Ateliê em clima de Olimpíadas

É tempo de Jogos Olímpicos. Em todos os lugares, as vitórias, as medalhas e as conquistas fazem parte das conversas. Mas, o que isso tem a ver com livros? Tudo!

A Ateliê tem diversos títulos premiados pelas mais importantes instituições do mundo e, por causa das Olimpíadas, resolvemos reuni-los e celebrar a data com descontos campeões.

Rodrigo LacerdaO Mistério do Leão Rampante 

Para livrar-se de um feitiço que a impede de amar, uma jovem inglesa do século XVII recorre aos mais diversos tratamentos – até conhecer o poder curativo do teatro. Narrada com humor refinado, a história tem Shakespeare como um dos personagens. O Mistério do Leão Rampante foi a estreia de Rodrigo Lacerda na ficção e o primeiro livro editado pela Ateliê Editorial.

Prêmio Jabuti 1996
Prêmio Caixa Econômica/CBN de Autor Revelação 1995

 

Orlando Furioso (Jabuti Tradução 2003)orlando

““Eu não sou quem pareço””, diz Orlando, enfurecido de paixão amorosa. Sua figura tresloucada era o que sobrara do paladino cristão, exemplo de sensatez. Narrada, ou melhor, cantada pela insuperável poesia de Ludovico Ariosto, criador de um universo que fascinou Cervantes e Voltaire, Bandeira e Borges. Publicado há quase cinco séculos (1516, com edição definitiva em 1532), Orlando Furioso é contemporâneo de nosso mundo, sempre a ponto de enlouquecer por “armas e amores”. Este primeiro volume em edição bilíngue e ilustrada por Gustave Doré traz 23 dos 46 cantos desta obra-prima da literatura mundial.

Vencedor do Prêmio Jabuti de Tradução de 2003

 

Sem título-2O Filho do Crucificado 

O Filho do Crucificado contém uma novela, que dá nome ao livro, e cinco contos, reunidos sob o título ““Flores e Pele à Flor da Pele””. Em todas essas narrativas, o jornalista e escritor Nelson de Oliveira trata de um tema que assombra a humanidade desde sempre: o fim do mundo. De um intercurso sexual com Deus a um bizarro suicídio coletivo, as situações envolvem o leitor da primeira à última linha. Em 2000, este foi considerado o melhor livro de contos pela Associação Paulista dos Críticos de Arte.

Prêmio APCA Melhor Livro de Contos de 2000.

 

O Altar e o Trono – Dinâmica do Poder em O Alienistaaltar e trono

O Altar & o Trono traz minucioso levantamento dos discursos artísticos e culturais de que Machado de Assis se apropriou para escrever O Alienista. Ao mesmo tempo, analisa os processos retóricos em que se articulam as matérias. Lidando com questões polêmicas no Segundo Reinado, Ivan Teixeira preserva o máximo de imparcialidade no resgate do ambiente de produção e de circulação de O Alienista. O leitor encontrará neste livro hipóteses estimulantes para uma revisão conceitual de Machado de Assis. Pela primeira vez, o artista é examinado em intrínseca relação com os signos de sua época e em sua condição de homem de imprensa: associado a grupos de poder, afeito à dinâmica dos periódicos, atento à reciprocidade dos compromissos e integrado com projetos editoriais. Consciente do princípio de mobilidade cultural, O Altar & o Trono descobre e investiga, ainda, o empenho de Machado de Assis no projeto de incorporação da elite feminina aos núcleos letrados do Segundo Reinado.

Prêmio José Ermírio de Morais da Academia Brasileira de Letras 2011
Coedição: Editora Unicamp

 

de olhonamorteDe Olho na Morte e Antes 

Conheço Fernando Fortes, que a gente chamava de Carlos Fernando, quando éramos ambos jovens, ele mais novo que eu, impetuoso e comunicativo. Já então revelava um modo próprio de fazer seus poemas, que, mais apurados, publicaria depois em vários livros.
Estes poemas de agora têm outro tom e outra feitura. Fala-nos de alguém que já viveu uma longa vida, que experimentou as alegrias e sofrimentos por que todos passamos, de uma maneira ou de outra. É esse outro Fernando que estes poemas nos mostram, alguém que sofreu um duro golpe: a perda de um filho. Alguns deles nos falam dolorosamente dessa perda, enquanto outros, ainda que versando temas diversos, trazem a marca dessa dor presente. Isso não impede, porém, que ele consiga nos comover também com os achados poéticos, nascidos do domínio do verso e da palavra, que foi sempre uma qualidade sua. Como poeta que é, realiza a alquimia que transforma a dor em alegria. –[Ferreira Gullar]
Prêmio Literário Nacional Pen Clube do Brasil 2013.

Clichês Brasileiros

SONY DSC

SONY DSC

Utilizando-se apenas de imagens de um antigo catálogo brasileiro de clichês tipográficos (Catálogo de Clichês D. Salles Monteiro, publicado em edição fac-similar pela Ateliê Editorial, em 2003), Gustavo Piqueira compõe uma inusitada narrativa visual contemporânea em seu novo livro, Clichês Brasileiros.
Os clichês tipográficos eram matrizes, gravadas em madeira ou metal, utilizadas como complemento figurativo ao conteúdo textual no processo tipográfico de impressão, método dominante na produção de impressos durante quase cinco séculos.
Mas o título do livro não se deve exclusivamente às matrizes usadas para a confecção das ilustrações. A cada virada de página, topamos com outro tipo de clichês brasileiros: dos históricos, como a chegada dos portugueses, a catequização dos índios ou os ciclos do café e do ouro, até clichês do Brasil de hoje, cheio de engarrafamentos, dívidas, condomínios fechados e alienação. Todos retratados com sutil irreverência e grande riqueza gráfica.

O livro possui capa em lâmina de madeira impressa em serigrafia, fixada com fita adesiva, e tem tiragem única de mil exemplares numerados.

Prêmio Good Design Awards 2013

Prêmio If Design Awards 2013

Prêmio Lusófono da Criatividade 2014

 

 

barrocoO Esplendor do Barroco Luso-Brasileiro

O que é o Barroco? Um universo onde todos componentes se interagem atingindo variedade e unidade indivisível. Nele as diferentes disciplinas artísticas atuam de forma integrada capazes de suscitar profundas emoções no observador, mobilizando recursos cenográficos, com vistas a atingir clima triunfante ou dramático.
Na arquitetura, onde indiscriminadamente são acolhidas as demais artes, as formas adquirem linguagem própria, movimentando-se e assimilando variadas formas de expressão: colunas torsas, ornatos, formas tomadas à natureza ou a pintura ilusionística capaz de romper a limitação da cobertura e induzir o observador a ingressar nas alturas celestes.
Objetiva o presente livro, produto de circunstanciado trabalho de pesquisa, oferecer ao leitor a oportunidade de ingressar e usufruir da riqueza desse universo com suas emoções e sua capacidade de surpreender e despertar inquietações. Estudo do ambiente humano construído e seus equipamentos enquanto produção histórico-social em que se conjugam trabalho, arte e técnica.
Sem o passado, não haveria o presente e sem este, não haveria o futuro. Nós vivemos o presente em permanente mutação.  Somos testemunhas da história. Ter sido é uma condição para ser.

Prêmio Jabuti – 1º lugar na categoria Arquitetura e Urbanismo em 2013

 

Euclides da Cunha: Uma Odisseia nos Trópicoscapa odisseia nos tropicos

Alguns biógrafos sugerem um Euclides herói, embora maltratado pela vida. Este livro abandona os mitos e dá destaque ao gênio sem separá-lo de suas misérias. Frederic Amory dedicou-se como poucos a entender a personalidade e as ideias do autor de Os Sertões. Para isso ele confrontou, de modo rigoroso e objetivo, as problemáticas fontes de informação sobre o escritor. Esta biografia aprofunda e esclarece aspectos da vida e da obra de Euclides da Cunha até então pouco estudados.

Prêmio Jabuti de Biografia 2010
Prêmio Euclides da Cunha da Academia Brasileira de Letras 2009

 

Aproveitamos e incluímos na lista outros títulos que também são “campeões de audiência”, que estão com descontos que valem ouro!  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *