Um poema em homenagem a Jacó Guinsburg

Um poema em homenagem a Jacó Guinsburg

Falecido no final de outubro, aos 97 anos, o tradutor, ensaísta e editor Jacó Guinsburg tem sido frequentemente homenageado, dada sua grande importância para o mercado editorial brasileiro. Autor de diversos livros, seu único título de poesias próprias, Jogo de Palavras, foi publicado meses antes de seu falecimento pela Ateliê Editorial.

A seguir, o arquiteto Jacó Sanowicz homenageia o grande editor com um poema, escrito após a leitura de “Jogo de Palavras”. “Li e reli os poemas durante uma noite quase inteira e de manhã resolvi escrever para ele. Sabia que era o único [livro] de poesia, apesar de [esta] estar embutida em todo o seu trabalho”, explica. Leia o poema a seguir:

 

parceiros parceiras,

ao jacó guinsburg

 

não me isento,

risco

corro o risco

que não risco

arrisco,

contrato refrato

distrato trato

no embalo

sussurro grito falo,

sangro aberto, forte,

meu norte,

verdadeiro magnético

imagético

declinado mágico

universo peito, pleito,

conceito respeito

Assinado: pelhtale

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *