Visões da natureza humana dentro e fora do banheiro

“É preciso muita coragem para dar um livro de contos o título Histórias de Banheiro, já que o possível comprador, ao vê-lo nas prateleiras das livrarias, assim como pode ficar intrigado ou curioso, pode também ficar com o receio de escatologias ou, ao menos, de se ver diante de histórias muito prosaicas. Consequentemente, tenderia a rejeitar a idéia de levar o volume recém-lançado pela Ateliê Editorial para casa. Coragem, porém, é o que não falta a Dirce de Assis Cavalcanti, poeta, escultora, escritora e agora também contista. Uma conquista que eu só não ousaria dizer de ‘mão cheia’ por ser Dirce uma mulher delicada, de beleza frágil e diáfana, com o rosto claro aberto para o mundo por duas janelas verdes, emocionadas e sensíveis, mas também espectrais, como é o caso de todos os olhos verdes.

Ampliar

OU SERÁ QUE Dirce tem os olhos azuis? Não importa. Importa que são olhos que tudo vêem. A eles nada escapa. Sobretudo no que diz respeito à alma humana. Não é qualquer um que tem este dom, mas, sem dúvida, a autora dessas deliciosas Histórias de banheiros o tem. Ela mesma nos confessa, num de seus textos: ‘Saber olhar é como saber ler. Depois que se aprende nunca mais se volta à inocência primeira. Nunca mais se consegue desligar o botão do conhecimento. Lê-se tudo o que se passa pelos olhos. E com os olhos, vê-se, tudo. Mesmo o que não se quer ver. O que é feio ou o que choca. O que fere, o que tenta, o que agride, o que seduz. Tudo, pelos olhos adentro. As pessoas, a paisagem. O carro que passa. O céu por detrás do vidro da janela. A chuva…'”

[Cecília Costa – Jornal do Commercio]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *