Lincoln Secco lança “A Batalha dos Livros. Formação da Esquerda no Brasil”

Marc Bloch afirmou que, no desenvolvimento de uma disciplina, há momentos em que uma síntese, mesmo que pareça prematura, é mais importante do que várias monografias de análise. Isso porque, por vezes, é mais importante enunciar as questões principais, do que resolvê-las todas. A habilidade enunciada pelo historiador dos Annales é uma das muitas qualidades da nova obra do professor de História Contemporânea da Universidade de São Paulo, Lincoln Secco, cujo estilo ensaístico e sintético já foi visto no grande sucesso da produção historiográfica, História do PT, que atingiu a quinta edição em poucos anos.

A Batalha dos Livros. Formação da Esquerda no Brasil nos fala sobre mais de um século e meio de história das relações entre as esquerdas e os livros – grande parte deles perseguidos por terem sido considerados perigosos. O subtítulo pode ser lido de duas maneiras. O termo “formação”, que estampou algumas das obras mais importantes do pensamento social brasileiro, confere sentido ao objeto estudado. Partindo do ponto de vista histórico, ajuda-nos a compreender a formação da esquerda brasileira em sua atual configuração. Não apenas da esquerda, mas todo o campo da política no Brasil.

O outro sentido que assume o subtítulo desvela o conteúdo original do texto em relação à historiografia das ideias socialistas e do movimento operário. Conectado ao título, A Batalha dos Livros, aponta-se a formação da “infraestrutura intelectual” dos partidos e movimentos de esquerda e a formação dos militantes. Lincoln Secco busca em sua obra jogar nova luz sobre os aparatos de formação política e ideológica: editoras, livrarias, bibliotecas, escolas de quadros, jornais, revistas, livros etc., temas os quais o historiador e bibliófilo de esquerda, Edgard Carone, estudou pioneiramente nos anos 1980, mas cujos desdobramentos vêm criando especiais frutos apenas nesta década.

O autor assinala que um dos sentidos menos estudados da prática de esquerda no Brasil foi seu aparato de formação política e ideológica, demonstrando o fio que conduzirá a trajetória da esquerda narrada no livro. Com os subtítulos que dividem o prefácio, “ciclos políticos do livro” e “depois de 1964”, o autor antecipa os contornos gerais da periodização seguida nos capítulos do livro: iniciando com as primeiras leituras socialistas e anarquistas, passando pelo período de afirmação e posteriormente de hegemonia da produção ideológica comunista; chegando então à ruptura ocasionada pela repressão ditatorial, que iniciará um novo ciclo político da história do livro de esquerda. Tal história passará pelos anos 1980, quando a maior parte da esquerda unir-se-á sob uma formação partidária, o Partido dos Trabalhadores, desembocando no período atual, marcado pelo surgimento de novas formas de circulação das ideias.

As 240 páginas do livro estão divididas em cinco capítulos, além de um prefácio, uma conclusão e um apêndice que apresenta uma série de dados sobre a atividade editorial das esquerdas e levantamentos sobre estimativas de membros e simpatizantes de partidos e outras organizações de esquerda no Brasil, os quais apontam os leitores potenciais da literatura socialista. A Batalha dos Livros. Formação da Esquerda no Brasil vem a lume como referência incontornável para a história intelectual e para a história dos livros e da edição, além de se inscrever no vasto nicho da história política, abrindo todo um campo de investigação na historiografia brasileira. É obra necessária e sem igual para a compreensão de nosso país.

Conheça as obras de Lincoln Secco

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *