Daily Archives: 15/11/2017

Traduzir para aproximar o leitor do texto

Álvaro Faleiros explica as motivações que o levaram a traduzir Mallarmé

Renata de Albuquerque

“Un coup de dés jamais n’abolira le hasard”. Os hoje muito conhecidos versos de Stéphane Mallarmé (1842 – 1898) certamente foram um desafio no século XIX, não apenas para leitores, mas também para intelectuais. Tido como o primeiro poema tipográfico de que se tem notícia, o texto pode ser considerado revolucionário. No Brasil, a tradução do poeta concretista Haroldo de Campos tornou-se icônica. Icônica, mas não única.

Álvaro Faleiros, poeta, compositor, tradutor e professor livre-docente de Literatura Francesa da USP contribuiu grandemente para essa fortuna crítica com sua tradução de “Um Lance de Dados“, que agora chega à segunda edição. Para falar sobre o trabalho, o Blog da Ateliê entrevistou-o:

Traduzir Mallarmé é, por si, um desafio, que deve ter sido ainda maior porque a tradução do poeta Haroldo de Campos é um marco da literatura brasileira. Poderia nos falar sobre como foi essa experiência? Que desafios enfrentou?

Álvaro Faleiros: Como digo na orelha, a retradução nasceu de uma necessidade de sala de aula. Apesar de deslumbrante, a tradução de Haroldo de Campos torna o texto de Mallarmé ainda mais opaco. O grande desafio foi aderir mais ao texto mallarmeano, sem tanta liberdade de invenção.

O senhor escreve, no texto “Refrações sobre Um Lance de Dados de Mallarmé” que “uma boa tradução acaba por provocar uma outra ainda”. De que maneira seu trabalho foi provocado pelo trabalho de Campos?

AF: Haroldo de Campos fez uma tradução de invenção, o contraponto que me pareceu necessário foi o de uma tradução na busca de maiores correspondências semiótico-textuais.

Que inquietações estão postas em sua tradução?

AF: A necessidade de cada tempo de produzir sua própria historicidade.

O poeta Stéphane Mallarmé

Houve alguma preocupação, de sua parte, em deixar a tradução menos erudita do que aquela proposta por Campos? Por quê?

AF: Não creio que  palavra seja “menos erudita”, mas sim, “mais aderente” ao texto de Mallarmé, pois assim poderia ajudar o leitor brasileiro a aproximar-se um pouco mais do texto.

Que influência a tradução feita por Haroldo de Campos  exerceu sobre seu trabalho? Como avalia essa relação entre ambos os resultados, já que o senhor sugere, no texto de abertura do volume, em uma nota de rodapé, que se coteje sua tradução com o original e com outras traduções, citando, neste caso, a de Campos?

AF: Haroldo de Campos é o primeiro grande teórico da tradução poética no Brasil. Qualquer estudioso que queira se debruçar sobre a poética do traduzir entre nós deve conhecer sua obra. No meu caso, creio prestar-lhe homenagem ao produzir deslocamentos teóricos e práticos a partir do que ele fez. Assim, retraduzir Mallarmé significa, nesse caso, preencher uma lacuna deixada, isto é, permitir ao leitor lidar com nuanças macro e micro-textuais sobretudo de ordem mais imagética.

No texto que abre o volume, Marcos Siscar afirma que “A dificuldade e a estranheza de Mallarmé nos interessariam, hoje, por motivos diferentes daqueles que a destacaram no século passado”. Quais seriam estes motivos, em sua opinião? 

AF: Mallarmé não precisa ser compreendido apenas como um poeta de vanguarda, ele pode ser lido como alguém que se move em diálogo mais delicado com a tradição, vide o que fez com o soneto e o verso octossilábico; este é o caminho da leitura proposta por Siscar.

E ainda: pessoalmente, por que esta obra de Mallarmé despertou seu interesse como tradutor?

AF: Nesse caso específico foi a dificuldade de meus alunos de ler a tradução do Haroldo de Campos em sala; quis dar a eles uma tradução que os ajudasse de algum modo a lidar com as opacidades do texto sem acrescentar-lhe outras.

Sua tradução leva em conta o que o senhor chamou de “redes semânticas que permeiam o universo do poema”. Como foi construído esse aspecto do trabalho?

AF: Não se trata de “criar enredamento”, mas de explicitar os que se encontram no texto, por exemplo, lidar com nuanças imagéticas e semânticas como a sutil distinção que existe em francês entre “abîme” e “gouffre” e que não foi trabalhada na versão haroldiana.

Em seu texto “Refrações sobre Um Lance de Dados de Mallarmé”, o senhor escreve: “Neste poema, o itálico marca graficamente a hipótese do número, da linguagem – o Ser – ante a eterna tese do acaso – o Nada”, trecho que nos remete ao texto de Sartre, de título “O Ser e o Nada”. É possível fazer alguma relação entre sua tradução e a obra de Sartre – ou, por outra: a obra de Sartre exerceu algum tipo de influência no seu trabalho de traduzir Mallarmé?

AF: Não, Sartre não me influenciou diretamente, apesar de eu reconhecer que a visada mais ontológica da obra de Mallarmé por ele tratada também permeia de algum modo a leitura por nós proposta.