As canções preferidas

Conheça quais foram as canções de Chico Buarque que a pesquisadora Adelia Bezerra de Meneses na enquete da Folha de São Paulo, que elegeu “Construção” a canção mais icônica do compositor. Ela é autora de Desenho Mágico – Poesia e Política em Chico Buarque e Figuras do Feminino na Canção de Chico Buarque,

CALA A BOCA BARBARA

Uma das mais intensas canções eróticas, que no entanto pode ser lida também no registro político. Há aí uma sobreposição das imagens da mulher e da terra (teluricamente considerada, com seus rios e  braços, relva e vazantes);  da mulher e da pátria pela qual se luta (nas trincheiras, nas entranhas). O refrão, à força de repetição,  recompõe o nome amado, o nome interdito: “CALA a boca BÁRbara”  —  CALABAR.

 

TODO SENTIMENTO      

Inapelavelmente lírica,  consagrando entre nós  a expressão “tempo da delicadeza”, essa canção redimensiona a categoria “tempo” (em violenta contraposição a “Roda Viva”, por exemplo). Só a maturidade poderia desvendar essa dimensão, a da reparação:  “preciso descobrir / no último momento / um tempo que refaz o que desfez / que recolhe todo o sentimento / e bota no corpo uma outra vez”.

 

O QUE SERÁ

Alçando os marginais e desvalidos a protagonistas da História  nessa sociedade de tão fundas sobrevivências oligárquicas, essa é uma grande canção  utópica, visionária e épica: um canto libertário e político, em que lateja o Eros do povo.

 

CONSTRUÇÃO 

Construção é realmente um texto emblemático da poesia “social” de Chico Buarque, um testemunho doloroso das relações aviltantes entre o capital e o trabalho. Nessa canção, tanto o protagonista (um elemento do proletariado, operário não qualificado da construção civil ) , quanto o enredo (a morte subsequente à queda dos “andaimes pingentes” , atrapalhando o sábado e o tráfego) e o tema dessa canção (a reificação do ser humano, e seu posterior aniquilamento, devido a condições de trabalho desumanizante) fazem dela uma canção paradigmática da “vertente crítica”. Mas o que é extraordinário é que essa canção que passa com tamanha força um recado social, seja uma das de mais rigoroso travejamento formal, e na qual a crítica à sociedade se faz através da linguagem. Com efeito, se formos analisá-la, além da intercambiabilidade das proparoxítonas, que apontam para o caráter eminentemente “substituível” daquele ser humano,  vemos que se deflagra, depois da queda e  morte do pedreiro,  uma desarticulação da linguagem, que se torna um ícone do corpo despedaçado do pedreiro, e do corpo social fragmentado. ”. O pedreiro sobe para cair: é essa a única ascensão que a vida lhe permite. E o resultado da queda é o despedaçamento. “Este é um tempo de homens partidos”, diz o Drummond de “Nosso Tempo” (referindo-se, por sinal, a uma outra Ditadura, a da época getulista). Construção é de um disco de 1971. Realmente, o mundo dos exílios, prisões, torturas e morte é um mundo dilacerado, desintegrado. Mundo da fragmentação, mundo de “homens partidos”. Em “Construção” pode-se decodificar não apenas o “problema social” do operário não qualificado, que se expõe à morte pela precariedade das condições de trabalho, mas, alargando-se o campo, pode-se ver aí a alegoria do corpo social fragmentado, de uma sociedade desintegrada e mutiladora, que isola os indivíduos.  Como nas grandes obras primas, detecta-se em sua estrutura as linhas de força da sociedade na qual ela foi engendrada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *