Resenha: Refluxos, de Edson Valente

Livro Refluxos, de Edson ValenteFonte: ICnews

por Isabel Furini

O autor publica seu primeiro livro de contos, Refluxos (Ateliê editorial, 2010, 80 páginas), porém não se trata de um iniciante, pois Valente já tem seu estilo bem definido. É um estilo moderno, com colocações sutis e comentários irônicos.

O leitor de contos clássicos sentirá falta de alguns elementos descritivos como detalhes do cenário, retratos de personagens e nomes que identifiquem esses personagens. Talvez Valente escolheu essa forma narrativa porque vivemos numa época de massificação, onde os nomes não diferenciam as pessoas. Os seres humanos se unem ou se separam por gostos e desgostos, por situações (algumas fortuitas), por parâmetros, ideologias, costumes, hábitos, enfim, o homem contemporâneo é talvez o mais solitário, o mais incompreendido, e, ao mesmo tempo, aparentemente o mais semelhante aos semelhantes – o efeito colateral da tão desejada igualdade. E esse olhar da condição humana pode ser percebido no livro.

A ironia, a monotonia, o cansaço, o “abacaxi” que aparece em qualquer situação, são focados pelo escritor. Edson Valente não está preocupado em descrever o espaço, mas em mostrar aspectos da vida das pessoas. Ele tampouco cria tipos, mas assinala características da forma de viver e de ser do homem contemporâneo e o transforma como o personagem do excelente conto Plano de previdência, um daqueles contos que se lê várias vezes, e em cada leitura é possível encontrar novos detalhes interessantes. Na história o homem se transforma em um ventríloquo mudo. Magnífico oximoro! Vejamos um fragmento de Plano de previdência: “E, em um certo dia, o ventríloquo ficou mudo. De tanto fingir distanciamento, perdeu o movimento. Confundiu- se, parou de dirigir e de interpretar. Não se esforçou nem mesmo antes de se firmar na série, ser aclamado pelo público e, assim, tornar-se imprescindível para os produtores.”

Valente desenvolveu no jornalismo a capacidade de observação, de ver detalhes, situações. Sua linguagem é altamente literária e seu campo de expressão é a metáfora. O uso da metáfora como forma de olhar os acontecimentos, o mundo, torna algumas partes do livro altamente líricas, mas sem cair em pieguices, pois os assuntos quotidianos vistos com um olhar singular não permite esse tipo de quedas.

Em Refluxos encontramos críticas certeiras e irônicas, como, por exemplo, “Adotou um papel para o qual se adequava perfeitamente – e, tarde demais, descobriu que era, em essência, aquele papel.”

A metáfora já está no nome Refluxos – (vejamos fragmentos do conto Inanição): “Ele fica pesado, uma má digestão crônica, e começam a sair umas substâncias viscosas de sua boca (…). Até que um dia tudo escapa de uma vez, em uma só golfada. Um soco duro e impiedoso, e depois do atordoamento inicial tentamos recuperar o equilíbrio e conter aquele vazamento, ver se ainda dá para segurar alguma coisa, um naco que seja, um naco de coisa alguma, uma beirada de qualquer lembrança, uma luz diferente, um brilho de fim de tarde, algum resto de calor. (…) E aí, então, o vazio final…”

Se o autor escolhe a metáfora para falar do mundo, podemos dizer que ao perceber frases como essas: “E aí, então, vazio final…” lembramos-nos de A Náusea do existencialista francês Jean-Paul Sartre. Evidentemente os dois livros não se relacionam no estilo, nem no tempo, mas tem sim um ponto de vista semelhante. Sartre, no romance A Náusea, constrói seu romance filosófico a partir dos sentimentos e da observação de ações banais de Antoine Roquentin. Refluxos convida o leitor a entender os refluxos, náusea, vômito, cansaço da vida que parece sem sentido. O livro se refere a um refluxo, vômito de todas as coisas que poderiam ter sido boas e não foram.

No conto O cachorro entrou na igreja: “Lá de dentro, muita luz, uma barricada de pennies, de cálices dourados, de casais repetindo “sim” incessantemente e outros tombando, juntos, depois de sorverem taças de licor de cicuta”.

No conto Mausoléu, “Enquanto eu mesmo não me tornar uma carcaça nauseante, algo estará resguardado. Minha memória mantém com fervor o local onde enterrei o tesouro, marquei um “x” ao pé de uma árvore frondosa que viverá bem mais que nós dois juntos”.

Refluxos é uma boa opção para ler, curtir e pensar.

CRÔNICA: Palavras

Quando a emissora abriu, já havia uma fila de milhares de palavras. As arrogantes empurravam, e as tímidas, acovardadas, cediam os seus lugares. Algumas palavras eram boas, mas também havia palavras ruins. Algumas eram difamatórias, e outras, grosseiras. A fila foi andando. A última palavra, cabisbaixa, apoiou-se na porta.

– Pode entrar – falou o porteiro.

– Para que? Ninguém se lembra de mim.

– Neste lugar inspirarás poetas, participarás de diálogos e discursos. Ressurgiras!

A palavra fraternidade entrou e propagou-se pelo mundo.

* Isabel Furini é escritora e palestrante. Orienta a Oficina Como Escrever Livros, no Solar do Rosário. É autora de O Li.

  2 comments for “Resenha: Refluxos, de Edson Valente

  1. Manuel
    11/02/2011 at 18:22

    Boa tarde ,

    Sou Frances aposentado e vivo em Curitiba .
    Fiz o caminho de Santiago de Compostela do Puy en Velay (França )
    até Santiago 1600 km em 2009 . Foi uma aventura extraordinaria
    Que acasionou a minha vinda para o Brasil definitiva . Gostaria imenso
    de escrever um libro sobre esta aventura fora do comum . Mas tenho
    pouca inspiração para poder fazelo só .

    Se alguem me puder ajudar , seria maravilhoso

    Cordialemente

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *