Daily Archives: 02/06/2016

Livros de papel e consciência ecológica combinam?

Dia 5 de junho se comemora o Dia do Meio Ambiente. A data foi recomendada pela Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente, realizada em 1972, em Estocolmo, na Suécia. No Brasil, a Semana Nacional do Meio Ambiente acontece todos os anos, desde 1981, com o objetivo de apoiar a participação da comunidade nacional na preservação do patrimônio natural do País.

Aqui na Ateliê Editorial, a gente leva muito a sério a preservação dos recursos naturais. Mas, você pode estar se perguntando: Como é que uma empresa preza o meio ambiente se usa árvore como matéria-prima para seu negócio?

Bom, esta é uma pergunta bem pertinente. O fato é que, se levarmos em conta que para ler um e-book também se gasta energia elétrica e que a produção de microcomputadores também consome recursos naturais, chegaremos à conclusão de que não dá para produzir livros sem consumir recursos.

Na Ateliê, damos preferência ao livro físico porque acreditamos que, para além de trazer conteúdo, o livro é um objeto importante em si. Tocar, cheirar e folhear tornam a experiência da leitura em papel diferente da experiência da leitura em meios virtuais. O suporte do livro físico muda tudo. Mas nós também temos e-books, que estão à venda em sites como Livraria Cultura, Amazon, Saraiva e outros.

E justamente porque nosso negócio depende de recursos naturais, na editora, temos uma preocupação muito grande com o não-desperdício desses recursos. Aqui, procuramos reciclar tudo o que for possível e só jogar no lixo resto de comida e lixo de banheiro e cozinha.

Temos recipientes próprios para descarte de plástico (copo de água, embalagem de iogurte, bala, bolacha, etc.) e para descarte de papel. Conversamos com os novos funcionários sobre a importância da reciclagem e a política da empresa. Dizemos sempre que um pequeno gesto, como pôr para reciclar uma embalagem de bolacha, evitará que essa embalagem vá para o aterro sanitário, e que sirva de criadouro de mosquitos.

Também queremos que as pessoas se sintam responsáveis pelo uso dos recursos da natureza, por isso coletamos água da chuva em tonéis próprios para uso na lavagem de piso.

Exatamente porque os livros que produzimos precisam de papel para existir, valorizamos muito essa matéria-prima. Sabemos que cada folha de papel branco veio de uma árvore, e que a industrialização do papel envolve muita química e poluição atmosférica.

Temos consciência de que precisamos diminuir esse processo todo. Aqui na Ateliê, toda prova de livro é aproveitada no verso em branco para imprimirmos cópias de nota e documentos para nosso controle. Cada pedaço em branco é utilizado nem que seja em pequenos blocos para anotação.

Nossos funcionários sabem que o papel é um material nobre, tem que ser usado com parcimônia, sem desperdícios. É o chamado “ouro branco”. Foram gastos muitos recursos (árvore, água, eletricidade) para se chegar até ele. Por isso, não podemos descartá-lo para sumir no aterro sanitário, misturado com o lixo comum.

É com orgulho que dizemos que juntamos muito mais material para reciclagem do que lixo comum. Todo o material é levado até um ponto de reciclagem do supermercado Pão de Açúcar, que disponibiliza um espaço em suas dependências para que uma empresa de reciclagem possa recolher esse material. Além de ajudar com a reciclagem de lixo, possibilita a abertura de novos empregos para pessoas que estão afastadas do mercado de trabalho. Quanto mais essa empresa recebe material para reciclagem, mais postos de recebimento ela abre e mais empregos ela oferece.

Nossos computadores, impressoras e no breaks antigos ou quebrados são descartados no prédio da Poli-USP, que utiliza esses equipamentos no seu Laboratório de Sustentabilidade, o Lassu (http://lassu.usp.br/). Lá, os catadores de diversas cooperativas aprendem a desmontar os equipamentos de forma correta, sem poluir o ambiente com os metais pesados presentes nesses equipamentos, como chumbo, mercúrio, cádmio.

E o melhor é que sabemos que essas ações de responsabilidade se espalham, marcam muito. Tanto que a maioria dos nossos funcionários também reciclam seu lixo em suas casas.  E é por isso que, para marcar o Dia do Meio Ambiente, queremos compartilhar com você algumas informações sobre reciclagem, fornecidas pelo próprio Ministério do Meio Ambiente:

Dicas de reciclagem

dicas de reciclagem 2016

Para marcar o Dia do Meio Ambiente, queremos compartilhar com você algumas informações sobre reciclagem, fornecidas pelo próprio Ministério do Meio Ambiente:

 

O que é reciclável?

Folhas e aparas de papel, jornais, revistas, caixas, papelão, PET, recipientes de limpeza, latas de cerveja e refrigerante, canos, esquadrias, arame, todos os produtos eletroeletrônicos e seus componentes, embalagens em geral e outros.

Como separar o lixo doméstico?

Não misture recicláveis com orgânicos – sobras de alimentos, cascas de frutas e legumes. Coloque plásticos, vidros, metais e papéis em sacos separados.
Lave as embalagens do tipo longa vida, latas, garrafas e frascos de vidro e plástico. Seque-os antes de depositar nos coletores. Papéis devem estar secos. Podem ser dobrados, mas não amassados.

Embrulhe vidros quebrados e outros materiais cortantes em papel grosso (do tipo jornal) ou colocados em uma caixa para evitar acidentes. Garrafas e frascos não devem ser misturados com os vidros planos.

O que não vai para o lixo reciclável?

Papel-carbono, etiqueta adesiva, fita crepe, guardanapos, fotografias, filtro de cigarros, papéis sujos, papéis sanitários, copos de papel. Cabos de panela e tomadas. Clipes, grampos, esponjas de aço, canos. Espelhos, cristais, cerâmicas, porcelana. Pilhas e baterias de celular devem ser devolvidas aos fabricantes ou depositadas em coletores específicos.

E as embalagens mistas: feitas de plástico e metal, metal e vidro e papel e metal?

Nas compras, prefira embalagens mais simples. Mas, se não tiver opção, desmonte-a separando as partes de metal, plástico e vidro e deposite-as nos coletores apropriados. No caso de cartelas de comprimidos, é difícil desgrudar o plástico do papel metalizado, então descarte-as junto com os plásticos. Faça o mesmo com bandejas de isopor, que viram matéria-prima para blocos da construção civil.

Outras dicas:

Papéis: todos os tipos são recicláveis, inclusive caixas do tipo longa-vida e de papelão. Não recicle papel com material orgânico, como caixas de pizza cheias de gordura, pontas de cigarro, fitas adesivas, fotografias, papéis sanitários e papel-carbono.

Plásticos: 90% do lixo produzido no mundo são à base de plástico. Por isso, esse material merece uma atenção especial. Recicle sacos de supermercados, garrafas de refrigerante (pet), tampinhas e até brinquedos quebrados.

Vidros: quando limpos e secos, todos são recicláveis, exceto lâmpadas, cristais, espelhos, vidros de automóveis ou temperados, cerâmica e porcelana.

Metais: além de todos os tipos de latas de alumínio, é possível reciclar tampinhas, pregos e parafusos. Atenção: clipes, grampos, canos e esponjas de aço devem ficar de fora.

Isopor: Ao contrário do que muita gente pensa, o isopor é reciclável. No entanto, esse processo não é economicamente viável. Por isso, é importante usar o isopor de diversas formas e evitar ao máximo o seu desperdício. Quando tiver que jogar fora, coloque na lata de plásticos. Algumas empresas transformam em matéria-prima para blocos de construção civil.