“Leituras Imediatas”, por Aurora Bernardini*

O livro  póstumo de Jerusa Pires Ferreira ( 1938-2019) , Leituras Imediatas (Ateliê, 2019) é o último mergulho no “Grande Texto” ao qual dedicou a maior parte de seus anos, O Cordel: Tradição e Vida.

É o “Grande painel da literatura popular em verso” que ela percorreu desde as projeções medievais do clássico Cavalaria em cordel ( sua dissertação de Mestrado – Hucitec, 1979- Edusp, 2016), até as periferias de cidades como a São Paulo, Cultura das bordas ( Ateliê, 2010), passando pelo misticismo de O livro de São Cipriano –  Uma legenda das massas ( sua tese de Livre docência – Perspectiva, 1992),  pelos Contos Russos no Sertão (Matrizes impressas do Oral- Ateliê, 2014) e etc.,  chegando a essas Leituras Imediatas ( Ateliê, 2019), que acaba de ser publicado.

Afora alguns folhetos  de cordel sobre as guerras contemporâneas, como a das Malvinas (1980) e do Golfo (1990) e outros, mais recentes,  – prova de sua atualidade — o que o livro de Jerusa acompanha é  a grande deslocação que há hoje no que se refere à recepção e à fatura desses folhetos. Os custos de produção, mesmo em edições de pequeno fôlego, as dificuldades de encontrar patrocinadores, mesmo garantindo-lhes a propaganda, leva muitos de seus autores a produzirem  para “turistas de cultura” ou sob encomenda, onde porém, com sua manobra “ arcaizante” , em vários níveis, conservam seu caráter de  oposição à literatura oficial, de contestação de valores sociais, mas não contra a lei do país.

No Programa Geral apresentado em Salvador pelo jornal Trovador, durante o II Congresso Nacional de trovadores e violeiros (1960), por exemplo, nota-se que ocorre, segundo Jerusa, o seguinte: “…mascara-se o habitual, sublima-se e tenta-se conseguir, através de um modelo de ordem hierárquica, a aprovação para uma espécie de ‘ impunidade’[…] pulsam-se anseios, problemas, posturas e expectativas de grupos sociais que não tem sido inscritos na ‘História da Cultura Brasileira’ a não ser como ‘ Folklore’.”

Infelizmente, diz Jerusa, esse termo foi assumindo a acepção corrente (norte-americana) de “cultura de massa”. Entretanto, diz Alejo Carpentier, citado por ela (p.101): “ Folclore – na América Latina, é uma palavra que deve ser pronunciada com um tom grave e fervoroso […] é preciso retornar às fontes do folclore” .

Ela mesma apresenta, nesse sentido, sua primeira conclusão:

“Tendo recolhido, recentemente, muito material para sistematizar, percebi o quanto está por fazer. Os trabalhos de mapear, recolher, registrar os produtores dessa literatura em todo o país, daquela tradicional, da efetiva nova e da circunstancial, de modo crítico e com o recurso de várias disciplinas, o convívio profundo com o tema, o conhecimento de uma retórica e de uma linguagem próprias deverá anteceder, a meu ver, os diagnósticos apressados que transformaram os estudos das chamadas culturas populares numa festa de enganos. E justamente toda uma produção oral/impressa popular, que é  uma das mais importantes e intensas manifestações culturais do Brasil, constituindo-se também em documento para a construção  de nossa condizente História Social “ (p.84)

Sua segunda conclusão já penetra tout court nos domínios do artístico. Dentro e fora da “arte popular” há alguns cordelistas que por seu estilo, por sua originalidade, por sua “ força de dizer” – por sua poética , enfim — , há tempo deveriam estar incluídos na História da Literatura Brasileira. Jerusa cita  vários, entre os  quais se destaca, indiscutivelmente, o paraibano Leandro Gomes de Barros ( 1865 -1918), segundo o próprio  Carlos Drummond de Andrade:  “o rei da poesia do sertão e do Brasil”.” Não seria a hora “ – diz Jerusa ( e dizemos nós, perpetuando sua memória) – “ de estudiosos, universitários, autores de Histórias da Literatura Brasileira, incluírem, em seus repertórios, um poeta dessa grandeza?”

* Escritora, pintora, tradutora. Possui doutorado em Letras (USP) e é professora titular da Universidade de São Paulo (USP). Departamento de Letras Orientais (DLO), Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), Universidade São Paulo (USP).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *