Quem critica editais acredita demais nas virtudes do mercado, diz José Durand

José Carlos Durand:  "empréstimos para cineastas são vício, para banqueiros, virtude"

“Empréstimos para cineastas são vício, para banqueiros, virtude”

O novo livro do sociólogo José Carlos Durand, Política Cultural e Economia da Cultura, lança luz sobre uma questão que aflige o setor há décadas: o que falta para nossa produção cultural tornar-se profissional e sustentável?

A antologia de ensaios cobre o período entre 1995 e 2010,  abordando temas como a falta de visão sistêmica na gestão pública, amadorismo na administração da cultura, formação de agentes culturais, leis de incentivo, o papel da crítica e das premiações, além de fazer um panorama comparativo da política cultural na França, Inglaterra e Estados Unidos. Leitura provocativa e essencial para qualquer pessoa envolvida no (ou curiosa pelo) tema.

Em entrevista por email, José Durand comentou alguns dos temas abordados no livro, como a nomeação de artistas para cargos no Executivo, incentivos fiscais para o cinema e a formação de público para eventos culturais de pequeno porte. Leia abaixo:

Um dos temas tratados no livro é a necessidade de profissionalizar a gestão de cultura no Brasil, um contraponto à ideia de colocar “medalhões” das artes para decidir políticas públicas, por exemplo. Você acha que o episódio recente do Ecad, em que um comitê de artistas foi ao Senado pressionar por medidas regulatórias, é um exemplo disso?
José Carlos Durand: O artista ou intelectual consagrado costuma ser impaciente com processos burocráticos e exigências legais, então precisa ser assessorado por gente capaz de lidar com essas situações. Então, prestígio pessoal não é só o que importa. Agora, no caso do Ecad, não foi a visita de “medalhões” que definiu o curso de ação, mas sim uma controvérsia social envolvendo artistas, advogados, fiscais de direitos autorais, gravadoras, promotores públicos etc. Houve até comissão de inquérito. Os “medalhões” foram apenas levantar o brinde ao que havia sido aprovado, e gerar um pouquinho de mídia que não faz mal a ninguém.

Mês passado, o professor e palestrante americano Dov Simens veio ao Brasil e declarou que nossos cineastas estariam “viciados em dinheiro público”. Você concorda com essa visão?
JCD: De um modo geral, críticas como essa partem de pessoas crédulas demais nas virtudes do mercado e nas possibilidades de obter recursos privados a projetos culturais sem antes perguntar se o país em questão tem tradição de real mecenato privado, se tem ou não um parque exibidor aberto a comprar produção independente, se os filmes que o governo financia tem teor cultural, se os cineastas tem uma origem social privilegiada etc. A propósito, por essa lógica, o campo acadêmico cientifico brasileiro seria uma negação total, pois seus projetos de pesquisa são financiados com recursos praticamente só do setor público. É preciso considerar que, em geral, quem acusa cineastas de “viciados em dinheiro público” acredita que, no caso de empresários e banqueiros, tal conduta deixa de ser vício para ser a maior virtude. Ou seja, reclamar e abiscoitar empréstimos subsidiados, a juros negativos, sem nenhuma preocupação com qualquer término ou “porta de saída”, que tanto se cobra de programas de distribuição de renda a quem realmente precisa.

O livro aborda uma questão sensível a todos os campos culturais no Brasil: a dificuldade de formação de público. Seja na música, no cinema ou nas artes plásticas, a sensação é que temos “blockbusters” sazonais que atraem muito público, mas não parecem beneficiar a audiência dos eventos menores, que têm muita dificuldade em chamar atenção. Como se pode diminuir essa diferença?
JDC: A formação de público depende antes de tudo da formação de repertório, que deriva, ao longo do tempo, da educação do gosto e da correlata capacidade de se enfastiar com uma oferta estereotipada e sempre a mesma de bens culturais. Mas é preciso lembrar que a situação é hoje melhor do que antes para os “eventos menores”, devido às novas tecnologias de produção e circulação de bens culturais, e correlato barateamento, o que permite às pessoas navegar mais agilmente em um universo de escolhas muito maior do que algumas décadas atrás. E aos jovens escritores de imprimir seus textos inaugurais e aos jovens compositores e gravadores de registrar sua criatividade e difundi-la em seus círculos.

Quais, na sua opinião, são as medidas mais urgentes a serem tomadas para profissionalizar e fortalecer a política e economia culturais no Brasil?
JCD: O mais urgente é fortalecer a qualidade do ensino sobretudo para aquelas faixas etárias mais importantes para a formação de um gosto mais qualificado em matéria cultural. Coincidentemente, é aquela faixa etária (15-20 anos) que está mais exposta às situações de risco nas periferias das grandes cidades e nas regiões economicamente mais atrasadas. E falo de risco meeesmo, inclusive de vida, e não apenas de universo simbólico empobrecido. Do ponto de vista de gestão cultural propriamente dita, orçamento maior para ministério e secretarias estaduais e municipais, com criação de cargos mediante admissão por concurso e plano de carreira. O MinC no período Lula realizou essa ampliação. Lamentavelmente, há um pensamento conservador para o qual toda e qualquer expansão dos quadros do Estado significa sempre e tão somente “inchamento”, “nepotismo” e “ociosidade”. Levar em conta também que estruturação de carreira e funcionários estáveis significa evitar melhor não interromper tudo o que se faz quando mudam os dirigentes, a cada eleição.

> Ver mais sobre o livro Política Cultural e Economia da Cultura

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *