Muito antes do Twitter, os livros

Textos curtos já eram tema de diversas obras muito antes do microblog existir

Por Renata de Albuquerque

Para algumas pessoas, o Twitter já está tão incorporado ao dia a dia que há quem nem se lembre de como era a vida sem #. Mas o Twitter, microblog que nos ensinou a sintetizar ideias, emoções e opiniões em apenas 140 caracteres, nasceu há menos de uma década, em 2006.

E, se ainda hoje há quem ache que é impossível se expressar com tão poucos caracteres, imagine antes dessa ferramenta se tornar popular?  O ano era 1998 quando Marcelino Freire lançou a primeira edição de EraOdito, um livro que se propunha a revisitar os provérbios, máximas e anexins populares, redescobrindo neles (e dentro deles, inclusive visualmente) novos sentidos e significados. Signos pululam das páginas, num exercício de criatividade de quem sabe que é possível dizer mais usando apenas o mesmo e já repisado texto:

 

 

acura

 

Outras vezes, em EraOdito, Marcelino “deturpa”, modifica essas frases tão comuns e nos presenteia com o inesperado:

amaids

 

Tudo muito curto, visual, com um poder de síntese que, se não prenunciava o Twitter, denunciava que era possível comunicar mais do que o óbvio usando apenas (ou quase unicamente) o evidente. Em 2002, EraOdito ganhou uma edição da Ateliê e, dois anos depois, Marcelino voltou a fazer muito com pouco.

Sem t’tulo-12O desafio, desta vez, era reunir cem histórias inéditas, de cem escritores brasileiros do século XXI, escritas com apenas 50 letras (sem contar título e pontuação). O resultado, Os Cem Menores Contos Brasileiros do Século, é tão espantoso quanto apaixonante. Glauco Mattoso, Índigo, Fernando Bonassi, Ivana Arruda Leite e muitos outros provam que é possível contar uma história tão curta que cabe em um tuíte:

“- Morreu de quê?

– Gastou-se.”

(Eugênia Menezes)

 

Em 2009, a economia de caracteres voltou à pauta na Ateliê Editorial, com o lançamento de Orações Insubordinadas – Aforismos de Escárnio e Maldizer, de Carlos Castelo. A agudeza e ironia das frases curtas atingem em cheio problemas atuais do país: corrupção, autoritarismo, conservadorismo. A inversão de frases conhecidas desloca-nos do conforto do senso comum:

oracoes_insubordinadas

“Narcotráfico é organizado demais. Nós aqui temos anarcotráfico”, escreve o autor, conhecido também por ser letrista do provocativo Língua de Trapo.

Em outras passagens, a reflexão vem de uma ambiguidade estudada e cheia de segundas intenções:

 

“Temos ao menos uma coisa em comum com a Suécia: somos um país bárbaro”

 

Ironia pura, destilada em pouquíssimas letras, e que produz acidez no riso amarelo – e por vezes tragicômico – do leitor.

Com tantas mensagens curtas – mas complexas – em seu catálogo, a Ateliê envereda, em outubro de 2009, pelo microblog. Em abril de 2010, publica seu primeiro Tweet:

Primeiro Tweet com borda

 

Hoje, já são quase 10 mil seguidores. E ainda há quem diga que não é possível se expressar com tão poucos caracteres…

 

 

  2 comments for “Muito antes do Twitter, os livros

  1. Signos Datas
    18/01/2016 at 13:52

    ótimo, gostei.

    • Renata Albuquerque
      22/01/2016 at 14:47

      Que bom! Agradecemos! 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *