Daily Archives: 04/07/2019

“O Cortiço”, de Aluísio Azevedo

Um lugar com vida própria. Assim é O Cortiço, de Aluísio Azevedo, o mais exemplar romance realista-naturalista brasileiro. Nos romances naturalistas, como é o caso deste, o lugar define o caráter e a personalidade das pessoas que ali vivem. O autor maranhense (1857-1913) parte dessa premissa e cria uma obra de arte que traduz essas ideias aos transformar o cortiço onde se passa a ação no personagem principal do livro.

O naturalismo é uma estética que se baseia na percepção da realidade. Mas não tem o “verniz” do realismo e mostra, sem idealizações ou máscaras, a miséria humana: violência,  mesquinhez, crimes, sede por ascensão social, falta de caráter, patologias físicas e psíquicas. O que há de pior no caráter humano vem à tona na narrativa naturalista, cujo tom é de forte crítica social. A sexualidade não raro está ligada a adultério ou a práticas condenáveis pela moral social do século XIX.   

Em O Cortiço, Aluísio Azevedo mostra o lado mais marginal da sociedade carioca do século XIX, em um momento no qual a paisagem urbana sofria mudanças importantes, como o surgimento das primeiras favelas e a aglomeração das pessoas mais pobres em cortiços, nos subúrbios e morros, fora das áreas centrais. O autor, muito interessado em pintura e desenho, faz um verdadeiro retrato desse momento, não apenas da paisagem urbana, mas dos tipos humanos e de suas motivações mais sórdidas – sempre exagerando mas tintas, como é típico do naturalismo.

Personagens e enredo

Se o cortiço é o personagem principal do romance, os tipos que vivem ali não são menos interessantes. Tudo é narrado com um realismo impressionante. É quase possível sentir o mau cheiro do ambiente, ouvir as gritarias das brigas e perceber, com asco, tudo o que acontece ali. Um narrador em terceira pessoa, onisciente, aumenta a sensação do leitor de que tudo ali pode ser julgado e analisado sob um ponto de vista determinista.

O cortiço é construído pelo português João Romão, também dono de uma pedreira, onde trabalham Jerônimo. A ambição de João Romão por ascender socialmente não tem limites e ele, sem escrúpulos, utiliza de meios ilícitos para enriquecer. Inclusive, mente, dizendo à Bertoleza, sua amante, que ela é uma escrava alforriada, mas, quando lhe convém, a denuncia ao verdadeiro dono.

O também português Miranda torna-se vizinho do cortiço, mas ao contrário de João Romão, tem acesso à alta sociedade, o que desperta a atenção deste. João Romão passa a se aproximar de Miranda para tentar ascender socialmente e a disputa pelo espaço do terreno entre eles arrefece em nome de outros interesses: o casamento entre João Romão e Zulmira, filha de Miranda. Em nome desse acordo, João Romão denuncia Bertoleza, que é devolvida a seus donos. Na casa mais próspera, a moral também não é ilibada: a mulher de Miranda, Estela, é infiel ao marido.  

Quanto a Jerônimo, a princípio ele é um personagem  honesto, forte e de caráter nobre. Entretanto, depois de se envolver com Rita Baiana, acaba por assassinar o namorado dela, Firmo e abandona a esposa para viver com Rita, mulata que seduzia por sua maneira de dançar. Torna-se então relapso e decadente, enquanto a mulher que abandonou em troca de Rita, chamada Piedade, torna-se alcoólatra.  

A decadência de caráter (que, na tese do autor é provocada pelo ambiente em que os personagens vivem) também atinge Pombinha, moça virgem que espera a primeira menstruação para poder se casar. Ela é seduzida pela prostituta Léonie e passa a viver uma vida de “lascívia” (já que no século XIX a homossexualidade era considerada doentia).

Tudo, em O Cortiço, é justificado pelo clima e pelo ambiente em que os personagens vivem. O sol e o calor são motivos para a preguiça e a luxúria, confirmando teorias muito em voga na época em que o livro foi escrito.

O Cortiço, de Aluísio Azevedo, é parte da Coleção Clássicos Ateliê