Cartas a Miranda, de Quatremère de Quincy, ganha primeira tradução em português

Ao tratar de temas como preservação e transferência de obras de arte, obra de 1796 guarda íntima relação com a atualidade

TesteQuatremère de Quincy publicou as Cartas a Miranda em 1796. O destinatário seria o general Francisco de Miranda, que propôs que Quatremère abordasse, sob o ponto de vista das artes, os perigos de espoliação dos monumentos de Roma depois das vitórias do General Bonaparte no norte da Itália. Por isso, as cartas abordam questões como preservação e o problema da transferência de obras de arte, questões entrelaçadas com a teoria do autor de como se aprende o fazer artístico e a apreciar a produção artística.

Cartas a Miranda: Sobre o Prejuízo que o Deslocamento dos Monumentos da Arte da Itália Ocasionaria às Artes e à Ciência tem tradução e organização dos pesquisadores Paulo Mugayar Kühl, professor do Instituto de Artes da Unicamp, e Beatriz Mugayar Kühl, professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Usp. No livro, eles mostram que Quatremère de Quincy elabora de maneira original a intrínseca relação da obra com o contexto em que está inserida, e a importância capital desse contexto, entendido de modo alargado, abarcando variados aspectos como o clima, as formas da natureza, as fisionomias, as lembranças e as tradições locais, os jogos, as festas. Trabalha de modo articulado com aquilo que hoje chamamos de patrimônio material e imaterial, mostrando sua inter-relação e o fato de serem inseparáveis. A obra amplia os horizontes de reflexão da preservação de monumentos históricos e dá passos essenciais para a formação do campo disciplinar do restauro, que ocorre posteriormente. “Quatremère desenvolve seu raciocínio a partir de uma base ética em prol do interesse público e do bem comum”, afirma Beatriz Mugayar Kühl. “Seus textos oferecem vários pontos para reflexão e antecipam algumas das principais vertentes de atuação do século XIX, que ofereceram bases essenciais, a partir de releituras críticas, ao pensamento sobre o restauro ao longo do século XX, e até os dias de hoje”, conclui.

Em Cartas a Miranda: Sobre o Prejuízo que o Deslocamento dos Monumentos da Arte da Itália Ocasionaria às Artes e à Ciência os organizadores apresentam ainda ensaios introdutórios que precedem a tradução. No primeiro, Paulo Mugayar Kühl aborda o problema da transferência de obras de arte, inclusive no que respeita a repercussões para o Brasil. No segundo, Beatriz Mugayar Kühl explora algumas das questões levantadas por Quatremère de Quincy em suas implicações para a preservação de bens culturais.

 

Serviço

Cartas a Miranda: Sobre o Prejuízo que o Deslocamento dos Monumentos da Arte da Itália Ocasionaria às Artes e à Ciência

Formato: 20 x 12, 5 x 0, 8 cm

Número de páginas: 144

ISBN: 9788574807362

Preço: R$ 28,00

 

Sobre a Ateliê Editorial

A Ateliê Editorial está no mercado desde 1995, atuando principalmente nos segmentos de literatura – ensaios, crítica literária e outras matérias de natureza acadêmica; comunicação e artes; arquitetura; edição de clássicos da literatura; e estudos sobre o livro e seu universo. O objetivo desta casa é levar ao público leitor livros de alta qualidade editorial, em edições cuidadosas que primam pela atenção ao conteúdo, à forma e à expressão. Isso transparece tanto nas capas quanto no rigor e fidelidade textual, o que pode ser comprovado pelos diversos prêmios nacionais e internacionais já recebidos pela editora – como Jabuti, APCA e IDA International Design Awards (EUA).

Site: www.atelie.com.br

Blog: blog.atelie.com.br 

Twitter: @atelieeditorial

Facebook: https://pt-br.facebook.com/atelieeditorial

 

Contatos para Imprensa:

Milena O. Cruz

imprensa@rda.jor.br

Tel: (11) 4402-3183

Cel: (11) 98384-3500

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *