição em que leciona.

Envie-nos também seu último comprovante de pagamento (hollerite) para o e-mail professor@atelie.com.br ou passe por fax: (11) 4702-5915.

Pronto! Você já pode aproveitar os descontos de 50% a que o professor tem direito em todos os títulos da Ateliê!

as informações completas para o procedimento estão na página: https://www.atelie.com.br/pagina-do-professor/

 

“Dez Mitos Sobre os Judeus” na Espanha

Pablo Villarrubia Mauso*

No último dia 8 de fevereiro a Casa Sefarad-Israel, em pleno centro de Madri, acolheu a apresentação do livro Diez mitos sobre los judíos (traduzido para o espanhol  por Carol Colffield da versão  em português publicada pelo Ateliê Editorial-2014), de autoria da professora Maria Luiza Tucci Carneiro. Editada pela prestigiosa editora Cátedra (Grupo Anaya, Madri) dirigida por Raúl García Bravo, a obra chega agora às mãos dos leitores da Espanha com muita expectativa, pois a autora já é bem conhecida nos meios acadêmicos do país.

O prefácio do livro foi escrito por Xosé Manoel Nuñez Seixas, historiador e catedrático de História Contemporânea da Universidade de Santiago de Compostela (Galícia) e, desde 2012, da Universidad de Munich: “O livro é uma jóia….a autora encontra uma explicação para um aparente paradoxo, o da grande versatilidade ideológica dos mitos anti-judeus, particularmente sua capacidade para impregnar diferentes cosmovisões e ideologias política, tanto da extrema direita como da extrema esquerda”.

Participaram da apresentação do livro de Tucci Carneiro: o editor Raúl Garcia Bravo, o escritor e periodista Pablo Villarrubia e Uriel Macías, escritor e porta-voz da Embaixada de Israel na Espanha. Foto: Boris Kossoy

Antes da palestra, o editor Raúl Garcia Bravo enfatizou a atualidade do tema considerando as atuais manifestações de antissemitismo e questões relativas à intolerância presentes na Europa de hoje. O escritor Uriel Macías, especialista em bibliografia judaica e porta-voz da Embaixada de Israel na Espanha, analisou os mitos que, amplamente, têm sido endossados pela sociedade espanhola em relação aos judeus, dentre os quais o do deicísmo. Enfatizou que a persistência destes mitos geraram uma série de expressões que estão presentes no dia a dia, na linguagem. E exemplificou:

Há muitas pessoas que ainda dizem “esto es una judiada”, ou seja, uma atitude ruim ou perversa, ou ainda, expressões do tipo “qué judio!”, algo assim como “que pessoa danada!”.  Isto está arraigado em nossa sociedade – afirmou Macías.

A professora Tucci Carneiro mostrou, em projeção, várias imagens de obras de arte, cartazes, capas de livros e panfletos. Nelas foi apontando elementos pictográficos e simbólicos que revelam aspectos da manipulação das ideias e dos conceitos sobre o povo judeu ao longo de vários séculos. Também apresentou imagens recentes que têm circulado em sites e periódicos, nacionais e estrangeiros, que reproduzem os mesmos mitos valendo-se do humor sádico e de informações deturpadas.

Uma das imagens apresentadas por Tucci Carneiro
exemplificando a atualização do mito: pôster que circulou na Espanha por ocasião da visita de Obama. A imagem refere-se ao filme L’ Oligarquie et le Sionisme, de Béatrice Pignède, 2013.

O mito é uma construção que se organiza através de uma sucessão de imagens que, de forma dinâmica, tem o objetivo de reordenar o mundo ou alguma sociedade em especial. Se o imaginário coletivo da população for rico em imagens metafóricas, será muito mais fácil creditá-lo como verdade. Geralmente os indivíduos mal informados, com algum desequilíbrio mental ou desencantados com a sua posição socioeconômica, tornam-se alvos fáceis dos mitos racistas. São pessoas que se tornam, facilmente, receptivas às teorias conspiratórias e genocidas – observou a historiadora Tucci Carneiro.

A Casa Sefarad-Israel ( http://www.casasefarad-israel.es/) engloba vários institutos, entre eles o de Cultura Judia, o de Holocausto e AntiSemitismo, de Estudos Israelenses e o de Estudos Sefaraditas-Erensya. Portanto, o espaço ideal para a apresentação de Diez mitos sobre los judíos onde compareceram pouco menos de uma centena de pessoas não só do âmbito da instituição como um público amplo. Entre os presentes se encontrava o antropólogo galego José Luis Cardero, que realiza um importante trabalho sobre o estudo sobre simbologia nazista e sua implicação no apoio à política de extermínio dos judeus antes e durante a Segunda Guerra Mundial; a professora doutora Elda Gonzalez, pesquisa do CSIC – Centro Superior de Investigações Sociais (Governo de Espanha); Esteban González Lopez, professor da Faculdade de Medicina da Universidade Autônoma de Madrid e  ex-becário do Yad Vashem; Rosa Rios Cortez, estudiosa do Holocausto também graduada pelo Yad Vashem; Diego Moldes González, escritor espanhol, ensaísta, critico e historiador de cine, dentre outros.

As pesquisas de Tucci Carneiro demonstram claramente, como a imagem vale mais que mil palavras e acabam arrastando, ao público a uma tergiversação da realidade. Confirma que tais imagens geram estereótipos que, por sua vez, incorporam mitos criados para perseguir e estigmatizar o povo judeu – explica Tucci. Segmentos destas pesquisas podem ser consultados no site www.arqshoah.com, hoje com reconhecimento internacional. Exemplares do livro Diez Mitos sobre los Judios, nas versões em espanhol e português podem ser adquiridos on-line.

*Jornalista e escritor, de Madri.

O Ateneu ganha nova edição da Ateliê Editorial

Clássico do século XIX, que mistura diversos estilos, estava esgotado

Lançada em 1888, O Ateneu é conhecido como uma obra que carrega em si características de diversas manifestações artísticas, que se evidenciam no romance de dimensão autobiográfica do autor, Raul Pompeia. Para Emília Amaral, professora de Literatura e Doutora pela Unicamp, como toda grande obra, o livro continua desafiando os leitores. “Ele (Raul Pompeia) combinou de maneira brilhante estilos díspares e até então impensáveis numa mesma obra: o realismo, o naturalismo, o simbolismo, o parnasianismo”, explica Emília, que assina a apresentação e as notas da obra, nas quais procura desvendar alguns de seus elementos fundamentais.

Além disso, O Ateneu apresenta caricaturas e ilustrações desenhadas pelo próprio autor, algumas das quais não utilizadas pelos editores na publicação original.

Parte da Coleção Clássicos Ateliê, a obra tem como pano de fundo o drama da solidão, o desajuste do indivíduo num ambiente que lhe é hostil. “Como se trata de um romance de formação, ele interessa muito, ao mostrar a passagem da adolescência para a vida adulta e assim trazer muitas questões existenciais pertinentes como objetos de reflexão”, afirma Emília.

 

Conheça a Coleção Clássicos Ateliê

Idealizada pelo professor Ivan Teixeira, a coleção nasceu em 1996. A ideia é apresentar ao vestibulando obras clássicas da literatura brasileira e portuguesa, com um estudo introdutório que facilite o entendimento sobre a época em que foram criadas, seus personagens e o contexto sociocultural.

As obras são sempre ilustradas, apresentam pesquisa iconográfica e a introdução e as notas são escritas por professores de renomadas instituições de ensino. Os textos, sempre na íntegra, buscam respeitar aquilo que seus autores desejaram, utilizando-se de primeiras edições, ou de edições revisadas por cada autor como texto-base.

A Coleção Clássicos Ateliê já tem 30 títulos e está sob a coordenação do professor José de Paula Ramos Jr., da ECA-USP.

 

Serviço

O Ateneu

Formato: 12 x 18 cm

Número de páginas: 335

ISBN: ISBN 978-85-7480-756-0

Preço: R$ 34,50

 

Sobre a Ateliê Editorial

A Ateliê Editorial está no mercado desde 1995, atuando principalmente nos segmentos de literatura – ensaios, crítica literária e outras matérias de natureza acadêmica; comunicação e artes; arquitetura; edição de clássicos da literatura; e estudos sobre o livro e seu universo. O objetivo desta casa é levar ao público leitor livros de alta qualidade editorial, em edições cuidadosas que primam pela atenção ao conteúdo, à forma e à expressão. Isso transparece tanto nas capas quanto no rigor e fidelidade textual, o que pode ser comprovado pelos diversos prêmios nacionais e internacionais já recebidos pela editora – como Jabuti, APCA e IDA International Design Awards (EUA).

Site: www.atelie.com.br

Blog: http://blog.atelie.com.br/

Twitter: @atelieeditorial

Facebook: https://pt-br.facebook.com/atelieeditorial

 

Contatos para Imprensa:

Milena O. Cruz

imprensa@rda.jor.br

Tel: (11) 4402-3183/(11) 98384-3500

 

 

 

 

 

Obras da Ateliê fazem parte de novo comercial da Renault

Livros foram usados na decoração do cenário. Comercial será veiculado no exterior

A Ateliê Editorial teve alguns dos livros que edita usados na composição de cenário de uma nova propaganda da Renault, uma das mais importantes montadoras de carros francesa. Silvia Cunha, que decorou o cenário durante a produção do comercial, afirma que procurou a Ateliê porque a editora possui livros interessantes, que se encaixavam bem no perfil que ela buscava. “Utilizei os livros para ambientar a casa de uma das personagens, jovem e moderna”, diz.

Além de Clichês Brasileiros (foto), foram usados exemplares de publicações como  O Design do Livro,  A Forma do Livro – Ensaios sobre Tipografia e Estética do Livro, Os Manuais de Desenho da Escrita, Capas de Santa Rosa (vencedor do Prêmio Jabuti 2016 na categoria Projeto Gráfico) e Produção Gráfica para Designers (tradução da obra Production for Print, referência quando o assunto é produção e design). Todos possuem projetos gráficos primorosos e estão à venda no site da editora.

Não é a primeira vez que a Ateliê é escolhida para compor ambientes. Reconhecida pelo cuidado estético e editorial de suas obras, a marca já havia sido convidada pela Cerâmica Portinari – uma das maiores empresas de revestimento cerâmico do Brasil – a colocar alguns de seus títulos em uma estante que fazia parte do estande da marca na Expo Revestir 2016.

Sobre a Ateliê Editorial

A Ateliê Editorial está no mercado desde 1995, atuando principalmente nos segmentos de literatura – ensaios, crítica literária e outras matérias de natureza acadêmica; comunicação e artes; arquitetura; edição de clássicos da literatura; e estudos sobre o livro e seu universo. O objetivo desta casa é levar ao público leitor livros de alta qualidade editorial, em edições cuidadosas que primam pela atenção ao conteúdo, à forma e à expressão. Isso transparece tanto nas capas quanto no rigor e fidelidade textual, o que pode ser comprovado pelos diversos prêmios nacionais e internacionais já recebidos pela editora – como Jabuti, APCA e IDA International Design Awards (EUA).

Site: www.atelie.com.br

Blog: blog.atelie.com.br 

Twitter: @atelieeditorial

Facebook: https://pt-br.facebook.com/atelieeditorial

 

Contatos para Imprensa:

Milena O. Cruz

imprensa@rda.jor.br

Tel: (11) 4402-3183/(11) 98384-3500

Ateliê lança Introdução ao Estudo de Fernando Pessoa, escrita por Fernando Cabral Martins

Obra de um dos mais importantes críticos pessoanos é excelente roteiro para o entendimento do poeta português

Além de todo o trabalho conhecido de Fernando Pessoa, o autor deixou ainda um conjunto de textos inéditos. Segundo Fernando Cabral Martins, nos últimos anos foi considerável o avanço na publicação desse material, bem como no conhecimento dos vários aspectos de uma obra muito vasta. Por isso, em Introdução ao Estudo de Fernando Pessoa ele buscou apresentar uma visão geral da escrita e da atividade pública do maior poeta português moderno, cujos documentos originais foram encontrados em 1935, ano de sua morte, em 91 envelopes arquivados numa célebre arca – a que se acrescentavam outros cinquenta guardados numa mala e em um armário.

“Se a obra poética de Pessoa pode ser hoje comparada a um sistema galático, composto de diversas constelações relacionadas aos seus escritos e escolhas estéticas, podemos então afirmar que a presente introdução serve como um verdadeiro mapa celeste”, diz o poeta e crítico Fernando Paixão na orelha da obra.

Introdução ao Estudo de Fernando Pessoa constitui um excelente roteiro para o entendimento de um dos poetas mais importantes da língua portuguesa. A vida e a obra do autor são apresentadas de maneira integrada, em torno dos temas centrais de sua trajetória, tais como:  a linguagem modernista, a criação dos heterônimos, as ideias políticas e estéticas e os diferentes projetos literários. Ao mesmo tempo em que  oferece, por exemplo, uma leitura nova do intrincado poema cujo fac-símile vem reproduzido no prefácio, Fernando Martins explica que após 75 anos de edições de inéditos, pode dizer-se que pelo menos a poesia de Fernando Pessoa está praticamente toda publicada. Por isso, “o livro tem antes a intenção de apresentar uma panorâmica de Pessoa tal como se conhece hoje”, diz. “Meu objetivo foi propor uma descrição e um comentário coerentes e, tanto quanto possível, completos da obra de Pessoa, à luz das mais recentes publicações, e fazê-lo procurando manter uma exigência de clareza e simplicidade”, completa. Assim, o autor acredita que a obra pode interessar tanto a leitores iniciantes quanto aos antigos conhecedores da obra de Fernando Pessoa.

Fernando Cabral Martins é um crítico de referência nos estudos pessoanos e dedica-se ao autor há mais de duas décadas. No trabalho de pesquisa de Introdução ao Estudo de Fernando Pessoa ele recorreu tanto ao espólio de Pessoa disponibilizado pela Biblioteca Nacional de Portugal, quanto à biblioteca do autor, que foi digitalizada e hoje pode ser consultada online no site da Casa Fernando Pessoa. Começou a estudar o poeta modernista no início dos anos 1990 e, desde então, sempre esteve envolvido com o acervo do autor, de quem organizou muitas edições para a editora lusitana Assírio &Alvim. Coordenou também um dicionário temático sobre Fernando Pessoa e o modernismo português, obra de referência nos estudos pessoanos. Fernando Cabral Martins também foi um dos organizadores de Poesia é Criação – Uma Antologia, obra da Ateliê que trata de um dos mais importantes artistas portugueses do século XX: Almada Negreiros.

 

Serviço

Introdução ao Estudo de Fernando Pessoa

Formato: 14 x 21cm

Número de páginas: 264

ISBN:978-85-7480-753-9

Preço: R$ 42,00

 

Sobre a Ateliê Editorial

A Ateliê Editorial está no mercado desde 1995, atuando principalmente nos segmentos de literatura – ensaios, crítica literária e outras matérias de natureza acadêmica; comunicação e artes; arquitetura; edição de clássicos da literatura; e estudos sobre o livro e seu universo. O objetivo desta casa é levar ao público leitor livros de alta qualidade editorial, em edições cuidadosas que primam pela atenção ao conteúdo, à forma e à expressão. Isso transparece tanto nas capas quanto no rigor e fidelidade textual, o que pode ser comprovado pelos diversos prêmios nacionais e internacionais já recebidos pela editora – como Jabuti, APCA e IDA International Design Awards (EUA).

Site: www.atelie.com.br

Blog: http://blog.atelie.com.br/

Twitter: @atelieeditorial

Facebook: https://pt-br.facebook.com/atelieeditorial

 

Contatos para Imprensa:

Milena O. Cruz

imprensa@rda.jor.br

Tel: (11) 4402-3183/(11) 98384-3500

 

 

XV Concurso “Fritz Teixeira de Salles” de Poesia recebe inscrições até 31/01/17

O XV Concurso “Fritz Teixeira de Salles” de Poesia, organizado pela Fundação Cultural Pascoal Andreta, tem inscrições abertas (e gratuitas) até o último dia de janeiro. Cada autor poderá concorrer com até dois poemas de tema livre, inéditos, e em língua portuguesa.Os melhores receberão premiação em dinheiro e terão seus textos publicados.

Mais informações: http://fundacaopascoalandreta.com.br/CONCURSO-DE-POESIA.php

Ilustração do site da instituição que promove o concurso

Prêmio Jabuti divulga livros finalistas de 2016

A Câmara Brasileira do Livro – CBL – acaba de divulgar a lista dos livros finalistas à 58ª edição do Prêmio Jabuti. Foram mais de 2400 inscritos nas 27 categorias que o Prêmio Jabuti contempla, e três títulos da Ateliê Editorial conseguiram indicação.

CapasNa categoria “Projeto Gráfico” foi indicado Capas de Santa Rosa, uma coedição com as Edições SESC SP. O livro reúne cerca de 300 capas do paraibano Tomás Santa Rosa, até então dispersas em sebos, coleções particulares e bibliotecas, e que servem como fonte de pesquisa para futuros trabalhos sobre a história do livro e das artes visuais. O autor Luís Bueno levou dez anos para realizar o trabalho. Por meio desta obra, o leitor pode acompanhar a transição das capas predominantemente tipográficas para as ilustradas, bem como compreender o aprimoramento crescente do campo editorial.

 

Antologia da Poesia Erótica BrasileiraNa categoria “Poesia”, foram duas indicações. A Antologia da Poesia Erótica Brasileira, organizada por Eliane Robert Moraes, foi lançada durante a 13ª FLIP. Com desenhos de Arthur Luiz Piza, a obra, de mais de 500 páginas, é resultado de uma extensa pesquisa iniciada em 2005. São cerca de 350 poemas escritos nos últimos quatro séculos por autores brasileiros conhecidos do grande público – Gregório de Matos, Gonçalves Dias, Carlos Drummond de Andrade, Ana Cristina César, Hilda Hilst, Roberto Piva e Arnaldo Antunes, entre outros. A obra também reúne textos de escritores menos conhecidos, como Francisco Moniz Barreto, Múcio Teixeira e Moysés Seyson e poemas anônimos.

 

viagem-deserto

 

Viagem a um Deserto Interior, de Leila Guenther, também é finalista na categoria “Poesia”. Reunindo poemas e haicais, o livro surgiu de um desejo da autora, até então com vasta experiência em prosa, mais especificamente com os contos, de experimentar outro gênero. “O livro coincide com uma fase de transformação profunda em minha vida, que me fez sentir mais livre para escrever”, afirma Leila.

 

 

 

Os vencedores do Prêmio Jabuti deste ano serão conhecidos no dia 11 de novembro. A cerimônia de entrega do Jabuti acontecerá dia 24 de novembro, no Auditório Ibirapuera. Para conhecer a lista completa de finalistas, acesse http://premiojabuti.com.br/finalistas-jabuti-2016/

Antologia Fantástica da Literatura Antiga compila textos que misturam sonho com realidade

Durante anos Marcelo Cid garimpou trechos de textos antigos que têm características do fantástico, mesmo antes do gênero existir

antologiaÉ na infância, com a leitura dos contos de fadas ou de mitos, que geralmente começa o nosso fascínio pela literatura fantástica, diz Marcelo Cid, diplomata, escritor e organizador da obra Antologia Fantástica da Literatura Antiga. O livro contempla trechos relativamente curtos que podem ser entendidos como literatura fantástica – um gênero que só passa a ter esse nome no século XX, mas é encontrado ao longo de narrativas históricas ou poéticas, ou mesmo em obras filosóficas de séculos passados.

A Antologia reúne trechos de obras que vão do século 7 a.C ao 5 d.C, escritos por nomes como Platão, Virgílio, Horácio, Ovídio e Tales de Mileto. Por outro lado, Marcelo Cid procurou sair da lista de autores antigos mais conhecidos e muitos nomes não são comuns a grande parte dos leitores, como Jâmblico, Aulo Gélio e Artemidoro.

Cid explica que no fantástico quase sempre haverá algum elemento estranho, algum desconforto — mais ou menos leve — em nossas crenças, em nossas expectativas. Uma mistura de sonho com realidade. “O fantástico em literatura tem certa dose de pathos, ausente no maravilhoso. Remete ao insólito, ao onírico, ao inconsistente, e funciona especialmente bem quando o autor diminui o estranhamento do que narra, aumentando sua credibilidade ou sua conexão emocional com o leitor, por meio de artifícios que este logo aprende a reconhecer”, afirma. No entanto, ele acredita que o leitor não dispõe de tempo para a caça dessas miniaturas, escondidas em livros que nem sempre são de fácil acesso. Durante anos, portanto, se dedicou a marcar os trechos do gênero fantástico que encontrava durante suas leituras de Literatura Antiga, com o objetivo de reuni-los em uma Antologia. “Mesmo com toda a tecnologia, com a facilidade das comunicações, ainda queremos ler o que não podemos ver, queremos uma história à beira da fogueira, sobre deuses e monstros e coisas mágicas”, conclui.

Veja um dos trechos que fazem parte da obra:

 OUTROS EXPERIMENTOS DO REI PSAMÉTICO

 […Clearco] relata que o rei egípcio Psamético criou escravos que só comiam peixe, porque ele queria [que esses escravos navegassem sempre rio acima para] descobrir as fontes do Nilo. Ele também tentou treinar escravos para que nunca bebessem água, para assim melhor explorarem o deserto da Líbia. Somente uns poucos sobreviveram. ATENEU DE NÁUCRATIS, O BANQUETE DOS SÁBIOS, VIII, 35.

Serviço

Antologia Fantástica da Literatura Antiga

Organizador: Marcelo Cid

Formato:  17 x 24,5 cm

Número de páginas: 264

ISBN: 978-85-7480-740-9

Preço: R$ 65,00

 

Sobre a Ateliê Editorial

A Ateliê Editorial está no mercado desde 1995, atuando principalmente nos segmentos de literatura – ensaios, crítica literária e outras matérias de natureza acadêmica; comunicação e artes; arquitetura; edição de clássicos da literatura; e estudos sobre o livro e seu universo. O objetivo desta casa é levar ao público leitor livros de alta qualidade editorial, em edições cuidadosas que primam pela atenção ao conteúdo, à forma e à expressão. Isso transparece tanto nas capas quanto no rigor e fidelidade textual, o que pode ser comprovado pelos diversos prêmios nacionais e internacionais já recebidos pela editora – como Jabuti, APCA e IDA International Design Awards (EUA).

Site: www.atelie.com.br

Blog: blog.atelie.com.br 

Twitter: @atelieeditorial

Facebook: https://pt-br.facebook.com/atelieeditorial

 

Contatos para Imprensa:

Milena O. Cruz

imprensa@rda.jor.br

Tel: (11) 4402-3183

Cel: (11) 98384-3500