Livro traz visão geral e prática da linguística cognitiva

por Alex Sens | @alexsens

“Cognição é a capacidade que os seres humanos têm de processar informações adaptando-se às mais variadas situações possíveis, num curto espaço de tempo.” É dessa maneira simples e direta que Antônio Suárez Abreu, professor titular de Língua Portuguesa da Unesp, nos apresenta a ideia da cognição em seu mais recente livro Linguística Cognitiva – uma Visão Geral e Aplicada. Aqui, não só interessa o conceito puro, mas aplicado à linguagem: “Dentro de uma visão moderna, superando antigas divisões, a cognição humana engloba a linguagem, a memória, o raciocínio lógico, as emoções e a motivação. […] Em consequência dessa visão, o princípio básico da linguística cognitiva é o de que a linguagem não é uma faculdade autônoma em relação às outras faculdades humanas como a visão, a audição, a memória, a capacidade de pensar e de se emocionar.”

Breve volume dividido em dez capítulos, Linguística Cognitiva é de fácil acesso, com exemplos variados e um rico apelo para situações do dia-a-dia em que a cognição enquanto linguagem está aplicada. Abreu explora desde a categorização de seres e coisas, criando assim as capacidades de organização e comunicação como fatores essenciais à evolução e sobrevivência humanas, até a gramática cognitiva, cujo papel é mediar a passagem de significados em sons e vice-versa. O autor também destrincha o conceito de “linguagem corporificada”, contrário à teoria de divisão entre mente e corpo: “Nossa percepção de realidade é construída pelo formato do nosso corpo, pela maneira como ele se movimenta, pelo jeito como nossos sentidos percebem a realidade à nossa volta, pela forma como interagimos com o mundo, seus seres e objetos”.

Há ainda algumas amostras de esquemas de imagem, responsáveis por projeções metafóricas que auxiliam na comunicação; uma breve explicação sobre frames e scripts, dispositivos ligados à imaginação e à ordenação cronológica;  um estudo sobre metáfora e metonímia, duas das principais figuras de linguagem comumente usadas, sendo a primeira uma espécie de indumentária emocional ao que se deseja expressar ou um recurso argumentativo, e a segunda um entendimento do todo pela parte, ambas ativadas pelos frames. Outros tópicos da retórica e da estilística também são estudados, como a integração, a diferença conceitual entre história, parábola e provérbio, iconicidade e espaços mentais.

Linguística Cognitiva é uma obra-guia que mescla conceitos neurocientíficos e sociolinguísticos: apresenta um pouco de História ligada à linguagem, esta à nossa vida, e finalmente a vida como dependente absoluta das várias formas que os seres humanos encontraram para se relacionar, sobreviver e, sobretudo, criar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *