Campanhas

O que fazer no frio? Ler!

O inverno chegou e, com ele, as famosas frentes frias e de ar polar, que invadem o Sul e Sudeste e mudam o clima tropical do país. Até mesmo regiões mais quentes experimentam temperaturas um pouco mais amenas. Torna-se comum ouvir que alguém tem “preguiça de sair da cama” por causa do frio. As pessoas passam mais tempo em casa, aquecidas, tentando fugir de ambientes externos. Para muitos, esse é o clima perfeito para ler.

Um bom café ou chá quente, um bolo caseiro, um cobertor aconchegante e um livro na mão. Há quem diga que essa é a verdadeira fórmula da felicidade. E, justamente pensando nessas pessoas que a Ateliê Editorial criou a campanha “Aqueça seu inverno com a companhia de um bom livro”.

São mais de 40 títulos em promoção, com descontos e frete grátis para os estados da região sudeste (nas compras acima de R$ 80,00). Tem de tudo: poesia, romance, estudos acadêmicos e música. Confira algumas sugestões:

 

A.S.A. – Associação dos Solitários Anônimos

Dono de um temperamento polêmico, Rosário Fusco (1910-1976) viveu a literatura de maneira intensa e apaixonada. Deixou várias obras inéditas, dentre as quais este a.s.a., um romance ousado e divertido, cheio de sarcasmo. Para o crítico Fábio Lucas, que assina o posfácio, trata-se de “uma narrativa de veloz andamento, polifacetada, palmilhada de contradições, a explorar um recanto especial do cenário brasileiro: a marginalidade acumulada ao longo do cais. Um poliedro de inspiração suprarreal”.

 

 

Contos do Divã

O que há de literatura numa sessão de psicanálise? Entre quatro paredes, dois sujeitos enfrentam palavras e silêncios, revelações e resistências, tramas de desejo, sofrimento e angústia. São histórias assim que a psicanalista Sylvia Loeb relata em Contos do Divã. No sentido inverso dos textos técnicos, a autora optou pela ficção como forma de capturar o assombro e os impasses que pontuam esse encontro. A partir da relação entre analista e analisando, ela faz uma literatura das paixões humanas.

 

Feito Eu

Ao abrir as portas da memória autobiográfica, a escritora Elisa Nazarian resgata o mais íntimo que existe em todos nós: o campo dos afetos. Sem rodeios nem melodramas, ela nos conduz delicadamente a esse universo tão particular quanto universal, sem o qual não nos saberíamos humanos. Em Feito Eu, Elisa trata dos momentos cotidianos, às vezes perturbadores, e explora o amor no que ele tem de mais visceral e doloroso. Seu verso, límpido e pungente, consegue ser confessional sem se tornar piegas.

 

Estimar Canções

Este livro fala das dosagens avaliativas típicas do pensamento humano. Fazemos constantes estimativas sobre o valor dos indivíduos, das ações, dos objetos, das artes, dos fenômenos naturais, sociais, psicológicos, enfim, dos fatos que ingressam em nosso campo de presença. Tudo vem acompanhado de certa apreciação como se pudéssemos calcular com medidas (quase) consensuais o nível de relevância dos acontecimentos e conteúdos da vida. Tais quantificações subjetivas, estudadas pela semiótica contemporânea, estão no cerne dos capítulos aqui apresentados.
Claro que os cancionistas também realizam suas estimativas íntimas quando fazem suas canções, inserindo mais (ou menos) música, mais (ou menos) fala, mais (ou menos) concentração temática, mais (ou menos) expansão passional, toda vez que criam suas relações de melodia e letra e calibram o próprio canto. São eles os principais personagens deste volume.

Gentíssima

Era com lápis, papel e noções de taquigrafia que a jovem jornalista Maria Ignez registrava, nos anos de 1960, depoimentos de famosos e anônimos. Deixando de lado o gravador e convocando a prosa solta, ela capturava na fala das pessoas os instantes mais fugazes, cotidianos. Em sua escrita ágil, a autora consegue ir muito além da biografia ou do furo jornalístico. Seus entrevistados compõem um rico mosaico cultural: de Dalí a Di Cavalcanti, de Pixinguinha a Gil, de Kubitschek a uma lavadeira carioca.

 

No Rastro de Afrodite – Plantas Afrodisíacas e Culinária

Por que algumas plantas e pratos são considerados afrodisíacos? É em torno dessa pergunta que giram as discussões deste livro. O autor, PhD em Botânica, analisa cientificamente mais de quatrocentas espécies vegetais. Com isso, ele pretende mostrar quais delas, de fato, exercem influência sobre o apetite sexual dos seres humanos. No Rastro de Afrodite apresenta também algumas receitas culinárias capazes de despertar a libido.

Dia da Mulher: a igualdade de gênero ainda está longe de ser uma realidade

Por: Renata de Albuquerque

 

Mais um dia 8 de março vem e mais uma vez o “Dia da Mulher” entra em pauta. Há quem diga “não queremos flores”. Talvez seja melhor dizer “queremos respeito”. Muito já foi conquistado desde que as operárias americanas morreram no incêndio da fábrica de tecidos em Nova York, no século XIX. Mas, é inegável: ainda falta um longo caminho a percorrer até que a igualdade de gênero torne-se uma realidade.

Por isso, é preciso continuar falando, ressaltando as conquistas que já aconteceram e as que ainda estão por vir. Por isso, a Ateliê Editorial resolveu dar espaço a este tema e criou a campanha “Março, Mês da Mulher”.

A ideia foi aproveitar que o mês de março é todo dedicado à poesia (14/3 é o Dia Nacional da Poesia e 21/03 é Dia Mundial da Poesia) e unir os dois temas. Por isso, em março, todos os livros de poesia estão com desconto de 35%.

Se por um lado é a chance de economizar na compra de obras de um dos gêneros literários mais queridos dos leitores, por outro, é a oportunidade de conhecer a poesia escrita por mulheres, ouvir suas vozes e o que elas têm a dizer sobre si mesmas e sua condição.

Com o avanço da sociedade, elas passam a ser protagonistas de suas próprias histórias. E, para celebrar as mulheres e a poesia, veja abaixo algumas das muitas sugestões de livros que estão com desconto especial.

 

Antologia da Poesia Erotica BrasileiraAntologia da Poesia Erótica Brasileira

Organização: Eliane Robert Morae

De R$82,00 Por R$ 53,30

Traz uma seleção do melhor da lírica erótica desde o século XVII até os dias de hoje, com nomes como Gregório de Matos, Hilda Hilst, Carlos Drummond de Andrade, Álvares de Azevedo e Ana Cristina César, entre muitos outros. Os versos se alternam entre a sensualidade meramente alusiva e a obscenidade mais provocante. Lado a lado, eles se reúnem aqui para dar voz a um excesso que é, antes de tudo, o da imaginação.

 

Debaixo do Sol

Eunice Arruda

De R$36,50 Por R$ 23,72

A poeta da “Geração de 60”,  escreve, como ela mesma diz, pela “necessidade de captar as emoções, os pensamentos e devolvê-los depois ao mundo, transformados em outra linguagem: a da poesia”. Em Debaixo do Sol, a dicção lírico-amorosa-existencial continua a se destacar. A partir de uma escrita sintética, a poeta fala da condição humana, abraçada na comunhão com o outro e com o mundo.

 

Feito Eu

Elisa Nazarian

De R$31,00 Por R$20,15

Ao abrir as portas da memória autobiográfica, a escritora resgata o mais íntimo que existe em todos nós: o campo dos afetos. Sem rodeios nem melodramas, ela nos conduz delicadamente a esse universo tão particular quanto universal, sem o qual não nos saberíamos humanos. Em Feito Eu, ela trata dos momentos cotidianos, às vezes perturbadores, e explora o amor no que ele tem de mais visceral e doloroso. Seu verso, límpido e pungente, consegue ser confessional sem se tornar piegas.

 

Hipóteses de Amor

Annalisa Cima

De R$63,00 Por R$40,95

Uma das mais importantes poetas italianas da atualidade, teve o volume Ipotesi d’Amore  originalmente publicado em 1984 e depois traduzido por Alexandre Eulálio, amigo da escritora, e pelo poeta Ivo Barroso. Seus poemas, de intensa dramaticidade, falam principalmente de amor e amizade. Esta edição bilíngue, organizada por Maria Eugênia Boaventura e pelo próprio Ivo, traz também um conjunto de cartas trocadas entre Annalisa e Alexandre, além de um posfácio escrito por ela.

 

E tem muito mais em nossa seção de Poesias.

Ao finalizar sua compra digite o cupom “poesia” que o desconto será aplicado em todos os livros de poesia, exceto nos livros que já estiverem em promoção no outlet e pacotes promocionais.

Por que leio histórias de amor?

A cliente Eliane Fernandes resolveu participar da Campanha #tempodeler. A seguir, ela compartilha com os leitores do Blog o que a motiva a ler e sua história – recente – de amor pelos livros.

Eliane Fernandes*

Posso dizer que eu leio histórias de amor porque não é difícil admirar e me apaixonar por descrições, situações, personagens e enredos escritos em obras como Iracemade José de Alencar, por exemplo:

“A alegria morava em sua alma. A filha dos sertões era feliz, como a andorinha que abandona o ninho de seus pais e emigra para fabricar novo ninho no país onde começa a estação das flores. Também Iracema achara nas praias do mar um ninho do amor, nova pátria para o coração”.

Neste trecho, o autor usa um simples comparativo para demonstrar algo complexo. O resultado é poético, lindo, romântico.

Eu amo livros desde muito pequena, sempre fui apaixonada por bibliotecas, na escola eu ficava encantada com a quantidade de livros. Mas infelizmente até 2012 os livros não passavam de objetos de decoração, o máximo que eu fazia era ler a contra capa e deixar o livro na estante. Por mais que eu tentasse ler, me dava sono, fome, vontade de ir ao toalete, enfim, nunca conseguia ler.

Uma pequena situação mudou a minha vida. Em dezembro de 2012 eu estava em uma padaria e vi um livro, pedi a meu esposo que me desse de presente e, como resposta, ele disse: “eu duvido que você vá ler este livro. Se eu o levar e você não ler, nunca mais lhe dou outro livro”. Então eu fiz uma contraproposta: “Eu irei ler este livro e a partir de agora vou emendar um livro em outro”. Não sei de onde eu tirei isso, afinal eu não lia nem história em quadrinhos, mas a sorte estava lançada. Lembro que terminei o livro em duas semanas e desde então eu sempre tenho um livro para ler. Cheguei a contabilizar minha leitura do ano de 2014: 35 obras no total, realmente uma superação. Meu esposo? Não tem mais motivos para não me dar livros e nos dias de hoje ele evita passar perto de uma livraria quando estamos juntos, pois, sempre que entramos, saímos com uma coleção nova de livros para eu ler.

O que mais me motivou a ler este tipo de literatura é observar os personagens, as suas descrições, como se comportam, o que querem sem saber que querem.Chega a ser meio investigativo, nunca se sabe o que se passa na cabeça do personagem, ele pode gostar da loira, mas acabar com a morena, é sempre uma incerteza, todos são diferentes e únicos, mas todos querem a mesma coisa, serem felizes. E só se sabe se alcançarão o objetivo quando se lê a última palavra.

Eliane Fernandes

Posso dizer que minha relação com o mundo mudou depois que comecei a ler, hoje consigo perceber a beleza em pequenos gestos como uma flor dada a uma dama sem motivo ou um simples bilhete escrito “Eu te amo” no meio da tarde. Acho simplesmente encantador a conquista antes do primeiro beijo e as trocas de olhares, dos presentes sem motivo, da amizade antes de um grande amor. Aprendi também que depois de um problema ou de uma dificuldade é possível levantar mais forte e principalmente aprender com os erros e ser uma pessoa melhor.

Lendo diversas histórias de amor percebi que a paixão nascida de uma amizade, é mais bonita, mais vivida, mais sincera, verdadeira e duradoura, que de uma amizade sempre pode brotar um verdadeiro amor, que a amizade e o romantismo vão além de tudo, até mesmo além dos livros, onde para a mulher é possível ter um esposo, amigo, amante e companheiro em uma mesma pessoa, assim como para os homens é possível ter várias mulheres em uma só.

Não posso dizer que já li todos os livros do mundo, nem estou perto disso, mas posso dizer que a pequena quantidade de histórias lidas, não só de amor,  fizeram com que eu visse a vida de uma forma diferente.Meu modo de pensar sobre o amor mudou, assim como minha forma de falar, meu vocabulário está mais amplo. Meu senso crítico melhorou consideravelmente, minhas argumentações estão cada vez mais ricas e coerentes. Ler me proporcionou uma nova visão de vida e espaço, me proporcionou uma conquista externa e principalmente uma conquista interna: eu consigo me expressar melhor, escrever melhor e viver melhor. É muito gratificante terminar uma coleção de 3, 4, 5 ou 10 livros e começar outros.

É emocionante imaginar os personagens, sofrer junto com eles e perceber que as histórias são simples histórias, mas se forem lidas com paixão e de coração aberto, percebemos que são na realidade histórias como a nossa. Histórias que inspiram, ensinam, emocionam.

 

* Filha mais velha de uma família simples da capital da cidade de São Paulo, terminou o ensino médio em 2005. Formada em Ciências Econômicas, especializada em Finanças e prestes a tornar-se especialista em Perícia Criminal e Ciências Forenses.

Vencedores do Concurso #tempodeler

Arte de divulgação da campanha #tempodeler

Arte de divulgação da campanha #tempodeler

Parte da Campanha Tempo de Ler (que acontece até 2017), o Concurso #tempodeler terminou. Depois de dois meses intensos, em que as pessoas se manifestaram dando suas sugestões e dicas sobre como conseguir mais tempo para incluir a leitura no cotidiano, nos intervalos da correria do dia a dia, foram definidos os vencedores do Concurso #tempodeler. Promovido pela Ateliê Editorial, o concurso movimentou a internet no mesmo período em que a campanha mundial #diadelertododia, da CBL, aconteceu.

Confira, a seguir, os textos dos vencedores, escolhidos com base no objetivo do concurso:

O objetivo é o compartilhamento de ideias e sugestões que ajudem o leitor a encontrar tempo para inserir esse hábito em sua rotina diária, pois a falta de tempo é o principal motivo alegado pela maioria das pessoas segundo a pesquisa “Retratos da Leitura no Brasil”.

 

 

1-jardel-rodrigues-ferreira

 

Tempo de ler é todo tempo. Para mim não existe um tempo reservado ao exercício da leitura. Durante todo o dia, e noite, estamos em contatos com a leitura seja em um out door descascando em uma parede ou via, seja em um anúncio de moradia ou cartomante preso em um poste imundo. Mas quando sobe aquele formigamento do desejo de fuga ou no querer ser outro, estar não aqui: este é o tempo de ler.

Jardel Rodrigues Ferreira, 1º lugar

 

 

 

2-luisa-de-quadros-coquemala

Sempre busco tempo para ler, mas principalmente nas horas de “vazio” da vida: na fila de espera do banco ou do correio, voltando para casa no ônibus, viajando, enquanto ando na rua, antes de dormir e naqueles momentos onde muitas pessoas ficam no celular ou na internet. Dessa maneira, onde a vida seria chata ou vaga, eu passo o tempo imaginando, entrando em outros mundos e vivendo outras vidas. Onde há o nada, cria-se um mundo.

Luisa de Quadros Coquemala, 2º lugar

 

 

 

 

3-andrea-strevaA pergunta correta seria: como não arranjar tempo pra ler? É possível ler quase o tempo todo, se você for perspicaz. Para os que duvidam, vou ensinar meu método, que é muito simples: esteja sempre acompanhada de um livro e leia em cada brecha no trabalho, em cada intervalo na escola ou faculdade, em cada deslocamento (seja no carro, ônibus ou metrô) e, obviamente, em casa. Como efeito colateral, você notará seus olhos perdidos em outros horizontes e a cabeça em sonhos.

Andrea Moreira Streva, 3º lugar

 

Os vencedores ganharam cupons de desconto para usar em sua próxima compra no site da Ateliê.

A editora agradece a todos os participantes e parabeniza os vencedores!

 

É Dezembro! O Natal está chegando!

Pois é, o ano passou muito rápido e dezembro já chegou. O Natal se aproxima, as ruas se enfeitam, as fachadas se iluminam. E você, já começou a fazer a lista de presentes? Para ajudar, preparamos uma seleção especial de livros, que certamente vão agradar as pessoas dos mais variados perfis:

 

Poesia

cena

 

Cena Absurdo – Revisto e Diminuto: 1998-2015, de Pedro Marques, apresenta poemas que revelam os absurdos do dia a dia, nem sempre notados quando se vive em meio a eles. Em alguns momentos, o livro apresenta dois ou três poemas na mesma página, ampliando a possibilidade de leitura simultânea.

 

 

 

 

cicatriz2

 

Ao reunir escritos de 1995 a 2015, Eduardo Guimarães apresenta o seu quarto livro de poemas: Cicatriz. O título reflete os cortes, as cicatrizes, perceptíveis quando o autor nos faz refletir sobre dor e felicidade, por exemplo, bem como quando nos instiga a questionar sobre a nossa própria condição de ser.

 

 

 

 

poemas2

 

Novos Poemas, de Carlos Vogt, reúne três pequenas coletâneas: “Bandeirolas”, “Bolinhos de Chuva” e “Dedo de Moça”. As duas primeiras não tinham aparecido em livro, mas os poemas já haviam sido apresentados em canais da internet, como na página de poesia do autor: Cantografia. A terceira foi publicada em 2011.

 

 

 

 

Antologias

capa_antologia_fantastica

 

Antologia Fantástica da Literatura Antiga, organizada por Marcelo Cid, contempla trechos relativamente curtos que podem ser entendidos como literatura fantástica – um gênero que só passa a ter esse nome no século XX, mas é encontrado ao longo de narrativas históricas ou poéticas, ou mesmo em obras filosóficas de séculos passados.

 

 

 

 

Antologia da Poesia Erótica Brasileira

 

Antologia da Poesia Erótica Brasileira, organizada por Eliane Robert Moraes, com desenhos de Arthur Luiz Piza, é resultado de uma extensa pesquisa iniciada em 2005. São cerca de 350 poemas escritos nos últimos quatro séculos por autores brasileiros como Gregório de Matos, Carlos Drummond de Andrade, Ana Cristina César, Hilda Hilst, Roberto Piva e Arnaldo Antunes, entre outros.

 

 

 

 

Lançamentos

Palmeirim

 

Palmeirim de Inglaterra não é apenas uma novela de cavalaria. O texto, escrito por Francisco de Moraes, faz parte de um ciclo. Nesta edição, os pesquisadores Lênia Márcia Mongelli, Raúl Cesar Gouveia Fernandes e Fernando Maués realizaram um minucioso e primoroso trabalho, transcrevendo a partir de várias fontes para poder chegar a um resultado fidedigno, que interferisse minimamente no estilo original – um dos pontos altos da obra.

 

 

 

 

Sobrecapa do livro "Capas de Santa Rosa"

 

Capas de Santa Rosa, de Luís Bueno, venceu o Prêmio Jabuti 2016. Foi o primeiro colocado na categoria Projeto Gráfico.  O livro destaca as capas criadas por Santa Rosa, permitindo ao leitor acompanhar a transição das capas predominantemente tipográficas para as ilustradas, bem como compreender o aprimoramento crescente do campo editorial.

 

 

 

 

capa produção gráfica

 

Considerado uma referência quando o assunto é produção e design, o livro Production for Print, de Mark Gatter, ganha tradução inédita em português, com o título de Produção Gráfica para Designers. O trabalho de tradução foi feito por Alexandre Cleaver, com revisão técnica de Thiago Cesar Teixeira Justo.

 

 

 

 

Música

capa-paulinho-da-viola-elogio-amor

 

Paulinho da Viola e o Elogio do Amor, de Eliete Eça Negreiros, é uma reflexão sobre a lírica amorosa das composições de Paulinho, cujo eixo é a separação dos amantes”, explica Olgária Matos na apresentação da obra. A autora já havia lançado um estudo anterior sobre o tema, Ensaiando a Canção: Paulinho da Viola e Outros Escritos.

 

 

 

 

voz que canta

 

Em A Voz que Canta na Voz que Fala – Poética e Política na Trajetória de Gilberto Gil, o autor Pedro Henrique Varoni de Carvalho trafega pela análise do discurso e aponta como Gilberto Gil trouxe o seu discurso poético-tropicalista ao ministério, sugerindo e promovendo mudanças até então inéditas no que toca ao tratamento dado à cultura brasileira pelo Estado.

Descontos de até 75% no Black Week Ateliê Editorial

A Black Week da Ateliê Editorial começa hoje!

161118-black-week-longo

Serão 10 dias com descontos de 50% a 75% em mais de 100 títulos do catálogo.

E o melhor! Você não precisa esperar o Black Friday para fazer boas compras.

Confira alguns livros em promoção:

Livro Viva Vaia

 

 

Clássico da poesia concreta.

De R$ 145 por R$ 65,25

 

 

 

 

 

Sobrecapa do livro "Capas de Santa Rosa"

 

 

Primeiro lugar na categoria “Projeto Gráfico” no Prêmio Jabuti 2016!

De R$ 118,00 por R$ 53,10

 

 

 

 

capa_antologia_fantastica

 

“Se não propriamente fantástica, Antologia é extraordinária” (Folha de S. Paulo)

De R$ 65,00 por R$ 32,50

 

Desenho Mágico – Poesia e Política em Chico Buarque

 

 

 

 

Uma análise da obra de Chico Buarque durante a Ditadura Militar. 

De R$ 57,00 por R$ 22,80

 

 

 

 

 

Visite nosso site e antecipe suas compras de Natal.

Promoção válida de 18 a 28/11/16

A arte de ensinar

frase-para-blog-dia-dos-profs-cora-coralina

Ensinar é uma arte e toda arte merece ser prestigiada.
Por isso, no mês do professor a Ateliê Editorial ajuda você a retribuir e compartilhar conhecimento com
aquele que sempre te ensinou.
São vários títulos com descontos de até 60% para presentear seu Mestre com todo o carinho que ele
merece. Confira!

Ler sempre é ler mais e melhor

Cecilia Felippe Nery*

livro com flor

A equação até parece simples e é. Lendo sempre, leremos mais e melhor, mas para se chegar lá é preciso paciência e vontade, como tudo na vida. No Brasil, no entanto, essa equação está longe de ser perfeita, mas avançou, ainda que a passos lentos.

No país há 104,7 milhões de leitores, o que representa 56% da população, segundo dados da quarta edição da pesquisa “Retratos da Leitura no Brasil”, realizada em maio deste ano. O índice de leitura teve uma pequena melhora, mas é pouco, pois indica que o brasileiro lê somente 4,96 livros por ano.

Como mudar isso?

A questão é complexa e envolve muitas esferas, mas podemos fazer a nossa parte com método e disciplina até que o ato de ler se torne um hábito indispensável à nossa vida.

Antes de mais nada preciso confessar que sou uma leitora meio atípica, apaixonada por livros, mas atípica. Não leio tão rápido, meu ritmo é mais lento, embora constante. Isso porque gosto de refletir sobre as palavras, de sentir mais a leitura e de voltar as páginas para reler algo que ficou para trás e que só lá na frente fará sentido, assim demoro mesmo quando me aventuro em algum livro.

Além disso, não consigo ler dois livros ao mesmo tempo. Admiro quem consegue fazê-lo, e já tentei, mas percebi que acabo misturando as histórias e fico pensando onde li determinada cena ou passagem. Minha cabeça dá um nó e me sinto um pouco perdida. A não ser que leia coisas totalmente diferentes, como um romance e um livro técnico, ou ainda poesia.

Percebo também que alguns livros oferecem uma leitura mais fluida e agradável, prendendo o leitor de tal forma que ele se desliga facilmente de tudo ao seu redor. Outros, no entanto, embora de valor incontestável, são mais penosos, requerem maior atenção e exigem mais dedicação do leitor. Por isso é necessário começar devagar, sem correria, para criar o hábito, cultivado pouco a pouco.

 

O local

O primeiro passo é estar aberto à leitura e escolher o livro que se quer ler, sem pressa, sem cobranças, por prazer, para conhecer. Separe um tempo do dia para fazer isso e se disponha a ler, nem que seja por 20 ou 30 minutos e vá aumentando o tempo gradativamente. O local de leitura também é fundamental. Se você tem problema em se concentrar, procure um lugar tranquilo e sem interferências que possam lhe causar distração.

Eu, por exemplo, leio mais quando estou fora de casa. E o meu local preferido sempre foi o metrô. Sim, isso mesmo, o metrô, no trajeto de casa para o trabalho e do trabalho para casa. E, embora muitas vezes o trem esteja cheio, já li muitos livros nos vagões do metrô. Às vezes fico tão empolgada com a história que passo da estação em que iria descer, quando me dou conta tenho de sair do vagão e pegar o trem no sentido contrário, para voltar. Outras vezes me deixo passar mesmo, e vou até o final da linha, só para não parar e continuar a leitura. Aí depois retorno ao meu destino. Claro, quando estou com tempo.

Como leio muito no metrô, já aconteceu, vez por outra, de entrar em um trem e sem que eu veja ou pense em alguma coisa relacionada às histórias, vir à minha mente cenas e personagens de algum livro que li. Acontece assim, instantaneamente, sem que eu perceba. As imagens simplesmente aparecem para mim. É como se os vagões do metrô estivessem povoados das histórias, dos personagens e das cenas que leio – e vejo com a imaginação – nos livros. Acho que são como fantasmas, que vagueiam livremente por entre o emaranhado de fios que povoam a minha mente.

Mas estou divagando… e, claro, pode funcionar para mim, para outras pessoas não. Seja como for, o importante é encontrar um local adequado em que a pessoa se sinta bem e disposta a ler, independentemente de ser um livro físico ou virtual. Com o tempo é possível até que a pessoa leia em qualquer lugar, porque a leitura já se incorporou.

Outra importante dica é variar as leituras. Se recentemente você leu um romance, alterne com uma biografia, ou um livro de contos, ou ficção ou terror, ou ainda quadrinhos, que são excelentes para entreter e ampliar o conhecimento. Mescle seus interesses e aumente suas conquistas literárias dia a dia. Isso é muito bom.

 

Clubes de leitura

livros na estante

Para gostar de ler é fundamental também conversar sobre os livros, assim, procure pessoas que leem também e discuta os livros. Já se foi o tempo em que leitura era sinônimo de solidão, embora o ato seja solitário mesmo. Ler, porém, propicia um conhecimento tão grande que a vontade de compartilhar acontece naturalmente.

Hoje há muitos clubes de leitura que fazem essa função interativa. Além de proporcionar deliciosos debates sobre as leituras, é possível ainda fazer muitos amigos. Depois que me tornei uma leitora assídua, meu grupo de amigos se ampliou e conheci muitas pessoas ligadas aos livros, sejam elas virtuais ou presenciais. Os amigos leitores estimulam o prazer pela leitura e são ótimas companhias para dividir outros interesses.

Por fim, a partir do momento que a leitura te “pegar”, seria ideal começar a alçar novos voos e desafios. Estabeleça metas e aumente o tempo de leitura, escreva para memorizar e assim assimilar melhor o que se leu. É importante ler de tudo, porque a seletividade vem com o tempo, mas o fundamental é que se leia por prazer, por puro deleite.

Boas leituras.

*Cecilia Felippe Nery é jornalista e escreve para o blog www.leituraseobservacoes.blospot.com

 

E você? Como consegue #tempodeler ? Conte para a gente, participe do Concurso!

Campanhas sobre leitura movimentam a internet com #diadelertododia e #tempodeler

Por: Renata de Albuquerque

A leitura está em alta no mundo virtual. No próximo dia 20 de setembro é #diadelertododia, uma campanha mundial pela leitura que tem o apoio da CBL e que foi destaque na Bienal Internacional do Livro de São Paulo, que aconteceu até o início do mês.

A campanha mobiliza pessoas do mundo todo, do Paquistão ao Canadá, passando por diversas cidades brasileiras. Para fazer parte da Campanha Mundial pela Leitura basta registrar uma imagem de alguém lendo e enviar para a coordenação. Mais informações no site http://www.diadelertododia.com/

Outra campanha que já está acontecendo é a #tempodeler. A campanha, promovida pela Ateliê Editorial, tem como objetivo incentivar as pessoas a buscarem mais tempo para ler, com dicas sobre como alcançar esse objetivo já que, segundo a pesquisa “Retratos da Leitura no Brasil”, esta é uma das principais razões para que as pessoas não leiam mais.

Arte de divulgação da campanha #tempodeler

Arte de divulgação da campanha #tempodeler

Qualquer pessoa pode participar. Basta usar a #tempodeler no Twitter e dar a sua dica de como conseguir mais tempo para a leitura, essa atividade tão deliciosa e prazerosa.

Agora, se o problema é não ter o hábito da leitura, a Ateliê também dá uma ajuda. A editora fez uma lista de livros que são perfeitos para quem quer começar a adquirir esse hábito, porque são leituras tão rápidas e agradáveis que vai ficar fácil encontrar um tempinho para elas, mesmo na sua agenda lotada. Confira:

Os Cem Menores Contos Brasileiros do Século

Organizado por Marcelino Freire, o livro parte do princípio de que, em tempos de Twitter, a linguagem tem de ser renovada, para ser ainda mais concisa e objetiva. O autor de Angu de Sangue convidou cem autores brasileiros (entre os quais Laerte, Manoel de Barros, Glauco Mattoso, Lygia Fagundes Telles, Millôr Fernandes e Marçal Aquino) paras escrever histórias de até 50 letras. O resultado são contos tão curtos quanto interessantes. Perfeito para quem tem apenas poucos minutos disponíveis, já que os contos podem ser lidos de maneira independente e não levam mais que alguns segundos para serem lidos.

 

Silêncios no Escuro

Primeiro livro adulto de Maria Viana reúne 16 contos que têm, como fios condutores, a morte e o silêncio. “Acho que o que me levou a escrever este livro foi o desejo de contar algumas histórias que de alguma maneira estavam esperando o momento certo para tomar forma de palavra escrita, já que povoavam meu imaginário e minha memória há muito tempo”, diz a autora.

 

ASA – Associação dos Solitários Anônimos

Romance ousado e divertido, cheio de sarcasmo, deixado inédito por Rosário Fusco, que morreu em 1976. O romance escrito em 1967 e teve sua primeira edição em 2003. Desde então encanta os leitores com sua  narrativa de andamento veloz, que dialoga com o surrealismo e naturalismo, explorando um recanto especial do cenário brasileiro: a marginalidade acumulada ao longo do cais.

 

Se você quiser conhecer toda a lista de livros em promoção, visite o link http://www.atelie.com.br/publicacoes/promocao/

Ateliê em clima de Olimpíadas

É tempo de Jogos Olímpicos. Em todos os lugares, as vitórias, as medalhas e as conquistas fazem parte das conversas. Mas, o que isso tem a ver com livros? Tudo!

A Ateliê tem diversos títulos premiados pelas mais importantes instituições do mundo e, por causa das Olimpíadas, resolvemos reuni-los e celebrar a data com descontos campeões.

Rodrigo LacerdaO Mistério do Leão Rampante 

Para livrar-se de um feitiço que a impede de amar, uma jovem inglesa do século XVII recorre aos mais diversos tratamentos – até conhecer o poder curativo do teatro. Narrada com humor refinado, a história tem Shakespeare como um dos personagens. O Mistério do Leão Rampante foi a estreia de Rodrigo Lacerda na ficção e o primeiro livro editado pela Ateliê Editorial.

Prêmio Jabuti 1996
Prêmio Caixa Econômica/CBN de Autor Revelação 1995

 

Orlando Furioso (Jabuti Tradução 2003)orlando

““Eu não sou quem pareço””, diz Orlando, enfurecido de paixão amorosa. Sua figura tresloucada era o que sobrara do paladino cristão, exemplo de sensatez. Narrada, ou melhor, cantada pela insuperável poesia de Ludovico Ariosto, criador de um universo que fascinou Cervantes e Voltaire, Bandeira e Borges. Publicado há quase cinco séculos (1516, com edição definitiva em 1532), Orlando Furioso é contemporâneo de nosso mundo, sempre a ponto de enlouquecer por “armas e amores”. Este primeiro volume em edição bilíngue e ilustrada por Gustave Doré traz 23 dos 46 cantos desta obra-prima da literatura mundial.

Vencedor do Prêmio Jabuti de Tradução de 2003

 

Sem título-2O Filho do Crucificado 

O Filho do Crucificado contém uma novela, que dá nome ao livro, e cinco contos, reunidos sob o título ““Flores e Pele à Flor da Pele””. Em todas essas narrativas, o jornalista e escritor Nelson de Oliveira trata de um tema que assombra a humanidade desde sempre: o fim do mundo. De um intercurso sexual com Deus a um bizarro suicídio coletivo, as situações envolvem o leitor da primeira à última linha. Em 2000, este foi considerado o melhor livro de contos pela Associação Paulista dos Críticos de Arte.

Prêmio APCA Melhor Livro de Contos de 2000.

 

O Altar e o Trono – Dinâmica do Poder em O Alienistaaltar e trono

O Altar & o Trono traz minucioso levantamento dos discursos artísticos e culturais de que Machado de Assis se apropriou para escrever O Alienista. Ao mesmo tempo, analisa os processos retóricos em que se articulam as matérias. Lidando com questões polêmicas no Segundo Reinado, Ivan Teixeira preserva o máximo de imparcialidade no resgate do ambiente de produção e de circulação de O Alienista. O leitor encontrará neste livro hipóteses estimulantes para uma revisão conceitual de Machado de Assis. Pela primeira vez, o artista é examinado em intrínseca relação com os signos de sua época e em sua condição de homem de imprensa: associado a grupos de poder, afeito à dinâmica dos periódicos, atento à reciprocidade dos compromissos e integrado com projetos editoriais. Consciente do princípio de mobilidade cultural, O Altar & o Trono descobre e investiga, ainda, o empenho de Machado de Assis no projeto de incorporação da elite feminina aos núcleos letrados do Segundo Reinado.

Prêmio José Ermírio de Morais da Academia Brasileira de Letras 2011
Coedição: Editora Unicamp

 

de olhonamorteDe Olho na Morte e Antes 

Conheço Fernando Fortes, que a gente chamava de Carlos Fernando, quando éramos ambos jovens, ele mais novo que eu, impetuoso e comunicativo. Já então revelava um modo próprio de fazer seus poemas, que, mais apurados, publicaria depois em vários livros.
Estes poemas de agora têm outro tom e outra feitura. Fala-nos de alguém que já viveu uma longa vida, que experimentou as alegrias e sofrimentos por que todos passamos, de uma maneira ou de outra. É esse outro Fernando que estes poemas nos mostram, alguém que sofreu um duro golpe: a perda de um filho. Alguns deles nos falam dolorosamente dessa perda, enquanto outros, ainda que versando temas diversos, trazem a marca dessa dor presente. Isso não impede, porém, que ele consiga nos comover também com os achados poéticos, nascidos do domínio do verso e da palavra, que foi sempre uma qualidade sua. Como poeta que é, realiza a alquimia que transforma a dor em alegria. –[Ferreira Gullar]
Prêmio Literário Nacional Pen Clube do Brasil 2013.

Clichês Brasileiros

SONY DSC

SONY DSC

Utilizando-se apenas de imagens de um antigo catálogo brasileiro de clichês tipográficos (Catálogo de Clichês D. Salles Monteiro, publicado em edição fac-similar pela Ateliê Editorial, em 2003), Gustavo Piqueira compõe uma inusitada narrativa visual contemporânea em seu novo livro, Clichês Brasileiros.
Os clichês tipográficos eram matrizes, gravadas em madeira ou metal, utilizadas como complemento figurativo ao conteúdo textual no processo tipográfico de impressão, método dominante na produção de impressos durante quase cinco séculos.
Mas o título do livro não se deve exclusivamente às matrizes usadas para a confecção das ilustrações. A cada virada de página, topamos com outro tipo de clichês brasileiros: dos históricos, como a chegada dos portugueses, a catequização dos índios ou os ciclos do café e do ouro, até clichês do Brasil de hoje, cheio de engarrafamentos, dívidas, condomínios fechados e alienação. Todos retratados com sutil irreverência e grande riqueza gráfica.

O livro possui capa em lâmina de madeira impressa em serigrafia, fixada com fita adesiva, e tem tiragem única de mil exemplares numerados.

Prêmio Good Design Awards 2013

Prêmio If Design Awards 2013

Prêmio Lusófono da Criatividade 2014

 

 

barrocoO Esplendor do Barroco Luso-Brasileiro

O que é o Barroco? Um universo onde todos componentes se interagem atingindo variedade e unidade indivisível. Nele as diferentes disciplinas artísticas atuam de forma integrada capazes de suscitar profundas emoções no observador, mobilizando recursos cenográficos, com vistas a atingir clima triunfante ou dramático.
Na arquitetura, onde indiscriminadamente são acolhidas as demais artes, as formas adquirem linguagem própria, movimentando-se e assimilando variadas formas de expressão: colunas torsas, ornatos, formas tomadas à natureza ou a pintura ilusionística capaz de romper a limitação da cobertura e induzir o observador a ingressar nas alturas celestes.
Objetiva o presente livro, produto de circunstanciado trabalho de pesquisa, oferecer ao leitor a oportunidade de ingressar e usufruir da riqueza desse universo com suas emoções e sua capacidade de surpreender e despertar inquietações. Estudo do ambiente humano construído e seus equipamentos enquanto produção histórico-social em que se conjugam trabalho, arte e técnica.
Sem o passado, não haveria o presente e sem este, não haveria o futuro. Nós vivemos o presente em permanente mutação.  Somos testemunhas da história. Ter sido é uma condição para ser.

Prêmio Jabuti – 1º lugar na categoria Arquitetura e Urbanismo em 2013

 

Euclides da Cunha: Uma Odisseia nos Trópicoscapa odisseia nos tropicos

Alguns biógrafos sugerem um Euclides herói, embora maltratado pela vida. Este livro abandona os mitos e dá destaque ao gênio sem separá-lo de suas misérias. Frederic Amory dedicou-se como poucos a entender a personalidade e as ideias do autor de Os Sertões. Para isso ele confrontou, de modo rigoroso e objetivo, as problemáticas fontes de informação sobre o escritor. Esta biografia aprofunda e esclarece aspectos da vida e da obra de Euclides da Cunha até então pouco estudados.

Prêmio Jabuti de Biografia 2010
Prêmio Euclides da Cunha da Academia Brasileira de Letras 2009

 

Aproveitamos e incluímos na lista outros títulos que também são “campeões de audiência”, que estão com descontos que valem ouro!