Rosário Fusco, “o gigante voraz”

Escritor mineiro admirado por Mário e Oswaldo de Andrade hoje é quase desconhecido.

.

Rosário Fusco

Ronaldo WerneckHoje em Dia

.

rosário fusco o que foi físsil rosário fósforo
foi-se de fato lume fora do fusco do rastro do risco
que já foi sim e não porque nunca foi nunca foi-se de fato
rito rosto rateio ritmo rumo ruminação relíquia

.

“Morreu de talento. É a urna de cinzas detergentes do modernismo” — ele declarava sobre Oswald de Andrade, na entrevista que eu e Joaquim Branco fizemos para o Pasquim, em 1976. Parecia falar de si mesmo, de seu talento, que lembrava o de Oswald. Há 35 anos, no dia 17 de agosto de 1977, morria em Cataguases o escritor Rosário Fusco. Nascido em 19 de julho de 1910 em São Geraldo (MG), Fusco veio com um mês para a cidade onde se tornaria, ainda adolescente, um dos fundadores e enfant terrible da revista Verde. Lançada em 1927, a Verde foi um dos principais braços do movimento modernista em Minas Gerais. Após longo périplo “oropa-frança-bahia” (Rio /Paris/Nova Friburgo), Rosário Fusco voltou em 1968 para Cataguases, onde ficou até o final da vida. Em 2010, o seu centenário de nascimento passou praticamente esquecido. “Lá se foi o velho Rosário Fusco” – escrevia o cronista José Carlos Oliveira no Jornal do Brasil de 21 de agosto de 1977, quatro dias após a morte do romancista: “um gigante voraz, andarilho infatigável que viveu (vivenciou, se preferirem) a aventura antropofágica proposta pelos modernistas. Cosmopolita, para onde quer que fosse levava um coração provinciano. Teria que terminar em Cataguases, misteriosa cidade com vocação de radioamador – dentro das casas, nos bares, na praça, na modorra da roça é apenas uma prevenção de forasteiro: na verdade, Cataguases está em febril contato com o mundo, é pioneira em cinema, em literatura, em arquitetura”.
Cataguases deve muito a Rosário Fusco, verdadeiro motor da revista Verde, um vulcão que escrevia, ilustrava, diagramava, mandava (e recebia) cartas pra todo mundo – principalmente para o modernista Mário de Andrade. Com um mês de idade e órfão de pai, Rosário Fusco de Souza Guerra chega a Cataguases com a mãe, lavadeira. Duro início de vida: aprendiz de latoeiro, servente de pedreiro, pintor de tabuletas, prático de farmácia, professor de desenho, bedel no Ginásio.
Aos 15 anos, já colaborava no Mercúrio, jornal dirigido por Guilhermino César, e logo em dois outros jornaizinhos, Boina e Jazz Band. Com José Spindola Santos, edita Itinerário — e juntos fundam a livraria-editora Spindola & Fusco. Aos 17, é um dos criadores da Verde e, aos 18, publica “Poemas Cronológicos”, com Enrique de Resende e Ascânio Lopes (1928). Em 1932, muda-se para o Rio de Janeiro, onde forma-se em Direito em 1937.

Fusco só escrevia à mão com uma velha e rombuda Parker 51

Romancista, funcionário federal, dramaturgo, poeta, jornalista, publicitário, radialista, crítico literário, ensaísta, secretário da Universidade do Distrito Federal e procurador do Estado do Rio de Janeiro. Muitos cargos para um homem só, mesmo um muito enorme e da melhor qualidade como Rosário Fusco. Melhor dizer, simplesmente, profissão: escritor. Mesmo porque ele foi o primeiro escritor brasileiro a ser reconhecido como tal pelo antigo INPS. Em meados dos anos 1960, ele volta para Cataguases. “Onde anda Rosário Fusco?” – (se) perguntava, em 1996, um poeta da terra. Por acaso, eu mesmo. “Onde andam o vozeirão, a velha e rombuda Parker 51, anotando trechos ou gravando situações que irão compor um próximo romance?” Fusco só escrevia à mão: “assim me sinto mais ligado ao que estou escrevendo. Além de péssimo datilógrafo, a máquina me distancia das coisas, da densidade dos corpos”. Onde andam o imponderável bigode mexicano, a larga risada, o humor, a lágrima, o uísque, o cigarro, a panela com água fazendo de cinzeiro (magnífica invenção!), a lustradíssima bota do menino Rosário – aquela que ficava sobre a mesa do seu escritório na casa do bairro da Granjaria? Onde andam aquela panela, aquela bota? Como a bota de Van Gogh, uma de suas admirações “do rol dos confessáveis (as outras; Machado de Assis, Dostoievski, Beethoven). Mas que coisa é Rosário Fusco, que coisa entre coisas, entre todas as coisas é R.F.”?

a.s.a. – associação dos solitários anônimosObras

De 1928 a 1969 – quando a Editora Mondadori lançou na Itália seu romance L’Agressore, editado em 1943, no Rio, pela José Olympio, Fusco publica inúmeros títulos em vários gêneros: Fruta de Conde, poesia, em 1929; Amiel, ensaio, 1940; O Livro de João, 1944; Carta à Noiva, 1954; O Dia do Juízo, 1961, romances; Vida Literária, crítica, 1940, Introdução à Experiência Estética, ensaio, 1949; Anel de Saturno e O Viúvo, de 1949, teatro; e Auto da Noiva, farsa, 1961. A Ateliê Editorial publicou seu romance póstumo a.s.a.: associação dos solitários anônimos.

Em 1976, sai nova edição de O Agressor, pela a Editora Francisco Alves. O mesmo romance é também republicado cm 2000, pela Bluhum. Em 2003, a Ateliê Editorial lança um romance inédito do escritor, a.s.a. – associação dos solitários anônimos. Existem ainda outros inéditos, como Vachachuvamor, romance; Um Jaburu na Tour Eiffel, livro de viagem; e Creme dc Pérolas, poemas eróticos.

Vida e Morte

Que coisa é Rosário Fusco? Um escritor e basicamente um romancista, com toda a sua danação e glória: “Tenho perdido ônibus, bondes, empregos, amizades. Nunca perdi a vontade de escrever… Não sei, em verdade, porque escrevo, se todos escrevem, se há tantas coisas na vida menos melancólicas e mais eficientes.., Vivo – quem não vive? — sob o signo do imprevisto, que manda chuva e manda guerra, protestos de títulos e cobradores à porta, falta de manteiga e falta de afeição, aumento do preço do cinema ou dores de cabeça, irremovíveis. Vivo num mundo onde poucos penetram e, se penetram, faço tudo para não deixá-los sair… Escrever é um mal, é um bem, é um erro? É tudo isso e não é nada disso: é uma fatalidade, para encurtar palavras”.

Em sua crônica quando da morte do escritor, Carlinhos Oliveira brinda à vida e faz de suas palavras a melhor das elegias para Rosário Fusco: “Curiosamente, não recebo com tristeza a notícia de sua morte. Ele viveu intensamente, não desprezou nada, comeu e bebeu e estudou a vida com furor implacável. Não provou do veneno dos românticos, mergulhou de cabeça na festa, e cada minuto de sua vida foi sem duvida uma vitória contra a insidiosa inimiga”. Sim, Rosário Fusco viveu e morreu de talento…

Acesse o livro a.s.a.: associação dos solitários anônimos na Loja Virtual (35% de desconto)

.

  1 comment for “Rosário Fusco, “o gigante voraz”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *