Autores

Ilustrando Petrarca

Por Enio Squeff*

7

Ilustração de Enio Squeff para a obra “Cancioneiro”

Não foi por qualquer coisa como o Guiness que resolvi testar minha capacidade de improvisar, quando pedi ao editor Plínio Martins Filho para desenhar sobre os originais da tradução do Cancioneiro de Francisco Petrarca. Este trabalho, soube há pouco, resultou em mais de 700 ilustrações, feitas alla prima.  Não sei (e realmente não interessa) se alguém fez tantas ilustrações para um único livro, diretamente sobre as provas da obra. Claro, havia o acordo tácito de que, se qualquer desenho não saísse a contento, eu o substituiria por uma ilustração à parte: fazer desenhos sobre as provas de uma publicação é, penso eu, algo mais ou menos inédito. Conclui, no entanto, não ter sido necessário apor qualquer “correção”. Digamos que, a meu critério, tudo saiu comme il faut.

A contento?

Nem tanto, talvez – poderão afirmar alguns; e serei, então, persuadido a reconsiderar meu juízo, assim como o editor que aceitou o que eu fiz, sem restrições. Na verdade, trabalhei durante uns dois meses: eu e meu pincel, com as cerdas devidamente amarfanhadas. Era a única maneira de fazer as ilustrações com um caráter de impromptu, como as definiu uma colega. Não é por imodéstia, portanto, que me arrisquei ao exame dos leitores críticos e aos críticos leitores. Petrarca, o grande, o excelso Petrarca, certamente não mereceria esse tipo de façanha, se fosse apenas isso – façanha. E não a arte de improvisar como uma homenagem à franqueza, e à espontaneidade que o seu gênio – de Petrarca – induz, a despeito do risco inerente ao desafio.

Mas acertamo-nos, o Plínio e eu, diante da possibilidade de certas obras de arte suscitarem outras. A de José Clemente Pozenato é a segunda, depois de Petrarca do original; ficamos, sem falsa modéstia, o editor e eu, com a terceira possibilidade, a da arte sobretudo musical, do improviso.

*Enio Squeff, nascido em Porto Alegre (RS), iniciou sua vida profissional como jornalista na revista Veja, transferindo-se depois para o jornal O Estado de S. Paulo,  onde se tornou editor da página de arte e, mais tarde, para a Folha de S. Paulo, na qual atuou como editorialista, crítico de música e, por fim, a convite da direção do jornal, como ilustrador, iniciando, assim, sua trajetória de artista plástico.

Acesse o livro Cancioneio, de Francesco Petrarca no site da Ateliê

 

Confira as fotos do lançamento da “Revista Livro nº 4” e da “1ª Jornada de Editores Brasileiros – PUBLISHER? EDITOR?”

l4 - convite eletronicoNa última terça-feira (03/03), a Livraria João Alexandre Barbosa recebeu dois grandes eventos. O primeiro intitulado 1ª Jornada de Editores Brasileiros – PUBLISHER? EDITOR?, organizado pelo corpo docente do curso de editoração da USP, Núcleo de Estudos do Livro e da Edição (NELE) e da Edusp, contou com os principais editores do país onde abordaram questões como os desafios do atual modelo editorial e da profissão de editor. Posteriormente, a livraria recebeu o lançamento da Revista Livro N.4, onde contou com a presença de seus autores e colaboradores.

 

Confira abaixo as fotos dos eventos!

 

Lançamento da revista Livro N. 04 com  Ana Luiza Martins (esq.) e Marisa Midori.

Lançamento da “revista Livro N. 04” com Ana Luiza Martins e Marisa Midori.

Jornada Publisher? Editor? (03/03): mesa com (a partir da esq.): Fernando Paixão, Alexandre Martins Fontes, Claudio Giordano e José De Paula Ramos Jr. (mediador).

Fernando Paixão, Alexandre Martins Fontes, Claudio Giordano e prof José De Paula Ramos Jr debatem durante a 1ª Jornada de Editores Brasileiros – PUBLISHER? EDITOR? que antecedeu o lançamento da revista Livro nº 4.

Jornada Publisher? Editor? (03/03): Mesa com (a partir da esq.): Jean Pierre Chauvin (mediador), Iuri Pereira (ed. Hedra), Joana Figueiredo (ed. Mackenzie) e Lilia Zambon (Cia. das Letras).

Jean Pierre Chauvin foi o mediador de uma das mesas, que ainda contou com Iuri Pereira (Ed. Hedra), Joana Figueiredo (ed Mackenzie) e Lilia Zambon (Cia das Letras).

A fotógrafa Patrícia Osses, que ilustrou a edição, e a diagramadora da “revista Livro n.04”, Tainá Nunes Costa, também marcaram presença no evento.

Lançamento da revista Livro 04: (à esq.) Lincoln Secco, José De Paula Ramos Jr. e Jaa Torrano.

Lincoln Secco, José De Paula Ramos Jr, Jaa Torrano celebrando o lançamento.

Público prestigia a Jornada Publisher? Editor?. Lançamento foi após o evento.

O público presente assistiu a palestras e debates variados durante a Jornada.

Cinco capistas que irão fazer você julgar o livro pela capa!

Capistas são os profissionais responsáveis por elaborar as capas dos livros e dar o toque final para a obra. Seus trabalhos tem o poder de despertar a atenção do leitor desatento que vaga em um oceano de obras e mais obras nas diferentes livrarias pelo mundo.

Para mostrar o quão esses profissionais são importantes e que são muito mais do que capistas ou designers, mas sim verdadeiros artistas, escolhemos 5 capistas que mais nos chamaram a atenção e que vão fazer você sim, julgar um livro pela capa.

winter-journey02

Geray Gencer

Geray Gencer é um designer que vive em Istanbul. Sua principal área de interesse é baseada em projetos culturais com forte influência tipográfica, onde transita mutalmente entre o design e as artes plásticas. Seus trabalhos mais recentes já foram expostos em galerias e museus como New York Cooper Union Gallery, Franz Mayer Museum and Wilanów Poster Museum collections.

Conheça mais sobre o trabalho de Geray Gencer

 

supersadtruelovestory

Rodrigo Corral

Rodrigo Corral possui o tipo de trabalho que qualquer pessoa no mundo já viu, mesmo que inconscientemente. Seus trabalhos passam por diversos segmentos do design, que vai do mercado editorial ao cinema, além disso, possui diversas parcerias que levam nomes como Chuck Palahnuik, Gary Shteyngart, Criterion Collection, New York Magazine e The New York Times.

Conheça mais sobre o trabalho de Rodrigo Corral

 

Lorca front 7_640

John Gall

“Eu acho que capas deveriam ser divertidas, pop, inteligentes, convidativas e nada confusas”

Conheça mais sobre o trabalho de John Gall

 

zsw_paper_lg

Paul Shares

Paul Shares vem sendo considerado como um do mais influentes designers gráficos da sua geração. É um frequente colaborador para o The New York Times, redesenhou duas grandes revistas canadenses, construiu e destruiu um carro funerário gigante para a banda They Migth Be Giants, além de aparecer em um filme dos anos 90 da Winona Rider.

Conheça mais sobre o trabalho de Paul Shares

GhostSoldiersHC_FrontJacket2_SMALLER

Alison Forner

Alison Forner é Diretora de Arte da Plume e Hudson Street Press, da Penguin Random House. Seu trabalho foi reconhecido pela Instituto Americano de Artes Gráficas pelas premiações no 50 Books/50 Covers ShowNew York Book Show e no PRINT’s Regional Design Annual. Seu trabalho já passou por casas como HarperCollins, W. W. Norton, Simon & Schuster, The Experiment e Chelsea Green. Alison foi poeta e dançarina profissional antes de entrar para o glamuroso mundo do design gráfico.

Conheça mais sobre o trabalho de Alison Forner

Entrevista com Waldecy Tenório que lançou Escritores, Gatos e Teologia

Ateliê Editorial | Assessoria de Imprensa

"Escritores, Gatos e Teologia", de Waldecy TenórioNo último dia 7 de maio, o professor, escritor e jornalista Waldecy Tenório lançou seu novo livro Escritores, Gatos e Teologia.  Nesta obra o autor continua com o tema já abordado em seu primeiro livro pela Ateliê – A Bailadora Andaluza –, que é aproximar Literatura e Teologia.

O lançamento foi na Livraria da Vila da rua Fradique Coutinho e teve a participação de muitos amigos e colegas. Durante o evento, Luciana Frateschi leu trechos da obra, e Luciana Celo cantou poemas musicados de Drummond, Cecília Meireles, Adélia Prado e outros, acompanhada pelo violão de Raphael Gemal.

Segue entrevista com o autor.

Ateliê – Em seu outro livro, A Bailadora Andaluza (Ateliê, 1996), já aparece a ideia do Sagrado e a relação entre Teologia e Literatura. Naquele caso, sua tese é demonstrada pela poesia de João Cabral de Melo Neto. Em Escritores, Gatos e Teologia sua tese é ampliada para outros autores. Como se deu aquela, e esta investigação? Deu trabalho aproximar literatura e teologia?

Waldecy Tenório – Você observou bem: a ideia do Sagrado e a relação entre literatura e teologia são temas centrais nesses dois livros, temas quase obsessivos que aparecem também em outros escritos meus. A experiência de ver esses temas na poesia de João Cabral foi uma verdadeira educação pela pedra. Diziam: João Cabral é ateu, não tem transcendência, não tem alma e tal… Ele mesmo alimentava isso e isso, por sua vez, alimentava minha pesquisa. Diziam: João Cabral é ateu.  Sim, e daí?  Deus também tem seu momento de ateísmo como nos lembra Chesterton. Mas ainda que João Cabral fosse simplistamente ateu, e não era. Uma coisa é o João Cabral empírico, outra coisa é a sua poesia. E essa poesia, como resumi-la?  Como a procura do “fino instante exato” em que o peixe (símbolo de Cristo ou da transcendência?) se pesque. O ponto de apoio era então a poesia de João Cabral. Já em Escritores, Gatos e Teologia  a pesquisa se abre para outros autores, quase todos também ateus, como esse extraordinário ateu que é Samuel Beckett, o tempo todo esperando Godot. Aqui entramos em contato com muitos autores e personagens como Virgílio e Dante, Dostoiévski e o Grande Inquisidor, Madame Bovary e Thèrese de Lisieux, Proust e Manuel Bandeira, Joyce e Santo Agostinho, Adélia Prado e Hilda Hilst, Riobaldo e o interlocutor cruel que o atormenta, Teilhard de Chardin e Saint-Exupéry, Drummond e Guimarães Rosa, os vagabundos de Beckett e aquela mulher de Sevilha dos poemas de João Cabral. E todos eles, ateus ou não, com suas perguntas pelo sentido nos encaminham para a teologia. O problema nisso tudo foi mesmo o computador,  que muitas vezes apagava o que eu escrevia, como uma atualização da ideia do inferno. Mas como quem pesquisa está sempre procurando a si mesmo, até o computador se tira de letra.

Ateliê – Fale um pouco de sua experiência como professor de literatura, lecionando introdução ao pensamento teológico.

Waldecy Tenório – Como no poema Morte e Vida Severina, eu procurava corromper com sangue novo a anemia religiosa que infectava muitos dos alunos. Às vezes dava certo, às vezes não. Era preciso cumprir programas e aquilo tomava muito tempo. Caia-se numa rotina desesperante e infelizmente era quase isso que se esperava. Eppur si mouve… Ainda bem, e quando se movia e dava certo, quando a bailadora ouvia a voz que lhe falava do fundo do tablado ou de sua própria vida, era sempre um deslumbramento. Um sorriso abria-se na face de cada um. Nós nos sentíamos conectados a uma internet diferente, e tome Drummond e Guimarães Rosa, João Cabral e Manuel Bandeira, poetas e escritores misturados com teólogos. Por um momento esquecíamos a vida que passa na televisão e ela se abria para outros sóis e outras verdades, a literatura mostrava a raiz teológica dos problemas humanos, e tudo era dádiva, e respirávamos outros ares e o mundo era uma diafania.

Ateliê – Como jornalista, o senhor foi colaborador de algumas revistas da Abril; editor do jornal O São Paulo, da arquidiocese de São Paulo; trabalhou em diversas editorias de O Estado de S. Paulo e encerrou sua carreira como um dos editores do suplemento “Cultura” deste jornal. Como o senhor vê a crítica literária feita atualmente pela imprensa brasileira?

Waldecy Tenório – Quase não vejo. E não digo isso como reparo aos poucos que ainda se ocupam de livros nas colunas dos jornais. Digo isso como um lamento por quase não termos mais espaço para isso, quase todo destinado aos assuntos que mais atraem os leitores. O “Cultura”, sucessor do famoso “Suplemento Literário” , abria-se para a crítica brasileira e estrangeira, era um espaço de debate de grandes temas. Não vejo hoje muito espaço nos jornais para isso. Mas se abrirem esse espaço…

Ateliê – O senhor assessorou o educador Paulo Freire na Secretaria Municipal de Educação de São Paulo. Como foi aquela experiência? Foi possível colocar em prática na rede municipal de ensino ideias pedagógicas tão reprimidas durante a ditadura militar?

Waldecy Tenório – Como um dos assessores, eu tinha uma função discreta que me agradava muito. Paulo Freire me encarregava de ler determinados livros e, em algumas tardes, fazíamos uma espécie de seminário particular sobre os temas que eles abordavam. Isso nos aproximou e ele me deu um livro com a dedicatória: “Como se fôssemos velhos amigos”. O fato é que esses “seminários” alimentavam os debates que fermentavam a vida intelectual dos professores da rede. E claro que sempre surgiam resistências…

Acesse o livro na loja virtual da Ateliê

Leia o release

Veja abaixo algumas fotos do lançamento.

Waldecy 1 Waldecy 3 Waldecy 2

 

Casa da Escrita: encontro com Beatriz Helena Ramos Amaral (Coimbra)

Beatriz HelenaCaros amigos do “Clube dos Amigos da Casa da Escrita”, na próxima segunda-feira, 14 de Abril às 18h00, decorrerá um encontro com a escritora brasileira Beatriz Helena Ramos Amaral, sob o lema: “A Música na Raiz do Poema: Interconexões e Ressonâncias”.

Nele percorreremos “A música na raiz: a poesia de Beatriz Helena Ramos Amaral” e “A trajectória poética de Edgard Braga”. A entrada é livre.

 

A Transmutação Metalinguística na Poética de Edgard BragaNa primeira parte, a poeta e ensaísta apresenta: poemas de sua autoria, do CD RESSONÂNCIAS (por ela gravado em 2010 em parceria com o músico Alberto Marsicano – voz/poesia e sitar indiano/MCK). São poemas pertencentes aos livros Alquimia dos Círculos (Escrituras Editora, 2003, São Paulo) e Luas de Júpiter (Anome, Belo Horizonte, 2007), poemas de Haroldo de Campos (do livro Crisantempo, Ed. Perspectiva, 1998) e um poema especialmente dedicado ao extraordinário poeta, tradutor, ensaísta, crítico e professor brasileiro. Leitura de poemas conjuntamente com o áudio do disco (em cânone).

Na segunda parte, discorre sobre sua pesquisa e seu recentíssimo livro A Transmutação Metalinguística na Poética de Edgard Braga (Ateliê Editorial, 2013), que traz prefácios de Augusto de Campos, Olga de Sá e Maria José Palo. Indicada pela PUC-SP como finalista do Prêmio ANPOLL 2008, a pesquisa de Beatriz aborda as várias fases da poesia de Edgard Braga (1897-1985), enfatizando o eixo metalinguístico que a percorre.

Casa da Escrita
Rua Dr. João Jacinto nº8,
Sé Nova – Coimbra
Tel. +351 239 85 35 90
http://casadaescrita.cm-coimbra.pt/

Edgard Braga

O longo percurso de sua produção literária (1933-1984) e seus treze livros publicados revelam uma intensa transmutação e a rica, polifônica e bem sucedida experimentação realizada a partir dos anos sessenta, em especial a poesia visual, os tatoemas, a poesia caligráfica, que, até hoje, influencia nomes como Arnaldo Antunes, Tadeu Jungle e Walter Silveira. Participou da Revista Invenção, conjuntamente com os criadores da Poesia Concreta Brasileira, Augusto de Campos, Haroldo de Campos e Décio Pignatari, chegando a coeditar a página literária Invenção, no início dos anos sessenta.

Debate sobre a produção cultural durante a Ditadura

O Memorial da América Latina promove neste mês de abril um ciclo de eventos que atualizam a reflexão sobre a Ditadura Militar brasileira. Na próxima quinta-feira, dia 17, o professor da USP Celso Favaretto, autor de TropicáliaAlegoria Alegria, irá debater sobre a produção cultural de resistência ao regime militar.

Biblioteca do Memorial da América Latina
quinta, 17/04, às 18h30 | tel. (11) 3823-4732
Entrada gratuita
Veja a programação completa

 

Tropicália: Alegoria Alegria, de Celso FavarettoTropicália: Alegoria Alegria

Celso Favaretto

Lançado em 1979, este estudo de Celso Favaretto tornou-se um clássico sobre o movimento da Tropicália, leitura imprescindível aos interessados pelo tema. O autor reconstitui os nexos entre as composições, os arranjos e as cenas que caracterizam os gestos particulares dos tropicalistas. Explica também as tendências gerais do movimento e mostra como ele desenhou uma nova estética para a música brasileira. Esta reedição, revisada e ampliada, conta com prefácio do músico e linguista Luiz Tatit. Mais detalhes

O fotógrafo Boris Kossoy é indicado ao Prêmio Brasil Fotografia Especial

Fotografia de Boris Kossoy, da série New York VA edição 2013 do Prêmio Brasil Fotografia indicou o fotógrafo Boris Kossoy para o prêmio especial pelo conjunto da obra e sua importante reflexão sobre a fotografia.

A comissão de Premiação foi composta por Cildo Oliveira, Eder Chiodetto Diógenes Moura, Maria Hirszman e Ronaldo Entler.

Natural de São Paulo, Boris Kossoy interessou-se desde jovem pela fotografia, uma paixão que perduraria ao longo de sua vida. Sua obra fotográfica se desenvolveu em quatro grandes áreas: profissional, acadêmica, institucional e artística. Em cada uma delas sua atuação tem deixado marcas e seguidores.

Assim como grande parte dos fotógrafos brasileiros de sua geração, Boris foi um autodidata; sua carreira profissional teve início em 1965 através do Estúdio Ampliart, atuando nas áreas de jornalismo, documentação e publicidade. Prestou serviços para jornais, revistas e veículos como Jornal da Tarde, Última Hora, Quatro Rodas, Manchete, TV Record, paralelamente a uma obra autoral que segue até o presente.

Arquiteto pela Universidade Mackenzie (1965); mestre e doutor pela Escola de Sociologia e Política de São Paulo (1977-1979). Iniciou-se no magistério em 1973, instalando o primeiro curso de fotografia da Faculdade de Comunicação Social Anhembi (SP), foi professor também do Curso de Especialização em Museologia, e da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação da UNESP (Campus de Bauru). Seu percurso na Universidade de São Paulo teve início em 1987; em 2000 prestou concurso para livre-docência e, em 2002, para o cargo de professor titular de Escola de Comunicação e Artes. Nessa instituição é pesquisador e professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação. Entre outras atividades é coordenador do Núcleo de Estudos Interdisciplinares de Imagem e Memória (NEIIM/LEER-USP).

Ao longo de sua carreira acadêmica a fotografia foi o centro das investigações em diferentes direções: teoria, história e poética. Enquanto historiador, teórico e pesquisador têm sua obra mais conhecida voltada à investigação da história da fotografia no Brasil e América Latina, aos estudos teóricos da expressão fotográfica e à aplicação da iconografia como fonte de investigação nas Ciências Humanas. Dentre seus trabalhos mais recentes como curador, é de se mencionar: “Círculo Fechado: os japoneses sob olhar do DEOPS” (Memorial da Resistência de São Paulo/Estadão Pinacoteca, 2009); “Horizontes, fotografias de Bruno Cals” (1500 Gallery, NY, 2012) e “Um olhar sobre o Brasil: a fotografia na construção da imagem da nação” (Instituto Tomie Ohtake/Ministério da Cultura/Fundação Mapfre, SP, 2012-2013 e circuito nacional).

Sua carreira autoral como fotógrafo esteve centrada principalmente no realismo fantástico e na busca de elementos de mistério que permeiam as cenas do cotidiano urbano e da natureza, percepção essa que chamou de “mundos paralelos”. Mostras individuais de sua obra fotográfica foram montadas no Museu de Arte de São Paulo, Universidade de Nova York, Centro de La Imagem (México), Museu de Arte da Bahia, Pinacoteca do Estado de São Paulo, além de ter participado de um número expressivo de exposições coletivas. Fotografias de sua criação encontram-se representadas, entre outras instituições, nas coleções permanentes do Museu de Arte Moderna (NY), Centro da Imagem (México, D.F), Instituto Smithsonian (Washington D.C.), Eastman House/Museu Internacional de Fotografia (Rochester, NY), Museu de Arte Moderna de São Paulo, Pinacoteca do Estado de São Paulo, além de coleções particulares.

É ampla a bibliografia sobre sua obra, publicada tanto no Brasil como internacionalmente. Kossoy é autor de 13 livros, entre eles, os clássicos: Viagem pelo Fantástico; Hercules Florence, a descoberta isolada da Fotografia no Brasil; São Paulo, 1900; Fotografia e História; Realidades e Ficções na Trama Fotográfica; Os tempos da fotografia, o efêmero e o perpetuo; Dicionário Histórico-Fotográfico Brasileiro; Boris Kossoy Fotógrafo e Um olhar sobre o Brasil; a fotografia na construção da Imagem da nação (coord.).

Em 1984, recebeu do Ministério da Cultura e da Comunicação da França, a condecoração: Chevalier de L’Ordre des Arts ET des Lettres pelo conjunto de sua obra.

O Ministério da Cultura e Porto Seguro Cia de Seguros Gerais convidam para a abertura da exposição dos trabalhos premiados, no dia 22 e outubro, às 19h, Espaço Cultural Porto Seguro, na Avenida Rio Branco, 1489.

Conheça os livros de Boris Kossoy publicados pela Ateliê Editorial

Faleceu este mês Paulo Penido, sobrinho de Pedro Nava

Lamentamos informar a morte de Paulo Menezes Nogueira Penido (1936 – 2013) ocorrida no dia primeiro de agosto, no Rio de Janeiro, cidade onde nasceu.

Paulo Penido era médico radiologista e reumatologista. Sobrinho da esposa de Pedro Nava, ficou com a incumbência de cuidar do acervo das obras de Nava. Pela Ateliê, publicou dois livros como organizador: Bicho Urucutum e Anfiteatro, nos quais conta sua convivência com o casal Nava, pois quando jovem morou com os tios. São casos curiosos e muito interessantes para conhecermos Pedro Nava como pessoa e médico. Seu irmão poeta Egberto Penido publicou o livro Sombras e Distâncias, também pela Ateliê.

Eromar Bomfim lança Coisas do Diabo Contra em Paraty

Cenas de crime e violência foram presenciadas no último sábado (6), durante a 11ª Feira Literária Internacional de Paraty. Não houve vítimas, apenas espectadores: era o lançamento do romance Coisas do Diabo Contra, de Eromar Bomfim, que teve trechos lidos pelos atores José de Abreu e Domingos Montagner. O evento lotou a Casa do Autor Roteirista, espaço que levou uma programação paralela de debates sobre literatura e audiovisual à Flip.

Nas palavras do autor, “o livro é a história de um assassinato e de um parricídio. Os personagens são revoltados por condição de fraqueza da humanidade, e conseguem resolver esta fraqueza por meio de gestos radicais e violentos”. A trama é contada por um ex-funcionário de Matias Tavares de Aragão, megaempresário cuja perda da mulher lhe causa uma epifania: só o crime justifica a existência. A partir de uma sombria proposta de negócios, ele envolve sua família em uma cadeia de episódios sangrentos. Sem entregar detalhes, o Bomfim completa: “Os personagens elaboram a ideia de que, pela posse do outro, há uma superação da morte”.

O livro tem projeto gráfico elaborado pela Casa Rex, do artista plástico Gustavo Piqueira.

Domingos Montagner (com José de Abreu ao fundo) lê trechos de Coisas do Diabo Contra

Domingos Montagner (com José de Abreu ao fundo) lê trechos de Coisas do Diabo Contra

Antes do lançamento, Eromar Bomfim participou da mesa “Sentidos do Crime: Formas Literárias de Tratar o Crime na Literatura e TV”, com Paulo Lins (Cidade de DeusSuburbia) e Luiz Eduardo Soares (Elite da Tropa), mediada pelo cientista político Carlos Novaes. Os autores falaram sobre suas linhas particulares de exploração do crime como objeto literário: Paulo Lins pelo viés social (“o crime como reação”), Luiz Eduardo Soares pela antropologia e Eromar pela investigação dos limites da crueldade — ou como acabou-se definindo no debate, “o crime como escolha”.

Eromar Bomfim (esq.) e Carlos Novaes durante o debate

Eromar Bomfim (esq.) e Carlos Novaes durante o debate

Após o debate e a leitura de dois trechos de Coisas do Diabo Contra — que deram ao público uma ideia das situações extremas a que Bomfim expõe seus personagens –, o autor iniciou a sessão de autógrafos. O livro também terá lançamento em São Paulo, que será anunciado em breve.

O editor Plinio Martins e Eromar Bomfim durante a sessão de autógrafos

O editor Plinio Martins e Eromar Bomfim durante a sessão de autógrafos