Daily Archives: 08/07/2016

8 Livros para ler no inverno

Atêlie selecionou uma lista com 8 livros para ler no inverno

Inverno é a estação mais aconchegante do ano. Perfeito para a leitura de um bom livro. Por isso a Ateliê Editorial separou uma seleção de 8 livros para ler no inverno.São livros que vão prender tanto a sua atenção que você vai até esquecer qual a estação do ano.

E para aquecer ainda mais seu inverno! Os livros da lista estão com um super desconto!

Casa dos seis tostoesCasa dos 6 Tostões

Paul Collins e sua família abandonaram as colinas de San Francisco para se mudarem para o interior do País de Gales – para se mudarem, na verdade, para a vila de Hay-on-Wye, a “Cidade dos Livros”, que ostenta mil e quinhentos habitantes e quarenta livrarias. Convidando os leitores a entrarem em um santuário para os amantes dos livros, A Casa dos Seis Tostões é uma meditação sincera e muitas vezes hilária sobre o que os livros significam para nós. Confira a Casa dos Seis Tostões

 

Eromar Bomfim

Coisas do Diabo Contra

A narrativa épica e romanesca consagrou a eliminação do homem pelo homem como padrão de heroísmo e universalizou o herói guerreiro na literatura e no cinema. A ficção de Eromar Bomfim rasga essa máscara de heroísmo, que tradicionalmente embelezou e enobreceu o assassinato, e liga uma luz no labirinto turvo, e nada honroso, da violência que motiva os personagens de Coisas do Diabo Contra. [Thelma Guedes]

Saiba mais sobre o livro Coisas do Diabo Contra

dissipatioDissipatio HG

De um dia para o outro, toda a humanidade desaparece sem deixar vestígio, e o protagonista desta narrativa se encontra sozinho no mundo. Esta é a mais perturbadora obra de Guido Morselli, a última que escreveu antes de cometer o suicídio. A condição humana é explorada pelo autor italiano numa elaboração kafkiana: para muito além do plano metafórico, ele trabalha com o vazio e a morte do sujeito. Nós conhecemos o mundo aqui descrito – e o pior: é neste cenário que nos sentimos mais confortáveis.

Confira Dissipatio HG

meu_faustoMeu Fausto

A correspondência do poeta francês e muitas páginas dos Cahiers também vieram revelar os “arredores” da elaboração de “Meu Fausto”: Valéry, então um homem de sessenta e dois anos, se apaixona pela jovem Jeanne Loviton, que irá abandoná-lo para se casar com o editor Robert Denöel, ao final, assassinado em 1944, por ter colaborado com os nazistas. O poeta jamais vai se recuperar do duro golpe, e morre no verão de 1945, permanecendo “Meu Fausto”, que se esperava seria a grande realização de Paul Valéry, na condição de “esboços”, obra aberta à espera de continuidade nas recriações futuras do mito do Fausto. Confira

Poema dos LunaticosPoema dos Lunáticos

A obra mais famosa do escritor italiano Ermanno Cavazzoni é, ao contrário do que sugere o título, um romance. O protagonista vive situações absurdas, permeadas por um humor nonsense. Influenciado por Kafka e Beckett, o autor oferece um novo ponto de vista sobre a realidade aparentemente lógica e racional que nos rodeia. O Poema dos Lunáticos aproximou Cavazzoni de Federico Fellini. O filme A Voz da Lua (1990), último longa do cineasta, foi inspirado no clima de lirismo e fantasia deste livro.

Confira o livro Poema dos Lunáticos

 

til-romanceTil

Além do texto fidedigno de Til, o presente volume contém o primeiro ensaio sistemático sobre o romance de José de Alencar. Nele, Ivan Teixeira desenvolve a hipótese de que, por trás de aparente ingenuidade romântica, a narrativa esconde uma densa investigação poética da existência. A obra conta ainda com notas de esclarecimento ao texto de Til, em que se discutem aspectos de construção narrativa e de sentido literário, e um extenso glossário de termos considerados estranhos ao leitor atual. As ilustrações são de Sergio Kon. Confira o Romance Brasileiro Til

Velho ChicoVelho Chico

Este é o relato de uma viagem realizada em 1975 pelo rio São Francisco. A autora, então colaboradora em programas culturais do governo federal, preparava uma exposição sobre carrancas e a vida ribeirinha. O que ela encontrou no caminho foram tocantes histórias de vida, transcritas num diário cheio de poesia. Em paralelo a essa narrativa com personagens de um universo estranho, há uma viagem interior também surpreendente. Nesse encontro de mundos, o rio torna-se metáfora de algo maior.

Confira Velho Chico ou a vida é amável

viagens-minha-terraViagens na Minha Terra

Viagens na Minha Terra trata-se de um tipo de narrativa multifacetada, conhecida como livro de viagem. Almeida Garrett, ao adotar matéria contemporânea como núcleo da narrativa em Viagens na Minha Terra, conferiu agilidade e senso de experimentação ao romance português. Um dos livros mais importantes do século XIX no país, os efeitos culturais desse romance só encontrariam paralelo nas obras de Eça de Queirós, surgidas cerca de trinta anos depois.

Confira Viagens na Minha Terra

 

Que tal passar os dias de frio na companhia de um bom livro?

Ah! Não precisa estar sozinho para aproveitar uma boa leitura. Ler a dois, debaixo de uma boa coberta, também é aconchegante.

Boa leitura!

Se gostou da lista? Deixei seu comentário abaixo ou sugira outros livros da Ateliê Editorial que você prefere.

Ateliê lança Os Processos de Criação em À Sombra das Raparigas em Flor

Novo livro de Philippe Willemart aprofunda o estudo do segundo volume de Em Busca do Tempo Perdido, de Marcel Proust

A Ateliê EditorCapa2ial está lançando Os Processos de Criação em À Sombra das Raparigas em Flor – A Pulsão Invocante e a Psicologia no Espaço em Proust. O livro foi escrito por Philippe Willemart, prof. titular em literatura francesa pela USP, de formação psicanalítica. Na obra, ele analisa a primeira parte do primeiro capítulo de À Sombra das Raparigas em Flor, segundo dos sete volumes do clássico Em Busca do Tempo Perdido, obra-prima de Marcel Proust, escrita entre 1908 e 1922.

“Numa primeira parte, leremos treze análises que percorrem o livro até as numerosas páginas sobre o escritor Bergotte, onde parei”, afirma Willemart na introdução da obra. “Numa segunda parte, aperfeiçoei o que tinha elaborado sobre as rodas da escritura e da leitura nas obras anteriores, com a ajuda das descobertas proustianas e outras”, completa.

Ao longo do processo de criação de Em Busca do Tempo Perdido, Proust escreveu 75 cadernos de rascunho, conhecidos como os cadernos manuscritos. Willemart fez uso deles ao empregar em seu estudo um número considerável de passagens desse material, registrando assim etapas muito diferentes da criação do livro. Segundo o pesquisador, os rascunhos permitem distinguir o essencial da narrativa.

“Como ‘o analista que conclui as palavras do analisando’, faz parte da proposta dos livros de Philippe Willemart sobre Proust conseguir verbalizar o que ficou apenas sugerido pelo escritor”, reflete Guilherme Ignácio da Silva no prefácio do lançamento.

O ensaio teve origem na preparação de uma disciplina para estudantes do último ano da graduação em francês na Universidade de São Paulo, o que faz a obra apresentar um caráter didático sobre Proust.

Serviço

Os Processos de Criação em À Sombra das Raparigas em Flor – A Pulsão Invocante e a Psicologia no Espaço em Proust

Formato:  12,5 x 20,5 cm

Número de páginas: 224

ISBN: 978-85-7480-732-4

Preço: R$ 38,00

 

Sobre a Ateliê Editorial

A Ateliê Editorial está no mercado desde 1995, atuando principalmente nos segmentos de literatura – ensaios, crítica literária e outras matérias de natureza acadêmica; comunicação e artes; arquitetura; edição de clássicos da literatura; e estudos sobre o livro e seu universo. O objetivo desta casa é levar ao público leitor livros de alta qualidade editorial, em edições cuidadosas que primam pela atenção ao conteúdo, à forma e à expressão. Isso transparece tanto nas capas quanto no rigor e fidelidade textual, o que pode ser comprovado pelos diversos prêmios nacionais e internacionais já recebidos pela editora – como Jabuti, APCA e IDA International Design Awards (EUA).

 

Site: www.atelie.com.br

Blog: blog.atelie.com.br

Twitter: @atelieeditorial

Facebook: https://pt-br.facebook.com/atelieeditorial

Contatos para Imprensa:

Milena O. Cruz

imprensa@rda.jor.br

Tel: (11) 4402-3183/(11) 98384-3500