Boris Kossoy faz 50 anos de carreira dedicada à fotografia

Fotógrafo brasileiro é uma das mais fortes referências para estudiosos e amantes da fotografia

Por Milena Oliveira Cruz

Boris Kossoy não é apenas um dos mais importantes fotógrafos nacionais; é, também, um grande estudioso da história da fotografia e de seu caráter documental. Foi graças às suas pesquisas incansáveis que em 1976 o mundo soube: a fotografia foi descoberta no Brasil, pelo francês Hercule Florence, e não por Louis Daguerre, na França de 1839, como até então se acreditava.

A todo momento, a carreira de Boris Kossoy uniu criação e reflexão, como em Realidades e Ficções na Trama FotográficaEste livro aborda os mecanismos mentais que regem a representação (produção) e a interpretação (recepção) da fotografia. De maneira didática, o autor explica o processo de construção de realidades – e, portanto, ficções – que a imagem possibilita.

Hildegard Rosenthal. Largo do Arouche em Janeiro de 1942. Acervo Instituto Moreira Salles.

Hildegard Rosenthal. Largo do Arouche em Janeiro de 1942. Acervo Instituto Moreira Salles.

Fotografia & História, lançado em 2001, é uma publicação pioneira no país, que traz princípios de investigação e uma metodologia de análise crítica das fontes fotográficas, a partir de uma abordagem sociocultural. Em 2012 a obra ganhou uma edição ampliada da Ateliê Editorial e ainda hoje é considerada referência para historiadores, cientistas sociais e estudiosos da comunicação.

Os Tempos da Fotografia – O Efêmero e o Perpétuo reúne textos sobre história, imprensa e memória, em que a fotografia é tanto fonte de pesquisa quanto objeto de estudo. O efêmero e o perpétuo fundamentam suas reflexões sobre a imagem e, nessa perspectiva, a fotografia ocupa o centro do debate sobre as ambíguas relações entre representação e fato, entre o aparente e o oculto. Boris Kossoy também publicou, pela Ateliê Editorial, Imprensa Confiscada pelo DEOPS – 1924-1954, em parceria com Maria Luiza Tucci Carneiro.

A importância do trabalho de Boris Kossoy é reconhecida também no exterior: obras do fotógrafo fazem parte do acervo permanente do Museum of Modern Art – MoMA (Nova York), George Eastman House (Rochester, Nova York), Smithsonian Institution (Washington, D.C.), Bibliothèque Nationale de Paris e Museu de Arte de São Paulo, entre outras instituições.

Boris Kossoy. Brasília, 1972. Acervo do Autor.

Boris Kossoy. Brasília, 1972. Acervo do Autor.

Por tudo isso, ele recebe, a partir de 10 de setembro, uma exposição internacional que celebra os seus 50 anos de carreira: Imago: sobre o Aparente e o Oculto. “Procuro e encontro grande parte dos meus temas no contexto da chamada realidade concreta, imediata. Nela me intrigam certos cenários e fatos corriqueiros que passam normalmente despercebidos para outras pessoas: não posso deixar de registrar determinadas ocorrências que noto nas casas, nas ruas, nos caminhos, nas janelas para onde dirijo minha câmera, lembrando Hitchcock, tentando desvendar o drama que pode estar acontecendo naquele lar, nas vitrines do comércio, na sedução de um gesto, na inquietação de um olhar”, diz Kossoy na página da Fundação Brasilea, onde será realizada a exposição.“(…) Me refiro, pois, ao que a câmera não registra, o oculto da representação, sua realidade interior. Passados 50 anos de meus inícios na fotografia, ainda é esta dicotomia do aparente/oculto o desafio permanente que me motiva e emociona.”

Conheça mais sobre a obra de Boris Kossoy

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *