Enquanto eu lia

Eliane Fernandes*

Você que é viciado em ler, assim como eu, já percebeu que quando estamos lendo acontecem coisas não programadas? Parece que o universo conspira contra nossa leitura!O telefone que toca –  e é sempre aquela pessoa que fala mais que tudo no mundo; o marido resolve conversar sobre a relação ou a educação dos filhos. Ele teve a hora do jantar toda ou o caminho pra casa, mas é só pegar um livro que o assunto brota. O cachorro que pede atenção, muitas vezes latindo, subindo no colo e, nos casos mais desesperadores, roubando o livro da sua mão; a mãe que quer mostrar uma receita nova que ela resolveu fazer no almoço de domingo ou aquela sede momentânea que dá mesmo que você tenha acabado de beber alguma coisa.

Quando não se tem o costume de ler, existem muitas barreiras a serem conquistadas. No meu caso, a concentração foi o maior desafio. Eu começava a ler e logo estava pensando na roupa que usaria no dia seguinte; no que comeria no jantar ou coisas assim.

Mas o que mais me lembro é das situações inusitadas que minha falta de concentração observava. Eu leio muito no ônibus. No inicio, como não conseguia me concentrar, minha mente vagava pelas ruas junto com o ônibus. Muitas vezes, nós mesmos nos boicotamos. Um livro que hoje leio em 3 dias, eu levava 10 ou 15 dias pra concluir. Como eu superei isso? Treino. Muito treino. Eu lembro que eu me perdia no meio da leitura e tinha que voltar do começo. Qualquer barulho tirava minha concentração. Hoje eu leio com fone de ouvido. Parece estranho, mas eu nunca lembro o que eu ouvi, porque eu entro de uma maneira nas páginas que me esqueço do mundo.

Mas, mesmo assim, algumas situações tiram a concentração.Eu leio a caminho do trabalho e na volta para casa. Independente do que estou lendo, as pessoas me olham como se estivesse fazendo algo anormal. Só avisando: Ler é normal! Outro dia, estava eu no ônibus e um senhor passou a catraca e foi procurar assento. Quando passou por mim, ele percebeu que estava com um livro. Em vez de perguntar qual era o nome do livro ele simplesmente parou do meu lado e tentou ler o título, só que para isso ele esqueceu de se segurar e o ônibus estava em movimento. Resultado: o senhor quase caiu. Se tivesse perguntado nada disso teria acontecido, mas enfim, são situações que não pedimos para acontecer, são situações que acontecem e nos fazem pensar.

Primeiro que a cultura brasileira não é de incentivo a leitura e a segunda é que muitas pessoas têm dificuldade de aceitar as pessoas lendo em público. Por outro lado, quem gosta de ler se congrega. Ler livros pode ser fonte de amizade. Por diversas vezes eu fui à livraria e sempre tem alguém que se aproxima perguntando qual obra estou levando. Isso já basta pra trocar contatos e manter uma conversa sobre livros. Depois que eu comecei a ler eu descobri que as pessoas a minha volta também leem, e é muito legal pois trocamos experiências e livros. De certo modo os livros me aproximou mais das pessoas. E sou grata por isso.

Cada livro aberto é um novo momento, um novo enredo e diversas novas possibilidades.

 

*Filha mais velha de uma família simples da capital da cidade de São Paulo, terminou o ensino médio em 2005. Formada em Ciências Econômicas, especializada em Finanças e prestes a tornar-se especialista em Perícia Criminal e Ciências Forenses.

  2 comments for “Enquanto eu lia

  1. André Isaac
    08/06/2017 at 16:21

    Legal! Parabéns Eliane.

  2. Nani
    13/06/2017 at 17:38

    Muito bom, parabéns escritora!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *